Seculo

 

Violência policial marca reintegração de posse em Conceição da Barra


11/07/2017 às 16:34
“Reunir os pedaços de dignidade e esperança para construir, de forma coletiva, outras alternativas de luta”. Esse é o horizonte das cerca de 200 famílias despejadas na manhã desta terça-feira (11) do Acampamento Fidel Castro, em Braço do Rio, Conceição da Barra (norte do Estado), na definição de Adelso Rocha Lima, da coordenação estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). “Apesar da destruição das lavouras e barracas, mantém-se intacta a força para seguir na luta”, afirma.
 
Localizado na Fazenda Itaúnas, o acampamento teve sua ação de reintegração de posse cumprida em favor da Agropecuária Aliança S/A (Apal), ex-produtora de cana no distrito do município, que tem a maior concentração de terras do Estado.

“A ação da polícia foi de um nível desproporcional, uma violência absurda”, lamenta. “Helicóptero, cavalaria, muitos policiais ... para resolver um problema social e não de polícia. E que não foi resolvido, só agravado”, critica, narrando os voos rasantes da aeronave por cima das famílias, “uma violência física e psicológica” desnecessária.
 
As famílias se instalaram provisoriamente no pátio da escola do Assentamento Pontal do Jundiá, no mesmo distrito. Foi a primeira escola de ensino fundamental e a primeira escola a praticar a Pedagogia da Alternância em um assentamento capixaba, informa Adelso. “É um refúgio, um acolhimento temporário”, diz. Um acolhimento para sarar as feridas de um ato estatal truculento e injustificável. 

A noite anterior ao despejo, conta Adelso, foi de muita chuva. As pessoas juntavam seus poucos pertences, que eram em parte molhados. A chuva também molhava a lavoura, o que seria uma alegria dias antes, mas os cinquenta hectares de plantações, “de uma variedade enorme de alimentos”, foram totalmente destruídos pelos tratores. “Conseguimos recolher um pouco da produção, para o nosso almoço e janta de hoje”, conta.

Significativo foi ver explícitas as alianças, os apoiadores do Movimento, que nunca se negam a estar ao lado das famílias acampadas que reivindicam o direito constitucional pela Reforma Agrária, como aponta o líder do MST. Lideranças religiosas e políticas e Defensoria Pública “intermediaram junto à Polícia para evitar uma violência ainda maior, fora de controle”, conta, agradecido, o coordenador do MST.

Existem hoje no Espírito Santo mais de mil famílias acampadas, à espera de assentamento. A demanda pela Reforma Agrária no Estado, no entanto, é muito maior, segundo as lideranças do MST. A próxima reintegração de posse está marcada para o dia 18, no Acampamento Ondina Dias, em Nova Venécia. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Por trás das cortinas

Hartung não ataca mais Casagrande como antes. E vice-versa

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
JR Mignone
Rádio Carnaval
'Taí' um dos poucos eventos em que o rádio perde feio para a televisão
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Luiz Paulo disputará cadeira na Câmara dos Deputados pelo PPS

Sesc Glória abre inscrições para propostas de apresentações

Manobras perigosas

Hospital Bezerra de Farias suspende atendimento por falta de médicos

Banalização