Seculo

 

Decisão de seguir com Temer não tem desdobramento na aliança do PSDB com Hartung


13/06/2017 às 10:40
Ao menos à luz do dia, até onde se sabe, Paulo Hartung e Michel Temer chegaram mais perto um do outro em dezembro de 2015, quando o processo de impeachment da então presidente Dilma Rousseff começa a ganhar forma. O propósito do encontro na Residência Oficial, em Vila Velha, nunca foi revelado. Mas no campo da especulação circulou a informação que o teor da prosa seria um pedido de apoio do então vice-presidente ao correligionário sobre o processo de impeachment de Dilma. 
 
Fora isso, Hartung sempre manteve os dois pés atrás com Temer. Logo que Temer assumiu a Presidência da República, o governador capixaba passou a cobrar celeridade de Temer em relação às reformas. Hartung nunca fez elogios ao presidente. Ao contrário, sempre criticou o ritmo lento do governo federal em empreender as reformas. Hartung se preocupava apenas em exaltar o sucesso de sua gestão como um modelo a ser seguido. Se alguma desse errada mais à frente no seu plano, seguramente atribuiria à inércia do governo federal.
 
Esse retrospecto da relação Temer-Hartung desvincula o governador do Espírito Santo do governo federal. Por isso, a decisão do PSDB dessa segunda-feira (12), que anunciou a permanência no governo Temer, não tem desdobramentos na aliança do PSDB com Hartung. Se a decisão fosse pelo rompimento com Temer, também não mudaria absolutamente nada por aqui. 
 
A insatisfação que há entre parte dos tucanos com Hartung é anterior. Não se originou com a crise política que solapa o governo federal. Essa dificuldade do governador com o PSDB ficou evidente no início deste ano, quando o peemedebista fez um movimento explícito de que estaria com um pé no PSDB. 
 
Essa movimentação causou o mal-estar imediato em algumas lideranças do partido. Nas trocas de sinais, via imprensa, restou evidente que o PSDB não queria a companhia de Hartung de jeito nenhum. O que se ouviu de alguns tucanos sobre o desejo do peemedebista em migrar para o partido era mais ou menos o seguinte: “Hartung chega para dominar ou desagregar. E não queremos nenhuma coisa nem outra para o PSDB”. 
 
Ao ser barrado acintosamente na porta do partido, Hartung não escondeu sua frustração. É preciso lembrar que a movimentação ocorreu antes de estourar a crise na PM. Sem dúvida, a crise mais aguda do atual governo. Antes da greve da PM, Hartung desfilava como “queridinho” da imprensa e dos economistas, como exemplo de gestor que soube domar a crise com uma política econômica austera. Receita que os analistas de plantão recomendariam para outros governadores e até para o próprio Temer. 
 
Toda essa vitrine, porém, não foi suficiente para Hartung carimbar seu visto de entrada no ninho tucano. Além dessa resistência de tucanos ao nome de Hartung, surgiu também o fator Sérgio Majeski. O deputado do PSDB, desde que chegou à Assembleia, passou a ocupar o papel de principal opositor ao governo Hartung. Mesmo isolado, o deputado tem causado um desgaste político considerável ao governador, que deve identificar o tucano hoje como o obstáculo mais saliente no campo político de 2018. 
 
Majeski sim tem defendido insistentemente a saída imediata dos governos Temer e de Hartung, num pacote só. Mas esse desejo, como no caso da oposição ao Palácio Anchieta, está muito restrito ao deputado. É verdade que boa parte dos tucanos rejeita a entrada de Hartung no partido, mas há uma distância enorme em transformar essa rejeição em rompimento com o governo. Se com Temer a cúpula tucana decidiu procurar um lugar mais confortável para permanecer em cima do muro, imagine em relação a Hartung.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
Bruno Toledo
Em defesa dos defensores
Nunca antes foi tão necessário e urgente o fortalecimento da Defensoria Pública
Eliza Bartolozzi Ferreira
A greve é um direito
Prefeito de Vitória ignorou o direito dos professores e adotou medidas coercitivas contra a liberdade de expressão e de greve
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Regimento Interno da Câmara da Serra torna nulo pedido de empréstimo para a prefeitura

Audiência Pública debate políticas de enfrentamento às desigualdades raciais

Pulverizações com agrotóxicos continuam no entorno do Parque de Itaúnas

Mordaça na escola