Seculo

 

Novidades no rádio


19/06/2017 às 23:42
Tenho ouvido algumas emissoras de rádio da Grande Vitória. Notei que estão sobrevivendo à crise, pelo menos a econômica, a de audiência, nem tanto. De repente houve uma reviravolta na parte musical de audiência do rádio. Hoje não sabemos qual a real preferência de uma audiência que seja consistente.
 
Essa fase musical está focada hoje no chamado popnejo, arrochonejo, a mistura da sofrência (ridículo este termo) com o arrocha. É o “popnejo”. Até a Jovem Pan, emissora estilizada em programação, está rodando essa tendência
 
No fundo, no fundo tem umas músicas até legais com a letra chorosa e uma musicalidade bem alinhada. As meninas do “popnejo” e ainda o funknejo. Ritmos que estão no comando desta tendência.
 
Mas para uma programação de rádio, segmentada ou não, a safra musical do popnejo ou do arrojanejo ainda é muita pequena. Então as emissoras têm de complementar. Este complemento vem com o sertanejo, o funk e o pagode. Fica uma mistura que faz o ouvinte se perder. Não consegue se situar no gosto musical que gosta.
 
É sinal dos tempos? Será que é alguma coisa que acontece no rádio, tipo uma novidade? Se for, é pouco. A mudança no rádio não está na linha musical e sim em quem o faz. Está difícil uma novidade no rádio, uma reviravolta.
 
É verdade é que em nenhum dos quatro cantos no mundo ninguém está fazendo nada de novo. Algo que coloque o rádio no pedestal acima dos demais veículos, até mesmo da internet
 
PARABÓLICAS
 
A Antena1 está de volta, agora nas ondas da antiga Mix de Vila Velha. Miguel Trés está empolgado com a novidade.
 
Tem muito assessor de imprensa que não tem noção do cargo que exerce. Apenas executam o que mandam, e, registra-se, muito mal.
 
Gatão, programador musical da Tribuna FM, está preocupado com a volta da Antena ao mercado da capital
 
A Globo perdeu (momentaneamente) o direito de transmissão dos jogos da seleção brasileira. Resultado: quase ninguém viu o jogo com a Argentina dias atrás.
 
MENSAGEM FINAL
 
A raça humana é uma raça de covardes; e eu não estou apenas marchando na procissão, como carregando um cartaz. Mark Twain

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Atlas da Violência: Serra e São Mateus registraram o maior índice de homicídios

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

Governo escolhe local para base da PM sem consultar moradores da Piedade

Moradores impedem devastação ainda maior da Aracruz Celulose (Fibria) em Lagoa de Coqueiral

A raposa cuidando do galinheiro