Seculo

 

Seremos todos boias-frias?


21/05/2017 às 09:18
Pela vontade da maioria da Câmara dos Deputados, que aprovou a toque de caixa a reforma da legislação trabalhista, a maioria dos trabalhadores brasileiros será bóia-fria – menos, claro, os senhores deputados, os senhores de engenho e os empreendedores bem representados pelo prefeito paulistano João Dória, a mais recente piada da cidade que inventou Paulo Maluf e Janio Quadros.  
 
Ainda bem que a reforma está em discussão no Senado, onde há menos pressa e mais resistência ao projeto que mexe em mais de 200 itens da legislação trabalhista.
 
Audiências públicas estão sendo realizadas no Senado para discutir o assunto. Na terceira audiência, o advogado Jorge Souto Jr., que leciona na USP, disse que o projeto é antidemocrático e antisocial.  Atenta contra os interesses da maioria.
 
A palavra reforma, que sempre teve uma conotação de mudança para melhor, está sendo aplicada a um retrocesso.
 
A lei vai valer menos do que um acordo entre empregados e patrões.
 
A Justiça do Trabalho será um arquivo morto.
 
Qualquer empresário poderá achincalhar os juízes trabalhistas e os fiscais das DRTs.
 
Esculhambação geral. Terra arrasada.
 
Os empresários são os maiores interessados na derrubada da legislação protetora da parte mais fraca da relação de trabalho.
 
Combinada à reforma da Previdência, a reforma trabalhista é um prenúncio do caos social.
 
Não se compreende como um governo, um partido e um congresso queiram ferrar o povo desta maneira.
 
No fundo, as reformas serão ruins para os empresários, pois tenderão a desorganizar a economia ao gerar um clima de vale-tudo nas relações entre patrões e empregados. 
 

LEMBRETE DE OCASIÃO
 
“Toda revolução, depois de um certo tempo, faz apenas uma mudança de capitalistas”
 
Millor Fernandes

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Bicho-papão
O ajuste fiscal de Paulo Hartung precisa do exemplo do Rio de Janeiro tanto para cortar quanto para supervalorizar a liberação de recursos
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Caetano Roque
Pressão neles
O movimento sindical deve conscientizar o trabalhador sobre quem estará na disputa do próximo ano contra ele
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Precipitou-se

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento