Seculo

 

Justiça determina execução de sentença para pagamento contingenciado de policiais civis


09/05/2017 às 17:12
A juíza Heloíza Cariello, da 2ª Vara de Fazenda Pública Estadual de Vitória, determinou a execução da sentença para o pagamento do contingenciamento de cerca de 2,3 mil policiais civis, que tiveram valores dos salários indevidamente restringidos nos anos de 1998 e 1999, com correção monetária e de juros. Na sentença final, a magistrada rejeitou as alegações do Estado e determinou o pagamento.
 
A batalha judicial teve início em 1999. Em 1998, os salários de outubro e novembro deixaram de ser pagos no ano seguinte houve o contingenciamento de parte dos salários dos policiais, para que eles pudessem ser pagos em dia. Diante disso, o Sindicato dos Policiais Civis do Estado (Sindipol-ES) acionou a Justiça pleiteando o pagamento integral dos salários e o pagamento do valor contingenciado corrigido monetariamente.
 
A entidade calcula que devam ser devolvidos mais de R$ 18 milhões aos policiais.
 
Na sentença, a juíza rejeitou as alegações do governo que, inicialmente, pediu a extinção do processo de execução, diante da ausência de memória de cálculo discriminada. A magistrada considerou que o sindicado anexou ao processo memória de cálculos, planilha dos valores individuais, além dos índices de correção e juros de mora.
 
O governo também alegou que os valores já haviam sido adimplidos, apontando que a Secretaria de Estado de Gestão e Recursos Humanos (Seger) já havia quitado os débitos referentes meses de outubro, novembro e dezembro de 1998 e o contingenciamento, porém sem correção monetária. No entanto, a juíza esclareceu que nos valores pagos não foram contabilizados juros de mora e correção monetária, justamente o objeto do cumprimento da sentença.
 
O governo também pediu que fosse produzida prova pericial para apurar corretamente os valores devidos e a magistrada reforçou que a sentença refere-se somente à correção monetária e aos juros de mora dos valores ilegalmente descontados e posteriormente pagos pelo Estado, sem atualização. Portanto, o montante a ser alcançado da condenação envolve apenas cálculos aritméticos, sendo desnecessária a produção de prova pericial.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Uma coisa só

Marcos Vicente mantém vice-presidência da CBF e amplia influência no Estado

MPES omisso

Processo de Valci Ferreira e Gratz por crime de peculato será remetido ao STF

Cedrolândia ainda aguarda resposta do prefeito sobre escola condenada