Seculo

 

Tribunal de Justiça nega liminar para relaxamento de prisão do tenente-coronel Foresti


19/05/2017 às 16:01
A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) negou habeas corpus ao tenente-coronel Carlos Alberto Foresti, alvo de prisão preventiva acusado de incitar o movimento de familiares de policiais militares que paralisou o policiamento durante 22 dias no mês de fevereiro deste ano. O habeas corpus foi relatado pelo desembargador Adalto Dias Tristão, que alegou que um dos pedidos do recurso já havia sido atendido e que aguardaria a manifestação da Procuradoria de Justiça para uma decisão mais abalizada quanto ao segundo pedido da defesa.

De acordo com o advogado do tenente-coronel, Paulo César Vieira, o pedido de habeas corpus foi impetrado quando o militar ainda estava recolhido no Quartel do Comando Geral (QCG). No entanto, antes que o pedido fosse julgado, Foresti foi colocado em menagem, no equivalente à prisão domiciliar, para tratar da saúde. A menagem era justamente um dos pedidos da defesa do tenente-coronel, que já havia sido atendido antes do julgamento.

No entanto, o segundo pedido, de relaxamento da prisão, não foi atendido, sob a alegação do magistrado de que vai alegar manifestação da Procuradoria de Justiça.

O advogado, que assumiu a defesa do tenente-coronel nesta semana, vai recorrer da decisão por considerar que a prisão não se justifica mais. Ele aponta que o militar está há quase 81 dias preso, desde fevereiro deste ano, e não representa risco à sociedade e à segurança pública e que o movimento dos familiares dos policiais militares já acabou. Paulo César também ressalta que Foresti não tem qualquer influência no movimento.

O tenente-coronel Foresti ficou conhecido durante o movimento pela crise nervosa que o levou para o hospital. O oficial surtou ao saber que policiais que faziam o policiamento ostensivo a pé haviam sido baleados. Ainda sob forte emoção, ele fez circular um áudio na internet que chocou quem ouviu. Um verdadeiro desabafo sobre a situação de opressão à qual os policiais estavam sendo submetidos.

No dia 25 de fevereiro, data do encerramento do movimento, Foresti postou um texto no qual se mostra surpreso com a decretação de sua prisão. “Não me informaram o motivo até o momento, mas parece ser relativo ao movimento das esposas dos policiais militares”.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Seminário debate formas de erradicar o trabalho infantil

Tabuleiro de 2018

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018