Seculo

 

Lavando as mãos


18/05/2017 às 13:22
A polêmica sobre a fiscalização do saneamento público em Vitória estampa as manchetes há mais de dois meses. Depois de anos de omissão das autoridades, o caso veio à tona. Seja por interesses políticos ou dever de ofício diante da calamidade ambiental na qual os moradores e turistas de nossa bela Capital são submetidos, o debate é mais do que pertinente. Nunca foi tão necessário.
 
Em meio à queda de braço entre Prefeitura e governo do Estado, a iniciativa de duas entidades ambientais chama atenção. A Associação Nacional dos Amigos do Meio Ambiente (Anama) e a ONG Juntos SOS Espírito Santo Ambiental se uniram para protocolar uma ação civil pública na Justiça Federal, questionando a omissão de vários entes na fiscalização no lançamento de esgoto nas praias da Capital.
 
Mesmo em pouco tempo de tramitação, a ação judicial começa a produzir efeitos. Primeiro, com o deslocamento do debate sobre a responsabilidade de autoridades das manchetes de jornal para os tribunais. Num segundo momento, escancarou o atual modelo de concessão do saneamento que seria irregular, nas palavras do Município, este que pleiteia atuar ao lado dos autores da denúncia e não mais como réu.
 
Diante todo este cenário fático, a manifestação da União serve de alerta e acaba reforçando a desconfiança em torno da omissão das autoridades competentes. Em uma peça simplória, para dizer o mínimo, a Advocacia Geral da União (AGU) lavou as mãos sobre a questão. O órgão se manifestou pela “desnecessidade” de atuar ao lado das entidades ambientais, uma vez que já teriam sido apresentadas provas suficientes para o provimento da ação.
 
Apesar da negativa de “renúncia ou conflito em eventual possibilidade de a União intervir neste processo”, a atitude da União chamou atenção das associações de defesa do meio ambiente. Em resposta à AGU, as autoras da ação foram taxativas: “Na hora de cobrar dos moradores o terreno de marinha a União é proprietária. Na hora de defender os mesmos terrenos contra a poluição, ela afirma que não possui interesse”.
 
Uma crítica pertinente levando em consideração que, tanto os terrenos de marinha quanto a poluição ambiental são dois grandes problemas enfrentadas pelos moradores da Capital. Somada à (eterna) omissão das autoridades municipais e estaduais, o pouco caso da União é inaceitável.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Fazendo escola

Temer em Brasília, Hartung e Luciano Rezende no Espírito Santo: retaliações a quem anda “fora da linha” nunca estiveram tão na moda como agora

OPINIÃO
Editorial
Em causa própria
Promotor Marcelo Zenkner usa cargo público para promover projeto pessoal
Piero Ruschi
Festa de fachada
Comemoração da Sambio evidencia que o Museu Mello Leitão segue precisando de verdadeiros amigos
Renata Oliveira
Pela emoção
Magno Malta sempre tem uma carta na manga para a disputa eleitoral. Mas desta vez o cenário é diferente
JR Mignone
O repórter e a polícia
A vítima não foi repórter, foi a professora
Caetano Roque
Inversão de papéis
O movimento sindical foi dar uma de direita e agora perdeu o caminho da rua
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

O cinismo explícito e a esperança de fora Temer renovada
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

O tempo entre as vírgulas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Promotor com trabalho atrasado está prestes a ser premiado para passar um ano nos Estados Unidos

Grupo de Luciano tenta sufocar oposição com corte de cargos

Fazendo escola

PP classifica como 'desproporcional' críticas de vereador contra Hartung

Hartung e Casagrande seguem disputando espaço no interior