Seculo

 

FAO classifica horta comunitária de Vitória como exemplo de inovação em tecnologia social


18/05/2017 às 16:45
Uma missão da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), com representações de doze países da América Latina e Caribe, visitou a Horta Comunitária Quintal da Cidade, na Cidade Alta, no Centro de Vitória, e a classificou como um exemplo de inovação em tecnologias social.

A visita aconteceu na tarde dessa quarta-feira (18), último dia da missão em Vitória, que teve objetivo macro de conhecer a experiência capixaba do Programa de Alimentação Escolar e das compras da agricultura familiar, por meio de um intercâmbio internacional promovido pelo Programa de Cooperação entre a FAO e o governo brasileiro.

“É uma forma de viver melhor, viver junto, é uma forma de produzir e de comer melhor, gerar saúde, gerar relacionamentos entre pessoas. Isso pra nós é um grande aprendizado, é uma boa referência que é possível fazer diferente”, afirmou Nadjila Velasco, coordenadora regional do Programa.

De fato, se o que motivou a criação da horta, pelos moradores da Rua Rubens Vervloet Gomes, há pouco mais de um ano, foi a retirada de lixo da rua, abandonada pela prefeitura municipal, hoje os motivos que mantém a união do grupo em torno do Quintal da Cidade extrapolam a questão elementar de limpeza pública e incluem a produção de alimentos saudáveis e a oportunidade de se relacionar com os vizinhos de forma segura e alegre.

“Tomou uma dimensão de convivência comunitária”, destaca a assistente social e hortelã Duda Bimbatto, precursora do projeto, junto com o marido. “Aqui nós realizamos sarau de poesia, oficinas artísticas, oficinas de educação ambiental, shows musicais, uma ocupação cultural da cidade”, relata.

Duda enfatiza também o sentido terapêutico da horta comunitária. “Cada hortelão tem uma motivação pra estar aqui. Pra alguns é uma terapia, que dá um novo significado pra vida”, conta.

As hortas comunitárias urbanas são uma tendência mundial. Promovidas por pessoas das mais diversas faixas etárias e socioeconômicas, têm chamado atenção do poder público que, aos poucos, fornece mais apoio às iniciativas populares. “No sul do País já tem política pública para as hortas urbanas”, informa a hortelã.

“Quando a gente recebe uma visita como essa e ouve palavras de incentivo, que valorizam o nosso trabalho, isso mostra que a gente está no caminho certo”, emociona-se. “Temos que ocupar as cidades de uma maneira saudável, sustentável, afetiva”, convida. 
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura