Seculo

 

Famílias são despejadas e projeto-piloto do MST no Estado fica inviabilizado


13/06/2017 às 15:09
“Hoje nós fomos despejados. Foi uma grande decepção pra nós”, relata Luana Santos, liderança do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Acampamento Guerreiros da Terra, instalado em janeiro deste ano em Vila do Riacho, numa área abandonada pela Prefeitura de Aracruz.

A reintegração de posse foi executada na manhã desta terça-feira (13), de forma pacífica, sem resistência dos acampados, porém, com muito pesar. “Foi a maior destruição, porque perdeu muita plantação e um monte de barracos, foi horrível”, conta Luana.

A produção agroecológica, a pleno vapor, abastecia as 70 famílias acampadas e também já estava sendo planejada para abastecimento da cidade de Aracruz, numa iniciativa pioneira no Espírito Santo. Já funcionando com êxito em São Paulo, o projeto previa um assentamento com lotes menores por família, mas com maior proximidade da cidade, que seria abastecida com alimentos saudáveis. “Mas a luta continua, é o nosso dia a dia”, afirma a liderança do MST.

A transformação positiva realizada pelos acampados na região, ainda no verão, com apenas algumas semanas de trabalho, chegou a sensibilizar o juiz que analisou o primeiro pedido de reintegração de posse, que negou a liminar e convocou uma audiência de conciliação. Diante da negativa de diálogo com a Prefeitura, no entanto, o processo foi retomado.

A reintegração, marcada a princípio para o próximo dia 26, foi antecipada em 13 dias, para que a área esteja desocupada no dia 20, data de uma vistoria do Ministério de Desenvolvimento, dando início ao processo de transformação da área em Zona de Processamento de Exportação (ZPE).

As famílias do Guerreiros da Terra estão a caminho do Acampamento Lagoa do Limão, numa área próxima a Desengano, já em Linhares, onde 47 famílias reivindicam a reforma agrária para uma área em posse da Aracruz Celulose (Fibria). “Estamos na luta pra somar, multiplicar”, declara Luana.

Ao lado do deserto verde da multinacional, os trabalhadores erguem uma bela produção agroecológica, com abóbora, milho, aipim e outros itens. O que se espera é que, em algum momento, seja cumprida a determinação constitucional de dedicar terras devolutas e improdutivas para a Reforma Agrária, ao invés da cessão para grandes empresas multinacionais e grandes latifundiários, o que só faz aumentar a concentração de terras no país, o consumo de venenos agrícolas e a insegurança alimentar. “Infelizmente o governo não está cooperando com os trabalhadores rurais”, lamenta Luana. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

Projeto da nova sede do IPAJM é 'reavaliado' por Instituto de Obras do Estado

A montagem da cena