Seculo

 

Paulo Hartung é mais uma liderança na esperada debandada do PMDB


16/05/2017 às 15:06
Voltou a crescer a expectativa em torno de uma iminente saída do governador Paulo Hartung do PMDB e suposto ingresso no PSDB com vistas à disputa eleitoral do próximo ano. Caso o governador supere as dificuldades internas no ninho tucano e consiga concluir sua migração, ele não deve ficar sozinho no desembarque. Nacionalmente, a situação dos peemedebistas é também de espera pela janela partidária, que abre em março de 2018, para deixarem o partido.
Estima-se que dos 64 deputados federais do partido, 20 estejam procurando acomodação em outras siglas. Os partidos mais visados são o PSB e o PDT, buscando uma posição mais à esquerda para tentar se livrar do desgaste com o pacote trabalhista que está sendo votado no Congresso Nacional. Há uma parte dos parlamentares de saída, que também vão buscar o centro-direita com o PSD, de Gilberto Kassab.
 
No Estado, até se cogitou a movimentação do governador para o PSD, sobretudo com o fortalecimento do secretário-chefe da Casa Civil, José Carlos da Fonseca Júnior, e a nomeação do ex-prefeito de Vila Velha, Neucimar Fraga, na equipe de governo.
 
Além de Hartung, o PMDB tem outros seis governadores no País.Mas a movimentação de Hartung vai além de evitar o desgaste com as ações do presidente Michel Temer.
 
A ida de Hartung para o PSDB tem uma estratégia política para tentar controlar duas lideranças do partido, uma pensando na governabilidade e outra na eleição. Hartung no PSDB poderia pressionar o deputado Sérgio Majeski, na Assembleia, seu principal opositor no Legislativo. Do ponto de vista eleitoral, ele passaria a ter a prioridade de disputar e pode movimentar o senador Ricardo Ferraço.
 
O parlamentar, mesmo diante do desgaste com a inclusão de seu nome na lista de investigados pelo ministro-relator da Lava Jato, no Supremo, Edson Fachin, está confiante em sua absolvição e convicto na disputa à reeleição em 2018, o que atrapalha os planos de Hartung, que depois de ver por terra seu plano de ampliação da imagem nacionalmente, pode ter de disputar o Senado, mas para isso precisaria tirar Ricardo Ferraço do caminho.
 
Com o objetivo de conter a debandada, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), já deu início a uma manobra, ingressando no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com uma consulta para o fechamento da janela migratória. O senador quer que a possibilidade da troca partidária ser considerada “fraude” quando se trata de "explícita finalidade eleitoral". 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Uma coisa só

Marcos Vicente mantém vice-presidência da CBF e amplia influência no Estado

MPES omisso

Processo de Valci Ferreira e Gratz por crime de peculato será remetido ao STF

Cedrolândia ainda aguarda resposta do prefeito sobre escola condenada