Seculo

 

Ministério do Meio Ambiente nega prorrogação da Portaria 445 para 2018


12/05/2017 às 21:20
O Ministério do Meio Ambiente (MMA) negou a informação de que a Portaria 445/2014 – que estabelece a proibição de pesca, transporte e comercialização de 475 espécies de peixes e invertebrados – seria suspensa nos próximos dias pelo período de um ano.

A informação, ventilado pelas redes sociais de lideranças pesqueiras no Espírito Santo e do deputado federal Marcelo Delaroli (PR/RJ), foi refutada pelo MMA nesta sexta-feira (12). O anúncio começou a circular na última quarta-feira (10), após uma reunião entre o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, e parlamentares de Santa Catarina e Rio de Janeiro.

Apesar da insistência do gabinete de Delaroli em afirmar a iminência de derrubada da Portaria 445/2016, a Assessoria de Comunicação do MMA explicou que “o que foi acordado é que o MMA vai atualizar a portaria 161 para permitir a pesca de espécies que não estejam em situação crítica, para que sejam construídos os mecanismos de ordenamento para garantir a pesca sustentável destas espécies. Para tanto, são aguardadas informações que fundamentem o pleito do setor”.

A Portaria 161 foi publicada no dia 20 de abril de 2017 e lista 15 espécies que tiveram a pesca liberada, até se realizarem novos estudos sobre seu grau de ameaça, de forma a atender à reivindicação dos pescadores artesanais, principalmente os do Espírito Santo, os primeiros a acionar o Ministério sobre a questão.

No Estado, deputados estaduais, representantes do Ministério da Agricultura e do setor pesqueiro preparam um documento a ser enviado para Brasília na próxima semana, com mais sugestões e reivindicações sobre o assunto.

A mobilização do setor teve início no início de abril, em protesto à implementação da Portaria 445/2014, que reconhece a lista de 475 espécies de peixes e invertebrados ameaçados de extinção, segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (IMCBio), e proíbe sua pesca, transporte e comercialização. Os pescadores afirmam que a portaria inviabiliza a sobrevivência da pesca artesanal no País e exigem participar dos estudos que definem quais espécies estão ameaçadas e em que estados.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Uma coisa só

Marcos Vicente mantém vice-presidência da CBF e amplia influência no Estado

MPES omisso

Processo de Valci Ferreira e Gratz por crime de peculato será remetido ao STF

Cedrolândia ainda aguarda resposta do prefeito sobre escola condenada