Seculo

 

Colibris de Santa Teresa pedem socorro


17/05/2017 às 14:42
Cada estado brasileiro tem sua ave símbolo. O beija-flor-de-orelha-violeta (Colibriserrirostris) representa o Espírito Santo, onde mais de 95% das espécies de beija-flores da Mata Atlântica podem ser encontradas. E é nesse rico cenário que se destaca Santa Teresa – a cidade dos beija-flores, cujo histórico remete à presença de quase todas as espécies capixabas. 
 
Historicamente, a principal característicaque fez da região de Santa Teresa um expoente da biodiversidade global foi a convergente influência de suas regiões perimetrais ao longo de 50 milhões de anos– especialmente da Hiléia Baiana, do Litoral Fluminense e da Serra da Mantiqueira.
 
Já a presença de uma rica fauna e flora nos dias de hoje em Santa Teresa é creditada às suas matas nativas, em especial à Rebio Augusto Ruschi (3.500 ha), Estação Biológica de Santa Lúcia (440 ha) e Parque Natural Municipal de São Lourenço (265 ha). Todavia, essas áreas de proteção, por si só, não respondem por toda riquezada região, de modo que a verdadeira eficiência ambiental de Santa Teresa vem do efeito conjunto desses maciços, gerado graças a um sistema de mosaico de fragmentos florestais que os intercalam e mesmo conectam. Cada um desses fragmentos, representados por matas em propriedades rurais particulares, desempenha fundamental papel no sustento da complexa teia ecológica na região. 
 
Estudos de longa duração revelam que a gradual destruição dos fragmentos de mata teresense está causando empobrecimento da fauna silvestre – verdadeiras substituições de raridades da fauna local por espécies invasoras, que se beneficiam de ambientes devastados. Conforme uma analogia feita pelo Professor Edward Willis e sua esposa, Yoshika Oniki, os “picassos” da fauna estão sendo trocados por meras “garrafas de coca cola”. Das 34 espécies de beija-flores conhecidas para Santa Teresa, apenas 23 têm sido registradas recentemente no município, sendo 16 delas comuns e sete pouco comuns. Outras 12 espécies de beija-flores não têm sido vistas no município há períodos que variam de 10 a 40 anos.
 
O histórico ambiental teresense retrata a superação de um desastroso caminho que levaria à aniquilação de toda sua fauna e flora nativa: marcante uso do solo para plantio de café desde a colonização em 1875; perduração de matas nativas torna-se criticamente comprometida em meados do século XX; esforços conservacionistas de Augusto Ruschi impedem a devastação das matas nativas do município, protegidas por ele próprio até seu falecimento em 1986; meio ambiente teresense chega ao século XXI amparado por leis ambientais mais elaboradas junto a agendas ambientais administrativas. 
 
Em contrapartida, o retrato da realidade dos beija-flores da cidade dos beija-flores evidencia o anúncio de tragédia ambiental, exprimindo mais uma vez urgência de ações para que a riqueza da natureza de Santa Teresa seja poupada.  
 
Santa Teresa precisa recuperar seu equilíbrio ambiental. Essa é uma responsabilidade do teresense. Não se trata de uma missão fácil, dispomos de um grande exemplo. Corrigir erros, como um sistema de tratamento de esgoto ineficiente e ausência de policiamento ambiental permanente, parecem ser um bom começo. 
 
Uma vez que o “barco” parar de “afundar”, poderemos aperfeiçoar a “navegação”. Por exemplo, parcerias com o próprio Cadastro Ambiental Rural (CAR) podem amparar os proprietários rurais teresenses para que seus fragmentosde mata cumpram sua importante função no mosaico ambiental do município de forma planejada. 
 
Tenho certeza de que quando alcançarmos esse equilíbrio, haverá em Santa Teresa um dos maiores festivais do país – ao som de Jazz e bossa... saboreado à moda da casa... brindado com vinho da terra. O meio ambiente e o teresense merecem!
 
PARÁBOLA
• • • – – – • • • (representação gráfica do canto dos beija-flores de Santa Teresa, gravado em maio de 2017, na varanda do extinto Museu de Biologia Prof. Mello Leitão).
 

Piero Ruschi é Biólogo, doutor em zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, atuante nas áreas de Biodiversidade Genética, Evolução, Conservação da Natureza e Responsabilidade Socioambiental

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Gustavo Bastos
Minha luta com o sol - Pentagrama - Parte I
''vi o sol inca ficar vermelho''
Wilson Márcio Depes
A Frente Ampla começou em Cachoeiro?
Município do sul do Estado mantém a falta de entressafra política
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Roberto Junquilho
Gestão de marca
Manter elos com redutos eleitorais faz a cabeça da classe política
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Especialista critica projeto Escola Sem Partido proposto por vereador de Vitória

TSE define quanto cada partido receberá do Fundo Eleitoral

Pesquisa de R$ 2 milhões financiada pela ArcelorMittal é aprovada em regime de urgência pela Ufes

Procons fiscalizam aumentos nos preços dos combustíveis em postos de Vitória e Serra

Trabalhadores e empresários da Construção Civil dão trégua de um mês para negociações