Seculo

 

Lama da Samarco/Vale-BHP causa mais uma mortandade de peixes em Urussuquara e Barra Seca


09/06/2017 às 15:33
Os “peixes da maré”, como robalo, carapeba, caramuru, além de siri, camarão pitu e outros organismos marinhos, estão entrando no Rio Ipiranga, em Barra Seca e Urussuquara, e ali morrendo, aos milhares, há quatro dias. A denúncia, feita por pescadores locais, é acompanhada de uma mesma explicação, que tem se repetido nos últimos 19 meses, desde que a lama da Samarco/Vale-BHP atingiu o litoral do Espírito Santo: intoxicação por metais pesados e outros contaminantes presentes no tsunami de rejeitos de mineração que começou a escorrer da barragem rompida de Fundão, em Mariana/MG, no dia cinco de novembro de 2015.

Na região de Urussuquara e Barra Seca, entre Linhares e São Mateus, a primeira mortandade aconteceu em janeiro de 2016, quando um vento sul extemporâneo trouxe a primeira “onda” de destruição, sendo necessário até interditar a praia de Pontal do Ipiranga, lotada de turistas, devido ao feriado do Ano Novo. “Morreram mais de um milhão de aplysias”, relembra a pescadora Eliane Balke, também militante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Essa última iniciou logo após a última abertura da boca da barra, segunda-feira (5), a pedido de pescadores de camarão, que precisam ter acesso ao rio para passar sua “rede de balão”, como é conhecida a arte de pesca mais usada para captura dos camarões. “O mar está jogando muita lama. Nunca tinha visto tanta lama assim”, assusta-se a pescadora local Isolina Machado Neves.

Nessa quarta-feira (7), Isolina conta que presenciou pessoas passando a rede e coletando os peixes agonizantes, para comer e vender. “Acho um risco pra população”, alarma-se a pescadora, que guardou alguns exemplares no freezer, para o caso de alguém poder fazer uma análise em laboratório.

Eliane conta que, devido à estiagem, quando a boca da barra é aberta, o mar adentra o rio por cinco quilômetros, às vezes dez. E, desde que a lama chegou, as mortandades sempre acontecem, vitimando animais e vegetação, incluindo a taboa. “Ficam nítidas as manchas de lama na areia e na água”, diz. O fundo do rio, que era de areia, agora é lama. “Você anda no rio e pisa na lama, que está sedimentada. E quando a maré invade, levanta essa lama, além de trazer a lama que está no mar também”, explica.

Os peixes de rio não existem mais no Ipiranga, relata Eliane. Para começar a ver alguma espécie de água doce, é preciso subir o rio por cerca de 15 km. “Um colega chegou até a altura da Reserva de Sooretama e viu algumas cumbacas”, conta a ativista. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

Projeto da nova sede do IPAJM é 'reavaliado' por Instituto de Obras do Estado

A montagem da cena