Seculo

 

Aracruz Celulose e Samarco/Vale-BHP continuam sem solução para água suja e salgada de Vila do Riacho


19/06/2017 às 16:09
Um protesto com queima de pneus e faixas foi realizado na manhã desta segunda-feira (19) pelos moradores de Vila do Riacho, em Aracruz, norte do Estado. Eles voltaram a cobrar providências da Aracruz Celulose (Fibria) e da Samarco/Vale-BHP para solucionar o problema da água que abastece a comunidade: salgada, de pH ácido, mal cheirosa e alaranjada. 

Embora o mal estar somente ao manipular a água seja unânime em casas, escolas e imóveis há mais de dez anos, o poder público não exige das empresas responsáveis qualquer reparação.

No caso da Aracruz Celulose, o problema é mais antigo e tem relação com o Canal Caboclo Bernardo, construído em 1999 para transpor água do Rio Doce até a sua Fábrica C, por meio do Rio Riacho, que deságua entre as comunidades de Vila e Barra do Riacho. Já a Samarco é cobrada pela omissão em relação aos impactos do crime do rompimento da barragem em novembro de 2015, que agravou a situação.

Com o crime da mineradora, toda a contaminação com rejeitos de minério que atingiu o Rio Doce chegou, através do Canal, também no Rio Riacho, dando o que a comunidade chama de golpe de misericórdia no agonizante corpo d'água, que sempre proveu farta pescaria para Vila e Barra do Riacho. Os moradores relatam que a impressão é de que aumentaram a quantidade de um produto que colocam na água pra disfarçar o mal cheiro e a cor, tornando-a insuportável.
 
O fechamento das vias de acesso à fábrica da Aracruz forçou a empresa a sentar-se com os manifestantes, assim como a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Aracruz (Semam) e a Polícia Militar. A empresa, no entanto, não se comprometeu com nenhuma ação. 

Assim como a Samarco e a sua Fundação Renova, que se negam a reconhecer a comunidade como impactada. Apesar da Deliberação 058 do Comitê Interfederativo (CIF), que determinou o reconhecimento desta e outras várias localidades costeiras ao norte e ao sul da Foz do Rio Doce, bem como o cadastramento dos moradores para recebimento do auxílio emergencial e indenizações, todas essas comunidades continuam sem qualquer assistência por parte da empresa, postura que está sendo contestada pelas Defensorias Públicas Estadual e da União.
 
Durante a reunião desta segunda-feira (19), a Samarco/Vale-BHP foi localizada por telefone e se comprometeu a participar de uma próxima reunião, no dia 29. “Levaremos todos os atingidos de Aracruz, desde Portal de Santa Cruz, e que não foram reconhecidos pela empresa”, anuncia Joice Lopes Miranda, do Fórum Foz Sul e Orla de Aracruz. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
Bruno Toledo
Em defesa dos defensores
Nunca antes foi tão necessário e urgente o fortalecimento da Defensoria Pública
Eliza Bartolozzi Ferreira
A greve é um direito
Prefeito de Vitória ignorou o direito dos professores e adotou medidas coercitivas contra a liberdade de expressão e de greve
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Regimento Interno da Câmara da Serra torna nulo pedido de empréstimo para a prefeitura

Audiência Pública debate políticas de enfrentamento às desigualdades raciais

Pulverizações com agrotóxicos continuam no entorno do Parque de Itaúnas

Mordaça na escola