Seculo

 

Expectativa de disputa embolada na eleição extemporânea de Muqui


16/05/2017 às 13:02
Com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que definiu o calendário eleitoral para Muqui, no sul do Estado, a movimentação de lideranças começou e algumas apostas já são feitas pelos meios políticos. Mas o quadro até aqui aponta para uma eleição embolada. A disputa acontecerá no dia 2 de julho e a partir do dia 3 de junho, a campanha está liberada.
 
Isso se o candidato que saiu vencedor da disputa em 2016, o ex-prefeito Frei Paulão (PSB) não obtiver êxito no Recurso Extraordinário, que sua defesa protocolou na última sexta-feira (12) no Supremo Tribunal Federal (STF). No recurso, a defesa de Frei Paulão alega que a instância de julgamento das contas do prefeito é a Câmara de Vereadores, que aprovou o balanço apresentado.
 
O PSB, porém, não deve ficar aguardando a decisão do Supremo. O partido vai disputar a eleição extemporânea com o Helio Carlos Ribeiro Cândido, o Cacalo (PSB), vereador de dois mandatos que também terá o apoio de Frei Paulão na disputa.
 
Haveria uma aposta do Palácio Anchieta no candidato que compôs chapa com o ex-prefeito Aloísio Filgueiras (PSDB) – morto em dezembro passado – na disputa de 2016, Thadeu Eliotério (PTdoB), mas ele não aparece, por enquanto, com musculatura suficiente para desbancar os demais candidatos. Ainda na busca do apoio do governo do Estado, o candidato esteve nessa segunda-feira (15) no gabinete da Casa Civil para conversar com José Carlos da Fonseca Júnior. Ele também se reuniu com o deputado estadual Húdson Leal (PRP).
 
Outro nome que embola o processo eleitoral é o do ex-prefeito Nicolau Esperidião (PDT), que pela experiência pode se destacar na disputa. Outros nomes que participaram da eleição de 2016 vão retornar ao pleito de julho. O ex-vice-prefeito do município, Renato Prúcoli (PTB) e Claudiomar Barbosa (PRP), que tiveram respectivamente, 1.056 e 555 votos cada um, também pretendem disputar a nova eleição.
 
Além deles, outras candidaturas podem surgir no processo, como a do tucano Rominho Bola 7. Os demais partidos do município ainda estão conversando sobre a nova disputa. Eles têm até dia 2 de junho para registrar as candidaturas ao novo pleito.
 
Por enquanto, a cidade segue tranquila, sem o clima pré-eleitoral que marca as disputas municipais no interior. As lideranças políticas têm evitado muitas movimentações como estratégia para não desgastar palanques antes do tempo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Bicho-papão
O ajuste fiscal de Paulo Hartung precisa do exemplo do Rio de Janeiro tanto para cortar quanto para supervalorizar a liberação de recursos
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Caetano Roque
Pressão neles
O movimento sindical deve conscientizar o trabalhador sobre quem estará na disputa do próximo ano contra ele
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Precipitou-se

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento