Seculo

 

Ponto de partida


11/07/2017 às 10:14
A atual diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do Estado encerra seu mandato em novembro próximo, por isso, está em fase de preparação para a eleição. O sindicato não é o único, outras entidades devem passar pelo processo neste ano e no ano que vem. Para todas elas, vale o mesmo alerta: é hora de mudar as coisas, do jeito que estão não pode ficar.
 
A coluna já alertou em várias ocasiões sobre a necessidade de as entidades sindicais, deixarem a luta pela manutenção do poder de lado e se concentrarem no grande risco que o capital vem impondo às conquistas trabalhistas. Em um momento tão crítico como o que é vivido hoje no País, essa necessidade se torna ainda mais urgente.
 
A coluna espera que esse sentimento esteja nas movimentações dos metalúrgicos para a sua eleição. Que não se repita o processo passado, todo transcorrido em 15 dias e com resultados altamente questionáveis.  E espera que o processo não se corrompa e acabe na justiça.
 
Essa prática tem se tornado comum nas eleições sindicais, como acontece com comerciários, construção civil e outros, que acabam deixando tudo nas mãos da Justiça que, por sua vez, tem tomado cada vez mais decisões desfavoráveis a todos os lados envolvidos.
 
Apenas a democratização do processo, com a participação ampla dos trabalhadores pode garantir eleições que fortaleçam o movimento sindical e a classe trabalhadora como um todo. Também é necessária a tomada de consciência de que o exercício da eleição sindical deve preparar o trabalhador para o processo eleitoral do próximo ano, tão fundamental para a democracia brasileira, hoje seriamente ameaçada pela influencia do capital.
 
Nunca é demais relembrar, que apenas o fim do imposto sindical vai conseguir fazer com que o movimento retorne ao seu ponto de partida, a busca de agregação dos trabalhadores em torno dos ideais de melhoria de vida da população, da defesa do trabalho e das garantias de vida digna para o trabalhador.
 
É hora de mudar e o movimento sindical tem as ferramentas para essa mudança, mas se continuar olhando apenas para o próprio umbigo, se perdendo em brigas internas pela manutenção do poder, estará tudo perdido.
 
A hora é agora!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba