Seculo

 

Deputados arquivam projeto que incentiva energia limpa no Espírito Santo


12/06/2017 às 23:17
O deputado Sérgio Majeski (PSDB) teve mais uma proposição derrubada por determinação do governador Paulo Hartung (PMDB). O Projeto de Lei 264/2015, que propunha incentivar a mini e microgeração de energia limpa, com incentivo do governo do Estado para custear aquisição de equipamentos, foi arquivada por 17 votos a três, na sessão desta segunda-feira (12) da Assembleia.
 
O líder do governo, deputado Rodrigo Coelho (PDT), que orientou os deputados governistas pela não aprovação do PL, alegou vício da proposta. 
 
A argumentação de Coelho foi frontalmente rebatida por Majeski. O deputado explicou que sua assessoria estudou exaustivamente a matéria antes de apresentá-la, justamente para evitar que a proposição fosse derrubada por inconstitucionalidade ou vício. “Os meus projetos antes de protocolados, nós estudamos profundamente, consultamos funcionários de carreira da Assembleia, fazemos pesquisas fora daqui, ouvimos juízes e procuradores. A inconstitucionalidade existente foi retirada e não apresentamos o projeto só como uma boa ideia”, pontuou o autor. “Não estamos criando uma política de energia. Se for reprovado, não é por ser inconstitucional, não é por vicio, é pelo fato de quem é o autor”, afirmou o deputado, sugerindo perseguição do governo aos projetos de sua autoria.
 
Rodrigo Coelho, sempre polidamente e sem alterar o tom de voz, tentou demover a tese do deputado de suposta retaliação do governo às suas propostas. O líder afirmou que esse tipo de proposta seria exclusiva do Poder Executivo. “Não nos basta fazer a aprovação de projetos para que depois tenhamos um veto, e após (se o veto for derrubado) um questionamento na Justiça a lei ser derrubada”, disse Coelho, sugerindo que a proposição era inconsistente.
 
Os deputados Luzia Toledo (PMDB), José Esmeraldo (PMDB) e Freitas (PSB) também discutiram a matéria e defenderam a necessidade de uma política de incentivo para o setor no Estado. Mas desses três que se manifestaram favoráveis a uma política de energia limpa para o Espírito Santo, curiosamente, apenas Freitas foi coerente com sua defesa e votou a favor do PL do tucano. O outro voto a favor do projeto de Majeski veio do Padre Honório (PT), que ultimamente vem assumindo uma posição mais crítica ao governo. 
 
O deputado Freitas divergiu sobre a suposta inconstitucionalidade do PL e criticou a demora do governo em responder a uma demanda tão importante. “São dois anos tramitando. Não dá pra ficar patinando, uma luz tão favorável, a gente fica debatendo, debatendo e nada. Que o líder intensifique o debate com os secretários”, cobrou.
(Com informações da Web Ales)

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Declaração de guerra

Luciano Rezende inflou tanto a candidatura de Denninho, para se livrar da única oposição que sofria na Câmara, que acabou arrumando um problemão dentro de casa

OPINIÃO
Editorial
Operação seletiva
Mandado de busca coletivo cumprido nesta quinta (17) em Jesus de Nazareth viola Estado Democrático de Direito
Renata Oliveira
Estilhaços da bomba
O programa do PSDB Nacional foi demolidor e serve bem ao discurso palaciano para o processo eleitoral de 2018
Geraldo Hasse
Pedalando rumo ao Norte
Até quando os brasileiros se deixarão governar por quem não os representa?
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A árvore da via
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Tribunal condena promotor que alterou depoimento de testemunha em caso de ‘rachid’

Polícia Federal investiga superfaturamento de contrato em Cariacica

Universitários guaranis realizam encontro sobre saúde e saberes tradicionais

Declaração de guerra

Ex-prefeitos de São Gabriel da Palha viram réus em ação de improbidade