Seculo

 

Candidatura de Rose 'empurraria' Hartung para a reeleição


17/06/2017 às 13:33
A senadora Rose de Freitas é a chamada “carne de pescoço” no cardápio político de Paulo Hartung. Exige cautela redobrada e muita habilidade para que o comensal não seja surpreendido por um osso caprichoso que pode provocar engasgo ao passar despercebido pela destreza dos talheres. Sem controle sobre a peemedebista, o governador mantém a correligionária sob vigilância no seu radar. Ele sabe que Rose pode “aprontar”. 
 
Se Rose insistir com o projeto de candidatar-se ao governo em 2018 arma uma sinuca de bico para cima de Hartung. Das lideranças do andar de cima da prateleira, Rose é a única que entraria na disputa sem ter absolutamente nada a perder. Muito ao contrário, disputar o governo, além de ser um pleito legítimo à senadora, resolveria alguns pendências de campanha. 
 
O suplente de Rose, o empresário Luiz Pastore, que bancou boa parte da campanha vitoriosa da peemedebista ao Senado, cobra sua contrapartida, ou seja, um parte do mandato. Se Rose entra na disputa, é obrigada a se descompatibilizar. Ela aproveitaria a oportunidade para cumprir seu compromisso com o Pastore. 
 
Esse arranjo também resolveria o problema de caixa de uma eventual campanha de Rose ao governo. Dinheiro não seria problema para o empresário que pagou rindo 50 mil dólares para ganhar um beijo de 10 segundos da modelo norte-americana Kate Moss. Pastore, por motivos óbvios, torceria pela vitória de Rose. Ganharia quatro anos inteiros de mandato. Se a senadora perder, ele fica de abril até pelo menos outubro no Senado, quando fecha o segundo turno. Seria um bom tempo para quem ficou feliz ao assumir a suplência do senador Gerson Camata (PMDB) por 52 dias, em 2002.
 
Quem não ficaria nada feliz com esse arranjo é o governador Paulo Hartung. Se Rose põe o pé na porta, pedindo passagem para entrar na corrida ao Palácio Anchieta, obriga Hartung a disputar a reeleição. A prerrogativa da disputa, isso não se discute, seria do governador. Mas isso mataria definitivamente o “plano A” de Hartung, que seria o Senado. 
 
A movimentação de Rose pelo controle da Associação dos Municípios do Estado do Espírito Santo (Amunes) foi um exemplo da disputa por “territórios” entre a senadora e Hartung. A peemedebista, que tem perfil municipalista, queria surpreender Hartung. Lançou o prefeito de Viana, Gilson Daniel (PV), para a disputa contra o candidato palaciano, o prefeito de Linhares, Guerino Zanon (PMDB). 
 
Na queda de braço pelo controle da prefeitada, Hartung se saiu melhor. Com a derrota iminente, Gilson desistiu da disputa e Zanon foi aclamado presidente da Amunes, em março passado, por 64 dos 81 prefeitos capixabas. 
 
A derrota parece já ter sido assimilada pelo candidato de Rose. Gilson, esta semana, retomou o diálogo com o governador e se mostrou disposto a engrossar a lista de prefeito palacianos. Hartung retribuiu, e já chama o prefeito de “querido”.   
 
A derrota em si e os seus desdobramentos, como a debandada de Gilson para o lado de Hartung, fizeram soar o alerta para a senadora. Rose sabe que precisa retomar os “territórios” perdidos. Uma disputa majoritária poderia ser uma boa estratégia para a senadora realinhar os prefeitos desgarrados.
 
A simples movimentação de Rose em direção ao Palácio Anchieta causa um alvoroço no QG de Hartung. Conhecedor da astúcia política da senadora, ele sabe que precisará de uma boa estratégia para neutralizar as ambições da eterna “adversária”. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

O 7x1 da literatura

Quem paga a conta senta na cabeceira?

Projeto da nova sede do IPAJM é 'reavaliado' por Instituto de Obras do Estado