Seculo

 

Discurso e prática


05/07/2017 às 12:45
O pacote de bondade do governador Paulo Hartung (PMDB) inclui a aprovação do Fundo de Redução das Desigualdades Regionais. A fórmula não é nova, muito pelo contrário, tem se tornado uma prática comum na relação do governo do Estado com os municípios. O que chama atenção nesse debate é o fato de que essa estratégia vai contra tudo aquilo que o governador vem defendo em relação à saúde da máquina pública.
 
Ao assumir o governo, Hartung pregou uma quebradeira do governo o que subsidiou uma política de cortes e enxugamento. Nacionalmente, Hartung estufou o peito para criticar a proposta de renegociação das dívidas dos Estados. Dizia que o Espírito Santo era um exemplo a ser seguido e que era preciso fazer o dever de casa.
 
Procurado pelos prefeitos Hartung indicou a mesma fórmula, para que os municípios pudessem fazer os cortes necessários e investir nas parcerias público-privadas para baratear os custos e desenvolver os projetos. Com a eleição e a posse dos novos prefeitos, o discurso se manteve. Os novos gestores foram orientados a buscar suas próprias ferramentas para equilibrar as contas.
 
O discurso de austeridade de Hartung, porém, não cola mais. Depois da greve da Polícia Militar em fevereiro deste ano, motivada, em grande parte, pela falta de reajustes da categoria, o papo de cortes não convence como grande estratégia de gestão. A pressão dos prefeitos aumenta e o cenário político do próximo ano também passa a influenciar na discussão.
 
O sucesso eleitoral do governador Paulo Hartung em 2014 foi atribuído ao amplo apoio do interior. Mas essa relação hoje não é mais tão favorável ao peemedebista, justamente por falta de movimentações palacianas no interior na primeira parte do governo. Paralelamente, a senadora Rose de Freitas (PMDB) tem nadado de braçada com a injeção de recursos nas prefeituras, atraindo emendas com o governo federal.
 
Desde a crise do início do ano, Hartung tem retomado seu caminho para o interior do Estado para recuperar esse espaço. Dentro desse projeto, vem o Fundo de Redução da Desigualdade, que garante o apoio dos municípios no processo do próximo ano.
 
Mas o governador parece se preocupar com o discurso, na medida em que põe o secretário-chefe da Casa Civil, José Carlos da Fonseca Júnior, vem tentando amenizar a movimentação. Mas o que aparece na foto é a situação de ajuda do governo aos municípios, o que revela que o “exemplo do Espírito Santo” não é uma fórmula real, nem mesmo para dentro de casa, ainda mais para o País.
 
Fragmentos:
 
1 – Na reunião do governador Paulo Hartung (PMDB) com o prefeito de Muqui, Renato Prúcoli (PTB) fica evidente um grande problema do desenvolvimento do Espírito Santo. Tanto se aperta nos cortes de recursos e enxugamento de máquinas, mas não se discute um desenvolvimento do Estado para além do litoral. É inadmissível que um governo chegando ao seu terceiro ano, sendo que antes disso já havia passado oito anos à frente do Estado, ainda fale em fazer um levantamento para descobrir as potencialidades de um dos seus municípios.
 
2 – O PSB teve uma derrota dupla no município de Muqui. Primeiro, venceu, mas não levou com a impugnação da candidatura de Frei Paulão. E Agora, na eleição extemporânea, com a derrota do vereador Cacalo, apoiado pelo partido. Para Renato Casagrande, as derrotas regionais podem ter efeito cumulativo no próximo ano.  
 
3 – O deputado Freitas (PSB) não poupou elogios ao líder do governo Rodrigo Coelho (PDT) na sessão desta quarta-feira na Assembleia. Disse que se o pedetista estivesse no cargo desde o início do atual governo, muitos problemas de relacionamento no plenário teriam sido evitados. Parece que os problemas de diálogo de Coelho com os colegas, quando teria tentado disputar a eleição da Mesa Diretora, foram totalmente superados.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado