Seculo

 

Novidades no rádio


19/06/2017 às 23:42
Tenho ouvido algumas emissoras de rádio da Grande Vitória. Notei que estão sobrevivendo à crise, pelo menos a econômica, a de audiência, nem tanto. De repente houve uma reviravolta na parte musical de audiência do rádio. Hoje não sabemos qual a real preferência de uma audiência que seja consistente.
 
Essa fase musical está focada hoje no chamado popnejo, arrochonejo, a mistura da sofrência (ridículo este termo) com o arrocha. É o “popnejo”. Até a Jovem Pan, emissora estilizada em programação, está rodando essa tendência
 
No fundo, no fundo tem umas músicas até legais com a letra chorosa e uma musicalidade bem alinhada. As meninas do “popnejo” e ainda o funknejo. Ritmos que estão no comando desta tendência.
 
Mas para uma programação de rádio, segmentada ou não, a safra musical do popnejo ou do arrojanejo ainda é muita pequena. Então as emissoras têm de complementar. Este complemento vem com o sertanejo, o funk e o pagode. Fica uma mistura que faz o ouvinte se perder. Não consegue se situar no gosto musical que gosta.
 
É sinal dos tempos? Será que é alguma coisa que acontece no rádio, tipo uma novidade? Se for, é pouco. A mudança no rádio não está na linha musical e sim em quem o faz. Está difícil uma novidade no rádio, uma reviravolta.
 
É verdade é que em nenhum dos quatro cantos no mundo ninguém está fazendo nada de novo. Algo que coloque o rádio no pedestal acima dos demais veículos, até mesmo da internet
 
PARABÓLICAS
 
A Antena1 está de volta, agora nas ondas da antiga Mix de Vila Velha. Miguel Trés está empolgado com a novidade.
 
Tem muito assessor de imprensa que não tem noção do cargo que exerce. Apenas executam o que mandam, e, registra-se, muito mal.
 
Gatão, programador musical da Tribuna FM, está preocupado com a volta da Antena ao mercado da capital
 
A Globo perdeu (momentaneamente) o direito de transmissão dos jogos da seleção brasileira. Resultado: quase ninguém viu o jogo com a Argentina dias atrás.
 
MENSAGEM FINAL
 
A raça humana é uma raça de covardes; e eu não estou apenas marchando na procissão, como carregando um cartaz. Mark Twain

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Fazendo escola

Temer em Brasília, Hartung e Luciano Rezende no Espírito Santo: retaliações a quem anda “fora da linha” nunca estiveram tão na moda como agora

OPINIÃO
Editorial
Em causa própria
Promotor Marcelo Zenkner usa cargo público para promover projeto pessoal
Piero Ruschi
Festa de fachada
Comemoração da Sambio evidencia que o Museu Mello Leitão segue precisando de verdadeiros amigos
Renata Oliveira
Pela emoção
Magno Malta sempre tem uma carta na manga para a disputa eleitoral. Mas desta vez o cenário é diferente
JR Mignone
O repórter e a polícia
A vítima não foi repórter, foi a professora
Caetano Roque
Inversão de papéis
O movimento sindical foi dar uma de direita e agora perdeu o caminho da rua
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

O cinismo explícito e a esperança de fora Temer renovada
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

O tempo entre as vírgulas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Família busca indenização por morte de jovem em unidade prisional

Grupo de Luciano tenta sufocar oposição com corte de cargos

PP classifica como 'desproporcional' críticas de vereador contra Hartung

Hartung e Casagrande seguem disputando espaço no interior

Fazendo escola