Seculo

 

Depois de meses de negociação, trabalhadores da Aracruz Celulose (Fibria) aprovam proposta de acordo coletivo


15/05/2017 às 12:50
Depois de pressão da Aracruz Celulose (atual Fibria), os trabalhadores da empresa aprovaram a proposta de acordo coletivo. Para o Sindicato dos Trabalhadores Químicos e Papeleiros do Estado (Sinticel-ES), a empresa se aproveitou do momento econômico desfavorável para os trabalhadores, com aumento nos índices de desemprego, para apresentar a proposta desfavorável.
 
A proposta aprovada é de reajuste salarial de 8,5% pagos em duas vezes (sendo 7% retroativo a novembro e os outros 1,5% a partir de maio); abono indenizatório de R$ 2,5 mil e o adiamento da retirada do plano odontológico para dezembro de 2017.
 
As tratativas para o fechamento do acordo coletivo começaram ainda em 2016, com a empresa se recusando a tirar da proposta os pontos que representavam a retirada de direitos dos trabalhadores.
 
Com a demora na apresentação da proposta, o Sinticel teve de tomar medidas para garantir a data-base da categoria. Quando o sindicato estava prestes a ajuizar ação de dissídio coletivo, o presidente da Fibria, Marcelo Castello, visitou a fábrica de Aracruz, no norte do Estado, e foi questionado por representantes do sindicato. Castelli pediu, então, que o sindicato apresentasse uma nova proposta e estendeu a data-base da categoria por mais 20 dias.
 
Os trabalhadores, então, definiram as propostas e a retirada do plano odontológico foi adiada até o dia 31 de dezembro de 2017.
 
Para o Sinticel, a proposta ficou bem longe do que os trabalhadores mereciam, já que a empresa passa por um bom momento econômico. No mês de abril deste ano, a Fibria anunciou novo reajuste para os preços da celulose. Este é o sétimo anúncio desde o fim de setembro de 2016 e o quinto com aplicação em 2017. Desta vez, o reajuste foi de US$ 40 por tonelada e é válido a partir de 1 de maio.
 
Com a mudança do plano odontológico, que hoje é gratuito para o trabalhador, o funcionário vai escolher entre quatro opções de pacotes nos valores de R$ 12, R$ 25, R$ 50 e R$ 90 (valores aproximados), sendo que a opção que mais se aproxima do atual no que diz respeito à cobertura dos serviços é o de R$ 90 por pessoa.
 
Isso representa, por exemplo, que em uma família de quatro pessoas, se o trabalhador tiver de arcar com o valor de R$ 90 por pessoa, terá prejuízo de mais de R$ 4 mil em um ano. Atualmente, o trabalhador arca com uma cota de 10% se utilizar os serviços do plano, ou seja, no mês em que não usar, o trabalhador não paga nada.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Uma coisa só

Marcos Vicente mantém vice-presidência da CBF e amplia influência no Estado

MPES omisso

Processo de Valci Ferreira e Gratz por crime de peculato será remetido ao STF

Cedrolândia ainda aguarda resposta do prefeito sobre escola condenada