Seculo

 

Expectativa de disputa embolada na eleição extemporânea de Muqui


16/05/2017 às 13:02
Com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que definiu o calendário eleitoral para Muqui, no sul do Estado, a movimentação de lideranças começou e algumas apostas já são feitas pelos meios políticos. Mas o quadro até aqui aponta para uma eleição embolada. A disputa acontecerá no dia 2 de julho e a partir do dia 3 de junho, a campanha está liberada.
 
Isso se o candidato que saiu vencedor da disputa em 2016, o ex-prefeito Frei Paulão (PSB) não obtiver êxito no Recurso Extraordinário, que sua defesa protocolou na última sexta-feira (12) no Supremo Tribunal Federal (STF). No recurso, a defesa de Frei Paulão alega que a instância de julgamento das contas do prefeito é a Câmara de Vereadores, que aprovou o balanço apresentado.
 
O PSB, porém, não deve ficar aguardando a decisão do Supremo. O partido vai disputar a eleição extemporânea com o Helio Carlos Ribeiro Cândido, o Cacalo (PSB), vereador de dois mandatos que também terá o apoio de Frei Paulão na disputa.
 
Haveria uma aposta do Palácio Anchieta no candidato que compôs chapa com o ex-prefeito Aloísio Filgueiras (PSDB) – morto em dezembro passado – na disputa de 2016, Thadeu Eliotério (PTdoB), mas ele não aparece, por enquanto, com musculatura suficiente para desbancar os demais candidatos. Ainda na busca do apoio do governo do Estado, o candidato esteve nessa segunda-feira (15) no gabinete da Casa Civil para conversar com José Carlos da Fonseca Júnior. Ele também se reuniu com o deputado estadual Húdson Leal (PRP).
 
Outro nome que embola o processo eleitoral é o do ex-prefeito Nicolau Esperidião (PDT), que pela experiência pode se destacar na disputa. Outros nomes que participaram da eleição de 2016 vão retornar ao pleito de julho. O ex-vice-prefeito do município, Renato Prúcoli (PTB) e Claudiomar Barbosa (PRP), que tiveram respectivamente, 1.056 e 555 votos cada um, também pretendem disputar a nova eleição.
 
Além deles, outras candidaturas podem surgir no processo, como a do tucano Rominho Bola 7. Os demais partidos do município ainda estão conversando sobre a nova disputa. Eles têm até dia 2 de junho para registrar as candidaturas ao novo pleito.
 
Por enquanto, a cidade segue tranquila, sem o clima pré-eleitoral que marca as disputas municipais no interior. As lideranças políticas têm evitado muitas movimentações como estratégia para não desgastar palanques antes do tempo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Uma coisa só

Marcos Vicente mantém vice-presidência da CBF e amplia influência no Estado

MPES omisso

Processo de Valci Ferreira e Gratz por crime de peculato será remetido ao STF

Cedrolândia ainda aguarda resposta do prefeito sobre escola condenada