Seculo

 

Discurso e prática


05/07/2017 às 12:45
O pacote de bondade do governador Paulo Hartung (PMDB) inclui a aprovação do Fundo de Redução das Desigualdades Regionais. A fórmula não é nova, muito pelo contrário, tem se tornado uma prática comum na relação do governo do Estado com os municípios. O que chama atenção nesse debate é o fato de que essa estratégia vai contra tudo aquilo que o governador vem defendo em relação à saúde da máquina pública.
 
Ao assumir o governo, Hartung pregou uma quebradeira do governo o que subsidiou uma política de cortes e enxugamento. Nacionalmente, Hartung estufou o peito para criticar a proposta de renegociação das dívidas dos Estados. Dizia que o Espírito Santo era um exemplo a ser seguido e que era preciso fazer o dever de casa.
 
Procurado pelos prefeitos Hartung indicou a mesma fórmula, para que os municípios pudessem fazer os cortes necessários e investir nas parcerias público-privadas para baratear os custos e desenvolver os projetos. Com a eleição e a posse dos novos prefeitos, o discurso se manteve. Os novos gestores foram orientados a buscar suas próprias ferramentas para equilibrar as contas.
 
O discurso de austeridade de Hartung, porém, não cola mais. Depois da greve da Polícia Militar em fevereiro deste ano, motivada, em grande parte, pela falta de reajustes da categoria, o papo de cortes não convence como grande estratégia de gestão. A pressão dos prefeitos aumenta e o cenário político do próximo ano também passa a influenciar na discussão.
 
O sucesso eleitoral do governador Paulo Hartung em 2014 foi atribuído ao amplo apoio do interior. Mas essa relação hoje não é mais tão favorável ao peemedebista, justamente por falta de movimentações palacianas no interior na primeira parte do governo. Paralelamente, a senadora Rose de Freitas (PMDB) tem nadado de braçada com a injeção de recursos nas prefeituras, atraindo emendas com o governo federal.
 
Desde a crise do início do ano, Hartung tem retomado seu caminho para o interior do Estado para recuperar esse espaço. Dentro desse projeto, vem o Fundo de Redução da Desigualdade, que garante o apoio dos municípios no processo do próximo ano.
 
Mas o governador parece se preocupar com o discurso, na medida em que põe o secretário-chefe da Casa Civil, José Carlos da Fonseca Júnior, vem tentando amenizar a movimentação. Mas o que aparece na foto é a situação de ajuda do governo aos municípios, o que revela que o “exemplo do Espírito Santo” não é uma fórmula real, nem mesmo para dentro de casa, ainda mais para o País.
 
Fragmentos:
 
1 – Na reunião do governador Paulo Hartung (PMDB) com o prefeito de Muqui, Renato Prúcoli (PTB) fica evidente um grande problema do desenvolvimento do Espírito Santo. Tanto se aperta nos cortes de recursos e enxugamento de máquinas, mas não se discute um desenvolvimento do Estado para além do litoral. É inadmissível que um governo chegando ao seu terceiro ano, sendo que antes disso já havia passado oito anos à frente do Estado, ainda fale em fazer um levantamento para descobrir as potencialidades de um dos seus municípios.
 
2 – O PSB teve uma derrota dupla no município de Muqui. Primeiro, venceu, mas não levou com a impugnação da candidatura de Frei Paulão. E Agora, na eleição extemporânea, com a derrota do vereador Cacalo, apoiado pelo partido. Para Renato Casagrande, as derrotas regionais podem ter efeito cumulativo no próximo ano.  
 
3 – O deputado Freitas (PSB) não poupou elogios ao líder do governo Rodrigo Coelho (PDT) na sessão desta quarta-feira na Assembleia. Disse que se o pedetista estivesse no cargo desde o início do atual governo, muitos problemas de relacionamento no plenário teriam sido evitados. Parece que os problemas de diálogo de Coelho com os colegas, quando teria tentado disputar a eleição da Mesa Diretora, foram totalmente superados.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Atlas da Violência: Serra e São Mateus registraram o maior índice de homicídios

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

Governo escolhe local para base da PM sem consultar moradores da Piedade

Moradores impedem devastação ainda maior da Aracruz Celulose (Fibria) em Lagoa de Coqueiral

A raposa cuidando do galinheiro