Seculo

 

Família reivindica propriedade de terreno de 1,5 milhão de metros quadrados na Serra


25/06/2017 às 18:54
A aposentada Sônia Maria Souza de Almeida e outros 33 herdeiros de sua família reivindicam a propriedade de um terreno de 1,5 milhão de metros quadrados na região de Feu Rosa, na Serra. O local abriga o Boulevard Lagoa, um condomínio de casas de alto padrão. Há 10 anos, a família tenta um acordo com a dona do loteamento, a empresa Jacunem Construções e Empreendimentos. No entanto, sem sucesso. 
 
O servidor público Lourival Lopes Cunha, procurador de Sônia, explica que o terreno foi adquirido pelo bisavô dela, José Ribeiro da Fraga, em 1905, e garante ter documentos comprovando a propriedade do terreno e, ainda, que ele nunca vendeu a área ou fração da mesma. Isso leva a família de Sônia a crer que eles foram vítimas de um caso de grilagem de terras na região. 
 
Entre os documentos apresentados por Lourival, estão um expedido pelo Cartório da 1° Zona de Registro Geral de Imóveis e Registro Torrens, de Vitória, certificando que o terreno foi adquirido por josé Ribeiro da Fraga em outubro de 1905. Outro documento, expedido pelo Cartório do 1° Ofício da 1º Zona da Serra, certifica que não consta venda ou transmissão do terreno pelo espólio de José Ribeiro da Fraga nos livros de transcrições das transmissões e registro geral do cartório.
 
Segundo Lourival, a Jacunem Construções e Empreendimentos adquiriu o terreno no final dos anos 80 por intermédio de seu proprietário, Gilson Pacheco da Costa. Morador de Vila Velha, Gilson é irmão de Geraldo Pacheco da Costa, já falecido, que foi secretário de Obras de João Batista Motta na Prefeitura da Serra (1983-1989). A família desconfia que haja sobreposição de matrículas no caso.
 
“É um caso que só nos trouxe prejuízo, mas não quereremos briga com ninguém”, diz Sônia, que mora em Jacaraípe. A maioria dos herdeiros, netos e bisnetos de José Ribeiro da Fraga mora no bairro. Os demais moram em Maruípe, Vitória.  “O que se pretende é um acordo para não sacrificar os adquirentes de boa-fé”, explica Lourival, referindo-se a compradores de terreno no Boulevard Lagoa. “Do contrário, vamos propor uma ação para discutirmos uma sobreposição de matrículas”, completa.
 
A reportagem entrou em contato com Gilson Pacheco da Costa, que preferiu não se pronunciar.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook/Eliana
Território político

Inferno astral do prefeito de Linhares, Guerino Zanon, deixa o campo aberto para a deputada estadual Eliana Dadalto

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Território político

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

TJES adia pela quinta vez processo de Dr. Hércules sobre dívida de campanha

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas