Seculo

 

Lavando as mãos


18/05/2017 às 13:22
A polêmica sobre a fiscalização do saneamento público em Vitória estampa as manchetes há mais de dois meses. Depois de anos de omissão das autoridades, o caso veio à tona. Seja por interesses políticos ou dever de ofício diante da calamidade ambiental na qual os moradores e turistas de nossa bela Capital são submetidos, o debate é mais do que pertinente. Nunca foi tão necessário.
 
Em meio à queda de braço entre Prefeitura e governo do Estado, a iniciativa de duas entidades ambientais chama atenção. A Associação Nacional dos Amigos do Meio Ambiente (Anama) e a ONG Juntos SOS Espírito Santo Ambiental se uniram para protocolar uma ação civil pública na Justiça Federal, questionando a omissão de vários entes na fiscalização no lançamento de esgoto nas praias da Capital.
 
Mesmo em pouco tempo de tramitação, a ação judicial começa a produzir efeitos. Primeiro, com o deslocamento do debate sobre a responsabilidade de autoridades das manchetes de jornal para os tribunais. Num segundo momento, escancarou o atual modelo de concessão do saneamento que seria irregular, nas palavras do Município, este que pleiteia atuar ao lado dos autores da denúncia e não mais como réu.
 
Diante todo este cenário fático, a manifestação da União serve de alerta e acaba reforçando a desconfiança em torno da omissão das autoridades competentes. Em uma peça simplória, para dizer o mínimo, a Advocacia Geral da União (AGU) lavou as mãos sobre a questão. O órgão se manifestou pela “desnecessidade” de atuar ao lado das entidades ambientais, uma vez que já teriam sido apresentadas provas suficientes para o provimento da ação.
 
Apesar da negativa de “renúncia ou conflito em eventual possibilidade de a União intervir neste processo”, a atitude da União chamou atenção das associações de defesa do meio ambiente. Em resposta à AGU, as autoras da ação foram taxativas: “Na hora de cobrar dos moradores o terreno de marinha a União é proprietária. Na hora de defender os mesmos terrenos contra a poluição, ela afirma que não possui interesse”.
 
Uma crítica pertinente levando em consideração que, tanto os terrenos de marinha quanto a poluição ambiental são dois grandes problemas enfrentadas pelos moradores da Capital. Somada à (eterna) omissão das autoridades municipais e estaduais, o pouco caso da União é inaceitável.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

A montagem da cena

Até tu?