Seculo

 

Destruição da afetividade chama atenção da Pastoral em seminário sobre impactos da Samarco/Vale-BHP


23/06/2017 às 17:35
A perda do vínculo afetivo dos pescadores com o Rio Doce foi um dos aspectos que mais chamou atenção dos agentes do Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP) durante o Seminário sobre os Impactos do Crime da Samarco às Comunidades Pesqueiras, realizado nessa quinta-feira (22) em Povoação, Linhares (norte do Estado).

“O rio não é só um local de trabalho. Esse relato dos pescadores é muito profundo, porque afeta a economia e a saúde. Eles perderam um referencial de vida”, conta Ormezita Barbosa de Paula, secretária executiva do CPP.

O seminário reuniu pescadores de todas as localidades impactadas pelo crime da Samarco/Vale-BHP e ajudou a fortalecer cada um dos participantes na manutenção da luta e mostrar a necessidade de maior integração entre as comunidades.

“Todo mundo chorou. Foi como um choque, ver que é tudo igual, todos falando ao mesmo tempo e a mesma língua”, relata a pescadora Eliane Balke, membro da comissão criada durante o evento para dar continuidade aos trabalhos, com representantes de todas as comunidades afetadas e visitadas pela missão dos agentes pastorais. “Me fortaleceu a continuar na luta pelo reconhecimento dos territórios atingidos”, afirma a militante.

Com relação aos graves problemas de saúde relatados, estudos devem ser realizados pela Fundação Osvaldo Crua (Fiocruz), que teve um de seus médicos-pesquisadores presente no seminário, Carlos Minayo.

Nas esferas do Ministério Público e Justiça, o CPP pretende fortalecer os processos em curso e buscar maior aproximação da Quarta Câmara (Meio Ambiente) e da Sexta Câmara (Populações Tradicionais) do Ministério Público Federal, em Brasília.

Outra frente será aberta com os Ministérios da Agricultura e da Indústria e Comércio, que tratam da pauta dos pescadores no País, no sentido de providenciar uma atenção maior aos atingidos.

“Água também é um encaminhamento”, destaca Eliane, em virtude da precariedade de abastecimento por que passam as famílias. Sem dinheiro para comprar água mineral e sem qualquer assistência por parte da empresa e do Poder Público, muitas se veem obrigadas a consumir a água do próprio rio, mesmo sabendo dos riscos à saúde.

Comoção

Foi o relato da pescadora Eliane, durante um curso sobre saúde das pescadoras organizado pelo Ministério da Saúde em março, em Vitória, que acelerou a organização do seminário pelo CPP. Ao mostrar as feridas de pele causadas pelo contato com a lama contaminada, a pescadora sensibilizou os agentes pastorais a priorizar uma atividade com os atingidos pelo crime. “Foi uma comoção muito grande”, recorda Ormezita.

Comoção que se repetiu durante o seminário, com depoimentos emocionados, de homens e mulheres, sobre fome, sede, doenças, ociosidade, depressão e falta de perspectiva para o futuro. “Um pai contou que o filho de nove anos entrou em depressão depois que o rio foi contaminado, ficou adoecido, está se tratando”, cita a secretária executiva do CPP.

Objetivo é o êxodo

“Dá impressão de que a estratégia da empresa é essa, o êxodo do pescador. Pra que ele não lute por seus direitos, por seu território”, analisa Eliane. “A empresa não está fazendo nada. Aqui ela nunca apareceu. E onde ela aparece, só faz promessas, mas não garante nenhuma condição melhor pros pescadores”, denuncia a pescadora.

Ela compartilha outas histórias contadas no seminário, como a do pescador Humberto Bonomo, de Gameleira, em São Mateus, que não consegue comprar gás nem alimentos para a sua família. “Não dá nem pro leite das crianças”, contou o pescador. Outra pescadora da comunidade, Amarilda Justino, destacou, além das dificuldades financeiras, a incapacidade de tratamento das feridas na pele, que custa R$ 350,00 por mês. “Não tenho previsão de futuro, só tenho fé”, desabafou.

Os pescadores também enfatizaram que a contaminação está sendo “exportada” para a Grande Vitória e outras cidades. O camarão, por exemplo, continua sendo pescado na região e vendido sem qualquer fiscalização na Capital. “Os camarões são pegos no balão com as patinhas cobertas com a lama”, alerta Eliane. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Disputa indefinida

Hoje, a raia que tem a linha de chegada no Palácio Anchieta tem apenas dois competidores: PH e Rose. O campo de oposição às lideranças de perfil tradicional ainda está aberto

OPINIÃO
Editorial
Operação seletiva
Mandado de busca coletivo cumprido nesta quinta (17) em Jesus de Nazareth viola Estado Democrático de Direito
Renata Oliveira
A escolha de Sofia
Os prefeitos do Estado têm de escolher entre Rose de Freitas ou Paulo Hartung
JR Mignone
Radiamadores
Os radioamadores continuam na sua ação principal, aquela de ajudar, informar, localizar, conhecer e explorar as distâncias
Geraldo Hasse
Pedalando rumo ao Norte
Até quando os brasileiros se deixarão governar por quem não os representa?
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Sopa de Letrinhas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Disputa indefinida

Mexer no PDU pode custar caro aos vereadores

À medida que a eleição se aproxima, perfil da equipe de Hartung se torna mais político

Justiça recebe ação penal contra ex-prefeito e vereadores de Barra de São Francisco

'Agricultura e cultura no nosso quilombo é a mesma coisa'