Seculo

 

Hartung contratou advogado preso na Lava Jato para se defender de delação da Odebrecht


22/05/2017 às 13:24
O governador Paulo Hartung (PMDB) contratou os serviços do advogado Willer Tomaz de Souza, preso na última semana por comprar informações privilegiadas do Judiciário para o grupo JBS, para defendê-lo das delações da Odebrecht no âmbito da Operação Lava Jato. Consta no sistema do Supremo Tribunal Federal (STF) uma procuração (veja abaixo à direita) de Hartung dando poderes ao advogado para atuar nos “procedimentos derivados da Petição nº 6.633/DF em todas as instâncias judiciais”.

Segundo informações do Estadão, Willer Tomaz é investigado por receber R$ 8 milhões com a missão de conseguir o arquivamento do inquérito contra o empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, na Operação Greenfield – que apura desvio em fundos de pensão. As delações apontam que o interesse no grupo com o advogado se dava em função das ligações com integrantes do Judiciário em Brasília. Ele foi preso na última quinta-feira (18). O advogado também mantém um escritório em Vitória, na Enseada do Suá.

Mas quase um mês antes de sua prisão, o advogado foi escolhido por Hartung para atuar na sua defesa dentro da Operação Lava Jato. Citado na delação do ex-presidente de Infraestrutura da Odebrecht, Benedicto Barbosa da Silva Júnior (BJ), o governador capixaba deve ser alvo de um inquérito junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decorrência do foro especial por prerrogativa da função. A Procuradoria-Geral da República (PGR) estaria acertando os últimos detalhes do procedimento, conforme informou a Folha de S. Paulo.

No acordo de delação premiada, homologada pelo STF, o executivo citou pagamentos feitos a Hartung. Segundo o BJ, o governador teria recebido R$ 1 milhão da empreiteira durante as campanhas eleitorais de 2010 e 2012. O dinheiro teria sido entregue ao ex-chefe de Gabinete de Hartung, Neivaldo Bragato. BJ relatou ainda encontros com Hartung – que ganhou o apelido de “baianinho” nas planilhas da empresa –, um deles ocorrido na residência oficial do Governo, na Praia da Costa, em Vila Velha.

Em sua defesa, Hartung vem sustentando que a denúncia não faz sentido porque ele não disputou as eleições daqueles anos, mas a delação revela que os recursos seriam destinados para aliados que disputaram as duas eleições em questão. Em 2010, Hartung apoiou a candidatura de seu sucessor Renato Casagrande (PSB) e do senador Ricardo Ferraço (PSDB) – também citado na delação da Odebrecht –, além de deputados federais e estaduais ligados da base aliada.

Na eleição seguinte, Hartung também apoiou candidaturas a prefeito no Estado, com destaque para o candidato Luiz Paulo Vellozo Lucas (PSDB), que enfrentou e foi derrotado por Luciano Rezende (PPS), na disputa pela prefeitura de Vitória. Ambos foram também citados como recebedores de doações de campanha da Odebrecht.

Repercussão

O deputado estadual Sérgio Majeski (PSDB), único de oposição na Assembleia Legislativa, utilizou seu perfil no Facebook para lembrar que o advogado preso também defende outras autoridades públicas no Espírito Santo, além do governador Hartung. Foram citados pelo parlamentar: o atual secretário-chefe da Casa Civil, José Carlos da Fonseca Júnior, e o conselheiro do Tribunal de Contas, Sérgio Manoel Nader Borges. “Será que alguns clientes terão o mesmo destino [do advogado]?”, questionou o tucano.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

A quadrilha democrática da Rua Sete

Contratação do Instituto da Mata Atlântica gera PAD contra gerente do Iema