Seculo

 

No olho do furacão


10/05/2017 às 15:47
Esta semana, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública-Datafolha divulgou uma pesquisa previsível, mas ao mesmo tempo alarmante sobre os crimes contra a vida. De acordo com o levantamento, que ouviu 2.065 pessoas em todo o País, 35% dos entrevistados disseram conhecer casos de alguém próximo (parente ou amigo) que tenha sido vítima de homicídio ou latrocínio (assalto seguido de morte), ou seja, ou seja, um em três brasileiros conhece alguém que sofreu esses tipos de crime.
 
Como a pesquisa não apresentou os dados por Estado (apenas regionais), não dá para saber se essa média pode ser ainda maior no Espírito Santo. Se considerarmos os números da violência contabilizados até março deste ano - a Secretaria de Segurança Pública ainda não divulgou os dados de abril -, dá para estimar que a realidade do Espírito Santo pode ser ainda bem mais grave por causa dos últimos acontecimentos. 
 
Nos três primeiros meses do ano, 456 pessoas foram assassinadas no Estado. O que representa uma média de 152 mortes por mês e projeta uma taxa anual de 46 homicídios para cada grupo de 100 mil habitantes – índice de guerra civil.
 
A percepção do cidadão, porém, continua sendo mais significativa que qualquer pesquisa. Ele tem indicado que a violência voltou a ser uma preocupação central da sociedade. A violência que engolfa os capixabas alcançou seu ápice durante os 22 dias de paralisação da Polícia Militar, em fevereiro, com mais de 200 assassinatos registrados no período. A greve da PM acabou já faz quase três meses, mas a segurança continua de cabeça para baixo. 
 
Reportagem de A Gazeta (10/05/17) revela que o Estado segue entregue ao deus-dará. No bairro Campo Grande, em Cariacica, a saída que os moradores encontraram para tentar se defender da bandidagem foi a fixação de cartazes nos postes, alertando sobre os riscos de assaltos praticados por motoqueiros. “Cuidado, zona de assaltos. Motoqueiro agindo principalmente a partir das 6h da manhã”.
 
A solução desesperada dos moradores revela a falência do Estado. A população, já resignada com a inépcia do Poder Público, cria seus próprios mecanismos de sobrevivência. O alerta serve para evitar que os moradores mais distraídos sejam surpreendidos pelos criminosos. As dicas incluem, andar com “celular fake”, especialmente para entregar para o ladrão, e andar com quantias módicas de dinheiro no bolso. Relógios, assessorias e jóias à mostra, nem pensar. 
 
Outras zonas vulneráveis ao crime na Grande Vitória ainda não adotaram as placas, mas o boca a boca transmite exatamente a mesma sensação de pânico. Nos pontos de ônibus, o tema que domina as rodas de conversa nos minutos de aflição que antecedem a espera sem fim pelo coletivo é só um: violência. Os usuários relatam os últimos crimes ocorridos, destacando a ousadia dos bandidos; a infelicidade de uma vítima fatal que reagiu a um assalto. Relatos que aumentam ainda mais a tensão de quem já vive na expectativa de se tornar a próxima vítima.
 
Aliás, se a pesquisa do Fórum de Segurança Pública perguntasse aos entrevistados quem conhece ou já foi vítima de assalto, com toda a certeza o resultado seria ainda mais impressionante: dá para arriscar que dez em cada dez pessoas no Espírito Santo já sofreram ou conhecem alguém que foi vítima de assalto. 
 
Solução como a improvisada em Cariacica confirma que o cidadão que depende de cartazes fixados em postes para se defender da violência está abandonada pelo Estado, no olho do furação, entregue à própria sorte.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Bicho-papão
O ajuste fiscal de Paulo Hartung precisa do exemplo do Rio de Janeiro tanto para cortar quanto para supervalorizar a liberação de recursos
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Caetano Roque
Pressão neles
O movimento sindical deve conscientizar o trabalhador sobre quem estará na disputa do próximo ano contra ele
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Precipitou-se

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento