Seculo

 

Novidades no rádio


19/06/2017 às 23:42
Tenho ouvido algumas emissoras de rádio da Grande Vitória. Notei que estão sobrevivendo à crise, pelo menos a econômica, a de audiência, nem tanto. De repente houve uma reviravolta na parte musical de audiência do rádio. Hoje não sabemos qual a real preferência de uma audiência que seja consistente.
 
Essa fase musical está focada hoje no chamado popnejo, arrochonejo, a mistura da sofrência (ridículo este termo) com o arrocha. É o “popnejo”. Até a Jovem Pan, emissora estilizada em programação, está rodando essa tendência
 
No fundo, no fundo tem umas músicas até legais com a letra chorosa e uma musicalidade bem alinhada. As meninas do “popnejo” e ainda o funknejo. Ritmos que estão no comando desta tendência.
 
Mas para uma programação de rádio, segmentada ou não, a safra musical do popnejo ou do arrojanejo ainda é muita pequena. Então as emissoras têm de complementar. Este complemento vem com o sertanejo, o funk e o pagode. Fica uma mistura que faz o ouvinte se perder. Não consegue se situar no gosto musical que gosta.
 
É sinal dos tempos? Será que é alguma coisa que acontece no rádio, tipo uma novidade? Se for, é pouco. A mudança no rádio não está na linha musical e sim em quem o faz. Está difícil uma novidade no rádio, uma reviravolta.
 
É verdade é que em nenhum dos quatro cantos no mundo ninguém está fazendo nada de novo. Algo que coloque o rádio no pedestal acima dos demais veículos, até mesmo da internet
 
PARABÓLICAS
 
A Antena1 está de volta, agora nas ondas da antiga Mix de Vila Velha. Miguel Trés está empolgado com a novidade.
 
Tem muito assessor de imprensa que não tem noção do cargo que exerce. Apenas executam o que mandam, e, registra-se, muito mal.
 
Gatão, programador musical da Tribuna FM, está preocupado com a volta da Antena ao mercado da capital
 
A Globo perdeu (momentaneamente) o direito de transmissão dos jogos da seleção brasileira. Resultado: quase ninguém viu o jogo com a Argentina dias atrás.
 
MENSAGEM FINAL
 
A raça humana é uma raça de covardes; e eu não estou apenas marchando na procissão, como carregando um cartaz. Mark Twain

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Bicho-papão
O ajuste fiscal de Paulo Hartung precisa do exemplo do Rio de Janeiro tanto para cortar quanto para supervalorizar a liberação de recursos
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Caetano Roque
Pressão neles
O movimento sindical deve conscientizar o trabalhador sobre quem estará na disputa do próximo ano contra ele
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Precipitou-se

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento