Seculo

 

Lama da Samarco/Vale-BHP causa mais uma mortandade de peixes em Urussuquara e Barra Seca


09/06/2017 às 15:33
Os “peixes da maré”, como robalo, carapeba, caramuru, além de siri, camarão pitu e outros organismos marinhos, estão entrando no Rio Ipiranga, em Barra Seca e Urussuquara, e ali morrendo, aos milhares, há quatro dias. A denúncia, feita por pescadores locais, é acompanhada de uma mesma explicação, que tem se repetido nos últimos 19 meses, desde que a lama da Samarco/Vale-BHP atingiu o litoral do Espírito Santo: intoxicação por metais pesados e outros contaminantes presentes no tsunami de rejeitos de mineração que começou a escorrer da barragem rompida de Fundão, em Mariana/MG, no dia cinco de novembro de 2015.

Na região de Urussuquara e Barra Seca, entre Linhares e São Mateus, a primeira mortandade aconteceu em janeiro de 2016, quando um vento sul extemporâneo trouxe a primeira “onda” de destruição, sendo necessário até interditar a praia de Pontal do Ipiranga, lotada de turistas, devido ao feriado do Ano Novo. “Morreram mais de um milhão de aplysias”, relembra a pescadora Eliane Balke, também militante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Essa última iniciou logo após a última abertura da boca da barra, segunda-feira (5), a pedido de pescadores de camarão, que precisam ter acesso ao rio para passar sua “rede de balão”, como é conhecida a arte de pesca mais usada para captura dos camarões. “O mar está jogando muita lama. Nunca tinha visto tanta lama assim”, assusta-se a pescadora local Isolina Machado Neves.

Nessa quarta-feira (7), Isolina conta que presenciou pessoas passando a rede e coletando os peixes agonizantes, para comer e vender. “Acho um risco pra população”, alarma-se a pescadora, que guardou alguns exemplares no freezer, para o caso de alguém poder fazer uma análise em laboratório.

Eliane conta que, devido à estiagem, quando a boca da barra é aberta, o mar adentra o rio por cinco quilômetros, às vezes dez. E, desde que a lama chegou, as mortandades sempre acontecem, vitimando animais e vegetação, incluindo a taboa. “Ficam nítidas as manchas de lama na areia e na água”, diz. O fundo do rio, que era de areia, agora é lama. “Você anda no rio e pisa na lama, que está sedimentada. E quando a maré invade, levanta essa lama, além de trazer a lama que está no mar também”, explica.

Os peixes de rio não existem mais no Ipiranga, relata Eliane. Para começar a ver alguma espécie de água doce, é preciso subir o rio por cerca de 15 km. “Um colega chegou até a altura da Reserva de Sooretama e viu algumas cumbacas”, conta a ativista. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Jogo pesado

O que falta para um consenso na disputa interna do PSDB? Parar César Colnago!

OPINIÃO
Editorial
Auto-homenagem
Governo usa sessão solene da Assembleia para coroar política de educação escorada na vitrine do Escola Viva
Piero Ruschi
O ‘Santo Graal’ de Augusto Ruschi
Eventos recentes de desrespeito ao Museu Mello Leitão, camuflados sob a criação do INMA, ressuscitam episódios históricos lamentáveis
Renata Oliveira
Juntos ou separados?
O que pode ser mais complicado para Hartung ter todos os seus adversários no mesmo palanque ou cada um em seu quadrado
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Contas públicas viram pano de fundo para disputa entre 'doutores' em Itapemirim

Jogo pesado

Justiça suspende cassação do mandato de Ruberci Casagrande

'Refiliação' de secretário aumenta tensão no PSDB

Juntos ou separados?