Seculo


  • Lava Jato no ES

 

TCE encerra processo sobre compra de computadores pela Justiça estadual


19/06/2017 às 15:39
O Tribunal de Contas do Estado (TCE) julgou improcedente a representação contra o Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) pela aquisição de equipamentos de informática na gestão do ex-presidente Pedro Valls Feu Rosa.  A investigação teve início no final de 2014 após denúncia dos auditores da Corte. Na ocasião, a maior parte dos equipamentos estava sem uso. No entanto, o conselheiro-relator Domingos Taufner considerou que hoje quase todos os itens – aparelhos e softwares (programas de computador) – já foram distribuídos.

Ao todo, foram adquiridos 12.582 itens, sendo que apenas 203 ainda não teriam sido distribuídos, de acordo com informações do TJES, citadas no voto de Taufner. A demora teria sido provocada pelas divergências quanto à adoção do sistema de processo eletrônico, modificado pelo tribunal antes da escolha pela adoção do PJe (processo judicial eletrônico), desenvolvido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O relator considerou ainda as mudanças na Mesa Diretora do Tribunal ao longo da implantação do projeto de informatização.

Sobre as acusações de ausência de finalidade pública e desvalorização dos bens em função de sua não utilização, Taufner acolheu as manifestações do atual presidente do TJES (Annibal de Rezende Lima) e da própria área técnica do Corte de Contas que afastou as irregularidades. Segundo ele, ficou comprovada a “satisfatória distribuição dos equipamentos de informática”, inclusive, com a confirmação da localização dos bens. O relator descartou a hipótese de responsabilizar os gestores do TJES pelo atraso devido a fatos que ocorreram fora de seu campo de controle.

Outro ponto questionado era sobre a eventual inexistência de projeto básico na contratação estimada em R$ 17,2 milhões. No entanto, o relator viu o atendimento de todas as normas legais. “Comprovada a adesão do projeto básico do TJES para aquisição de material de informática ao procedimento descrito nas normas, não prevalece o indício de irregularidade quanto à alegada insubsistência, motivo pelo qual entendo que a mesma deva ser afastada”, afirmou.

Figuravam no processo (TC 5612/2014), além do desembargador Pedro Valls, o então secretário-geral do tribunal, José de Magalhães Neto, além dos membros do Comitê Gestor da Tecnologia da Informação (TI) do tribunal no exercício de 2013 (Ronney Brunelli Dutra, Paulino José Lourenço, João Paulo Siqueira do Nascimento, Filipe Gomes Lima e João Mariano Filho).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cortina de ferro

Como o PT vai sair do imbróglio em que se meteu após a eleição de Coser (foto) para comandar o partido?

OPINIÃO
José Rabelo
A ocasião faz a cabeça
Preocupado em descolar a Reforma Trabalhista de Temer, Ricardo Ferraço se alinha à narrativa dos tucanos cabeças pretas
Piero Ruschi
Ecomemória: lembranças da destruição ambiental no ES
Guardo em casa um jogo curioso. Na capa, o Museu Mello Leitão ao lado da Aracruz Celulose - uma atroz incoerência lógica
Lídia Caldas
Nutrição e gestação
Será que uma gestante tem mesmo necessidade de uma dieta alimentar diferenciada?
Geraldo Hasse
Salgado Filho, um simples herói
Hoje ninguém mais lembra o advogado que regulamentou o comércio dos ambulantes
Caetano Roque
Água da mesma pipa
Na verdade, não houve embate na eleição no Sindicomerciários
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Uma festa para Ro Ro que rolou escada abaixo
Panorama Atual

Roberto Junquilho

O cinismo explícito e a esperança de fora Temer renovada
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Meu dia, seu dia
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Ferraço: 'Hartung continua o mesmo: enganando, tripudiando e passando por cima de todos'

Distritão ganha força no Congresso e pode pôr fim ao 'efeito Tiririca'

Cortina de ferro

Audiência pública debate contaminação e mortandade de peixes em rios de Aracruz

Comdema nega recurso à Infraero e mantém multa de R$ 535 mil por emissão de poeira