Seculo

 

Audifax finge esconder o jogo, mas faz movimentos agudos em direção a 2018


16/06/2017 às 16:36
Audifax Barcelos (Rede) e Luciano Rezende (PPS), dois prefeitos reeleitos em 2016, respectivamente em Serra e Vitória, mal se ajeitaram na cadeira passaram a fazer um movimento, num primeiro momento mais velado, em direção ao processo eleitoral de 2018. 
 
Luciano saiu na frente ao abrir a polêmica sobre a qualidade do saneamento oferecido pela Cesan aos moradores de Vitória. A partir da polêmica aberta, o prefeito tirou o governador Paulo Hartung (PMDB) do sério ao ameaçar transferir os serviços para a iniciativa privada. A jogada desconcertante deu visibilidade ao prefeito e fez circular nos meios políticos que Luciano poderia sim antecipar seu projeto de chegar ao Palácio Anchieta para 2018. 
 
A oportunidade de antecipar o projeto ao governo, porém, não entrou apenas no radar de Luciano, Audifax também percebeu que o atual cenário permitiria pular etapas rumo ao Anchieta. Essa tese começou a ganhar contornos mais fortes na boca da mandachuva da Rede. A presidenciável Marina Silva afirmou que o partido não abriria mão de ter candidato ao governo no Espírito Santo. Como Audifax é a principal estrela do partido no Estado, ficou mais do que entendido, que a missão caberia ao prefeito da Serra. 
 
Desde que seu nome entrou na roda, Audifax tem “fingido” que essa discussão está ainda muito distante. Na linha: “é cedo para falar sobre 2018”; “a Rede pretende ter candidato ao governo, mas vamos avaliar mais à frente qual seria esse nome”. Ao mesmo tempo que esconde o jogo, o redista fez, essa semana, um movimento mais agudo com vistas ao  projeto de antecipar sua entrada na corrida ao Palácio Anchieta. 
 
Dentro dessa estratégia, Audifax “plantou” a foto de duas lideranças jovens da Rede posando ao lado do deputado estadual Sérgio Majeski (PSDB). A mensagem subliminar dizia: “Majeski, se está insatisfeito com o PSDB, vem pra Rede que aqui você tem legenda para disputar o Senado, compondo chapa com Audifax ao governo”. 
 
O assédio de Audifax não poderia vir em melhor hora. O prefeito serrano leu bem o momento vulnerável do tucano no PSDB, que admitiu estar aberto para conversar com outras agremiações, já sinalizando que não tem mais clima para continuar no partido, principalmente após o PSDB bater o martelo que fica no governo Temer. 
 
Se Majeski vai aceitar ou não o convite da Rede são outros quinhentos, mas Audifax - depois de Luciano ter refreado sua investida quando viu seu nome envolvido nas delações da Odebrecht - é a primeira liderança, fora do arco de influência de Hartung, a fazer movimentos mais agudos estrategicamente vislumbrando o processo eleitoral de 2018. 
 
É claro que Audifax, depois de criar o fato, vai fazer de tudo para esconder quais as cartas que tem na mão. Para ter opções de jogo mais à frente, o redista deve transferir a vice-prefeita, Márcia Lamas, hoje no PSB, para a Rede. Seria uma garantia caso ele decida sair para a disputa ao governo. Se chegar ao Palácio Anchieta, entrega a Serra nas mãos de Márcia e do seu filho, o deputado estadual Bruno Lamas (PSB). Se perder, não poderá reassumir a prefeitura, mas, nesse arranjo, manteria o comando do município por meio de uma gestão “fantoche” de Márcia Lamas. Dependendo do cenário que se apresentar no ano que vem, Audifax pode abortar seu plano de antecipar sua corrida ao governo e seguir à frente da prefeitura, lançando Márcia, por exemplo, à Câmara ou Assembleia, mas pela Rede. 
 
Audifax sabe que tudo que o partido precisa nesse momento é construir quadros para fortalecer a Rede no Estado, condição indispensável para que esse ambicioso projeto possa sair do papel e alçar o redista no páreo com chances reais de vitória. Memso porque, Audifax não deve arriscar renunciar seu mandato, que foi conquistado com muito suor, para entrar numa disputa com poucas chances, apenas para ganhar "experiência".

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

O 7x1 da literatura

Quem paga a conta senta na cabeceira?

Projeto da nova sede do IPAJM é 'reavaliado' por Instituto de Obras do Estado