Seculo

 

Climão


12/07/2017 às 10:59
Os prefeitos de 58 dos 67 municípios que serão beneficiados pela flexibilização do uso dos royalties do petróleo para aplicação em custeio compareceram à votação do projeto na Assembleia Legislativa, na tarde desta terça-feira (11), desfazendo o mal-estar causado pelo “bolo” da semana passada, quando apenas oito compareceram. Mas até aí dizer que saíram de Vitória felizes com a sessão, já não são outros quinhentos. Os prefeitos não se sentiram confortáveis na reunião na Assembleia.
 
A Mesa Diretora exigiu a presença dos prefeitos afirmando que queria um compromisso com a aplicação do recurso, que se traduziu em uma emenda para que os gastos sejam divulgados no site da Assembleia e os prefeitos ficaram sem entender qual a necessidade da presença dos prefeitos para a aprovação da matéria. O único prefeito a falar foi o de Linhares, Guerino Zanon (PMDB), presidente da Associação dos Municípios do Estado (Amunes).
 
A impressão de alguns prefeitos foi de que a Casa queria um “beija-mão”. É verdade que a exigência da Mesa mexe com a ideia de que a Assembleia é cartorial, aprovando o que vem do Palácio Anchieta sem debate. Mas faltou o debate. O que aconteceu com o pedido de entidades sociais para debaterem o projeto?
 
Chamou atenção a fala do líder do governo, Rodrigo Coelho (PSD), que no meio das discussões dos deputados Enivaldo dos Anjos (PSD) e Sérgio Majeski (PSDB), sobre o viés político do evento, foi ao microfone para dizer que o governo não teve relação alguma com o convite. Mas a presença do chefe da Casa Civil, José Carlos da Fonseca Júnior, presente na sessão desta terça e da quarta-feira passada, quando os deputados tomaram “bolo” dos prefeitos, mostra que o governo estava envolvido, sim, nessa ação.
 
Aliás, o erro começou no Executivo, como o tom dado pelo governador ao assinar o projeto a ser enviado à Assembleia. A impressão ali era de que a forma não necessitava de qualquer acordo, qualquer contrapartida, qualquer discussão. O clima ficou ruim para o governo, que fez oba-oba com a prefeitada e para a Assembleia, que quis medir força com o governo e deixou os prefeitos em meio a um clima beligerante.
 
Fragmentos
 
1 – Quem acabou se saindo bem no debate foi o deputado Sergio Majeski (PSDB), que questionou a presença dos prefeitos na sessão. Ele votou contra o projeto, o que não foi bem visto pelos gestores, mas no fim das contas reverberou o que todos os prefeitos pensavam naquele momento.
 
2 – Hartung segue entregando viaturas Estado afora, enquanto manda projeto que prejudica a Polícia Militar. Será que os equipamentos vão funcionar sozinhos?
 
3 – Às vésperas do recesso parlamentar chega uma enxurrada de projetos a serem votados a toque de caixa. Coloca novamente os deputados em situações bem delicadas.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Fazendo escola

Temer em Brasília, Hartung e Luciano Rezende no Espírito Santo: retaliações a quem anda “fora da linha” nunca estiveram tão na moda como agora

OPINIÃO
Editorial
Em causa própria
Promotor Marcelo Zenkner usa cargo público para promover projeto pessoal
Piero Ruschi
Festa de fachada
Comemoração da Sambio evidencia que o Museu Mello Leitão segue precisando de verdadeiros amigos
Renata Oliveira
Pela emoção
Magno Malta sempre tem uma carta na manga para a disputa eleitoral. Mas desta vez o cenário é diferente
JR Mignone
O repórter e a polícia
A vítima não foi repórter, foi a professora
Caetano Roque
Inversão de papéis
O movimento sindical foi dar uma de direita e agora perdeu o caminho da rua
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

O cinismo explícito e a esperança de fora Temer renovada
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

O tempo entre as vírgulas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Família busca indenização por morte de jovem em unidade prisional

Grupo de Luciano tenta sufocar oposição com corte de cargos

PP classifica como 'desproporcional' críticas de vereador contra Hartung

Hartung e Casagrande seguem disputando espaço no interior

Fazendo escola