Seculo

 

Lavando as mãos


18/05/2017 às 13:22
A polêmica sobre a fiscalização do saneamento público em Vitória estampa as manchetes há mais de dois meses. Depois de anos de omissão das autoridades, o caso veio à tona. Seja por interesses políticos ou dever de ofício diante da calamidade ambiental na qual os moradores e turistas de nossa bela Capital são submetidos, o debate é mais do que pertinente. Nunca foi tão necessário.
 
Em meio à queda de braço entre Prefeitura e governo do Estado, a iniciativa de duas entidades ambientais chama atenção. A Associação Nacional dos Amigos do Meio Ambiente (Anama) e a ONG Juntos SOS Espírito Santo Ambiental se uniram para protocolar uma ação civil pública na Justiça Federal, questionando a omissão de vários entes na fiscalização no lançamento de esgoto nas praias da Capital.
 
Mesmo em pouco tempo de tramitação, a ação judicial começa a produzir efeitos. Primeiro, com o deslocamento do debate sobre a responsabilidade de autoridades das manchetes de jornal para os tribunais. Num segundo momento, escancarou o atual modelo de concessão do saneamento que seria irregular, nas palavras do Município, este que pleiteia atuar ao lado dos autores da denúncia e não mais como réu.
 
Diante todo este cenário fático, a manifestação da União serve de alerta e acaba reforçando a desconfiança em torno da omissão das autoridades competentes. Em uma peça simplória, para dizer o mínimo, a Advocacia Geral da União (AGU) lavou as mãos sobre a questão. O órgão se manifestou pela “desnecessidade” de atuar ao lado das entidades ambientais, uma vez que já teriam sido apresentadas provas suficientes para o provimento da ação.
 
Apesar da negativa de “renúncia ou conflito em eventual possibilidade de a União intervir neste processo”, a atitude da União chamou atenção das associações de defesa do meio ambiente. Em resposta à AGU, as autoras da ação foram taxativas: “Na hora de cobrar dos moradores o terreno de marinha a União é proprietária. Na hora de defender os mesmos terrenos contra a poluição, ela afirma que não possui interesse”.
 
Uma crítica pertinente levando em consideração que, tanto os terrenos de marinha quanto a poluição ambiental são dois grandes problemas enfrentadas pelos moradores da Capital. Somada à (eterna) omissão das autoridades municipais e estaduais, o pouco caso da União é inaceitável.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesmo barco

Se Majeski deixar o PSDB e decidir por uma candidatura majoritária, primeiro tucano a revoar atrás será Luiz Paulo Vellozo Lucas

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Só espuma
Os pretensos vices-presidentes Paulo Hartung e Magno Malta se mostram ao mercado, mas só terão seus encaixes em 2018
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
Caetano Roque
Agora é tarde
Não adianta a bancada fazer discurso a favor do trabalhador se ela votou quase à unanimidade a favor do impeachment
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Conselheiro José Antônio Pimentel vira réu em ação penal por corrupção

MPES quer fim do uso de comissionados na segurança da Assembleia

Mesmo barco

Mesa Diretora da Assembleia 'desomenageia' ex-presidente Lula

Arquivada denúncia de irregularidades na compra de software pelo IPAJM