Seculo

 

Lama da Samarco/Vale-BHP causa mais uma mortandade de peixes em Urussuquara e Barra Seca


09/06/2017 às 15:33
Os “peixes da maré”, como robalo, carapeba, caramuru, além de siri, camarão pitu e outros organismos marinhos, estão entrando no Rio Ipiranga, em Barra Seca e Urussuquara, e ali morrendo, aos milhares, há quatro dias. A denúncia, feita por pescadores locais, é acompanhada de uma mesma explicação, que tem se repetido nos últimos 19 meses, desde que a lama da Samarco/Vale-BHP atingiu o litoral do Espírito Santo: intoxicação por metais pesados e outros contaminantes presentes no tsunami de rejeitos de mineração que começou a escorrer da barragem rompida de Fundão, em Mariana/MG, no dia cinco de novembro de 2015.

Na região de Urussuquara e Barra Seca, entre Linhares e São Mateus, a primeira mortandade aconteceu em janeiro de 2016, quando um vento sul extemporâneo trouxe a primeira “onda” de destruição, sendo necessário até interditar a praia de Pontal do Ipiranga, lotada de turistas, devido ao feriado do Ano Novo. “Morreram mais de um milhão de aplysias”, relembra a pescadora Eliane Balke, também militante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Essa última iniciou logo após a última abertura da boca da barra, segunda-feira (5), a pedido de pescadores de camarão, que precisam ter acesso ao rio para passar sua “rede de balão”, como é conhecida a arte de pesca mais usada para captura dos camarões. “O mar está jogando muita lama. Nunca tinha visto tanta lama assim”, assusta-se a pescadora local Isolina Machado Neves.

Nessa quarta-feira (7), Isolina conta que presenciou pessoas passando a rede e coletando os peixes agonizantes, para comer e vender. “Acho um risco pra população”, alarma-se a pescadora, que guardou alguns exemplares no freezer, para o caso de alguém poder fazer uma análise em laboratório.

Eliane conta que, devido à estiagem, quando a boca da barra é aberta, o mar adentra o rio por cinco quilômetros, às vezes dez. E, desde que a lama chegou, as mortandades sempre acontecem, vitimando animais e vegetação, incluindo a taboa. “Ficam nítidas as manchas de lama na areia e na água”, diz. O fundo do rio, que era de areia, agora é lama. “Você anda no rio e pisa na lama, que está sedimentada. E quando a maré invade, levanta essa lama, além de trazer a lama que está no mar também”, explica.

Os peixes de rio não existem mais no Ipiranga, relata Eliane. Para começar a ver alguma espécie de água doce, é preciso subir o rio por cerca de 15 km. “Um colega chegou até a altura da Reserva de Sooretama e viu algumas cumbacas”, conta a ativista. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Declaração de guerra

Luciano Rezende inflou tanto a candidatura de Denninho, para se livrar da única oposição que sofria na Câmara, que acabou arrumando um problemão dentro de casa

OPINIÃO
Editorial
Operação seletiva
Mandado de busca coletivo cumprido nesta quinta (17) em Jesus de Nazareth viola Estado Democrático de Direito
Renata Oliveira
Estilhaços da bomba
O programa do PSDB Nacional foi demolidor e serve bem ao discurso palaciano para o processo eleitoral de 2018
Geraldo Hasse
Pedalando rumo ao Norte
Até quando os brasileiros se deixarão governar por quem não os representa?
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A árvore da via
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Tribunal condena promotor que alterou depoimento de testemunha em caso de ‘rachid’

Polícia Federal investiga superfaturamento de contrato em Cariacica

Universitários guaranis realizam encontro sobre saúde e saberes tradicionais

Declaração de guerra

Ex-prefeitos de São Gabriel da Palha viram réus em ação de improbidade