Seculo

 

Depois de meses de negociação, trabalhadores da Aracruz Celulose (Fibria) aprovam proposta de acordo coletivo


15/05/2017 às 12:50
Depois de pressão da Aracruz Celulose (atual Fibria), os trabalhadores da empresa aprovaram a proposta de acordo coletivo. Para o Sindicato dos Trabalhadores Químicos e Papeleiros do Estado (Sinticel-ES), a empresa se aproveitou do momento econômico desfavorável para os trabalhadores, com aumento nos índices de desemprego, para apresentar a proposta desfavorável.
 
A proposta aprovada é de reajuste salarial de 8,5% pagos em duas vezes (sendo 7% retroativo a novembro e os outros 1,5% a partir de maio); abono indenizatório de R$ 2,5 mil e o adiamento da retirada do plano odontológico para dezembro de 2017.
 
As tratativas para o fechamento do acordo coletivo começaram ainda em 2016, com a empresa se recusando a tirar da proposta os pontos que representavam a retirada de direitos dos trabalhadores.
 
Com a demora na apresentação da proposta, o Sinticel teve de tomar medidas para garantir a data-base da categoria. Quando o sindicato estava prestes a ajuizar ação de dissídio coletivo, o presidente da Fibria, Marcelo Castello, visitou a fábrica de Aracruz, no norte do Estado, e foi questionado por representantes do sindicato. Castelli pediu, então, que o sindicato apresentasse uma nova proposta e estendeu a data-base da categoria por mais 20 dias.
 
Os trabalhadores, então, definiram as propostas e a retirada do plano odontológico foi adiada até o dia 31 de dezembro de 2017.
 
Para o Sinticel, a proposta ficou bem longe do que os trabalhadores mereciam, já que a empresa passa por um bom momento econômico. No mês de abril deste ano, a Fibria anunciou novo reajuste para os preços da celulose. Este é o sétimo anúncio desde o fim de setembro de 2016 e o quinto com aplicação em 2017. Desta vez, o reajuste foi de US$ 40 por tonelada e é válido a partir de 1 de maio.
 
Com a mudança do plano odontológico, que hoje é gratuito para o trabalhador, o funcionário vai escolher entre quatro opções de pacotes nos valores de R$ 12, R$ 25, R$ 50 e R$ 90 (valores aproximados), sendo que a opção que mais se aproxima do atual no que diz respeito à cobertura dos serviços é o de R$ 90 por pessoa.
 
Isso representa, por exemplo, que em uma família de quatro pessoas, se o trabalhador tiver de arcar com o valor de R$ 90 por pessoa, terá prejuízo de mais de R$ 4 mil em um ano. Atualmente, o trabalhador arca com uma cota de 10% se utilizar os serviços do plano, ou seja, no mês em que não usar, o trabalhador não paga nada.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mais um 'lote'

Depois de conseguir o controle do PSDB e retomar o do DEM, Hartung se volta para um antigo aliado: o PDT

OPINIÃO
Editorial
'Caos' das artes
Previsão de gastos com Cais das Artes até 2018 daria para comprar 60 clubes iguais ao Saldanha da Gama
Piero Ruschi
Perseguição à honra de Ruschi
Infelizmente, de nada valeram meus 14 anos de contribuição mediante a minha postura de defender o Museu Mello Leitão, criado por meu pai
Renata Oliveira
Cidadãos ilustres
Assembleia deve tomar cuidado com suas medalhas, pois os homenageados de hoje podem ser os apedrejados de amanhã
Gustavo Bastos
Bancas de jornal
A banca de jornal, hoje, é um mundo que tem tudo
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
Caetano Roque
Agora é tarde
Não adianta a bancada fazer discurso a favor do trabalhador se ela votou quase à unanimidade a favor do impeachment
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Mais um 'lote'

Operação da Polícia Federal pune empresa que lançava esgoto in natura no Rio Doce

PDT realiza convenção estadual em dezembro de olho em 2018

Impopularidade de proposta teria pressionado recuo em homenagem a Lula

MPES quer reinclusão do fundador da Imetame em ação de improbidade