Seculo

 

Depois de meses de negociação, trabalhadores da Aracruz Celulose (Fibria) aprovam proposta de acordo coletivo


15/05/2017 às 12:50
Depois de pressão da Aracruz Celulose (atual Fibria), os trabalhadores da empresa aprovaram a proposta de acordo coletivo. Para o Sindicato dos Trabalhadores Químicos e Papeleiros do Estado (Sinticel-ES), a empresa se aproveitou do momento econômico desfavorável para os trabalhadores, com aumento nos índices de desemprego, para apresentar a proposta desfavorável.
 
A proposta aprovada é de reajuste salarial de 8,5% pagos em duas vezes (sendo 7% retroativo a novembro e os outros 1,5% a partir de maio); abono indenizatório de R$ 2,5 mil e o adiamento da retirada do plano odontológico para dezembro de 2017.
 
As tratativas para o fechamento do acordo coletivo começaram ainda em 2016, com a empresa se recusando a tirar da proposta os pontos que representavam a retirada de direitos dos trabalhadores.
 
Com a demora na apresentação da proposta, o Sinticel teve de tomar medidas para garantir a data-base da categoria. Quando o sindicato estava prestes a ajuizar ação de dissídio coletivo, o presidente da Fibria, Marcelo Castello, visitou a fábrica de Aracruz, no norte do Estado, e foi questionado por representantes do sindicato. Castelli pediu, então, que o sindicato apresentasse uma nova proposta e estendeu a data-base da categoria por mais 20 dias.
 
Os trabalhadores, então, definiram as propostas e a retirada do plano odontológico foi adiada até o dia 31 de dezembro de 2017.
 
Para o Sinticel, a proposta ficou bem longe do que os trabalhadores mereciam, já que a empresa passa por um bom momento econômico. No mês de abril deste ano, a Fibria anunciou novo reajuste para os preços da celulose. Este é o sétimo anúncio desde o fim de setembro de 2016 e o quinto com aplicação em 2017. Desta vez, o reajuste foi de US$ 40 por tonelada e é válido a partir de 1 de maio.
 
Com a mudança do plano odontológico, que hoje é gratuito para o trabalhador, o funcionário vai escolher entre quatro opções de pacotes nos valores de R$ 12, R$ 25, R$ 50 e R$ 90 (valores aproximados), sendo que a opção que mais se aproxima do atual no que diz respeito à cobertura dos serviços é o de R$ 90 por pessoa.
 
Isso representa, por exemplo, que em uma família de quatro pessoas, se o trabalhador tiver de arcar com o valor de R$ 90 por pessoa, terá prejuízo de mais de R$ 4 mil em um ano. Atualmente, o trabalhador arca com uma cota de 10% se utilizar os serviços do plano, ou seja, no mês em que não usar, o trabalhador não paga nada.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Quem dá mais?

Enquanto o mercado político se divide cada vez mais entre o bloco palaciano e o puxado por Casagrande, Audifax segue com acenos para o lado que mais convém

OPINIÃO
Editorial
Castigada seja a hipocrisia!
Ideal, mesmo, seria ver tamanha indignação dos deputados estaduais no debate sobre nudez artística em casos reais de atentado à paciência da sociedade
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
Hora do plano B
Os planos de Hartung e Colnago retornam à estaca zero com a saída de Luiz Paulo do PSDB
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Assembleia Legislativa enterra projeto de censura nas artes

Daniel da Açaí exonera todos os aposentados da prefeitura de São Mateus

Plástico que mata animais marinhos é encontrado na águas das torneiras

Castigada seja a hipocrisia!

Majeski reapresenta projeto que obriga Executivo a informar incentivos fiscais