Seculo

 

Festa de fachada


12/07/2017 às 14:40
No dia 10 de junho deste ano, aconteceu uma celebração bastante peculiar no Instituto Nacional da Mata Atlântica - instituição que se apropriou de todo patrimônio do Museu Mello Leitão, em Santa Teresa, ES. Na data, por incrível que pareça, foi comemorado o aniversário de 30 anos da Sambio, a Sociedade de Amigos do Museu de Biologia Mello Leitão.
 
Uma comemoração estranha! Celebrar o aniversário de uma Sociedade que tem descumprido seus deveres estatutários e desrespeitado seus sócios e ainda disseminado informações falsas e enganado a sociedade em pedido por apoio a atos de desrespeito à história da pesquisa e conservação da Mata Atlântica e dos cidadãos capixabas e teresenses? E poucos dias depois (26 de junho), passar em branco o aniversário da própria instituição teoricamente defendida pela Sociedade em questão? Como se a Sociedade fosse mais importante que o Museu a ser defendido por ela? 
 
Sim, exatamente. A Sambio foi utilizada para destruir o Museu Mello Leitão. E a festa de seu 30o aniversário foi de fachada! 
 
Nela não se comemorou orgulho pelo Museu, pois não houve empenho para salvá-lo, nem sequer o seu nome, o qual foi abandonado de uso por diretor e pesquisadores anos antes da própria destruição do Museu em prol do Instituto recém-criado.
 
Não se comemorou a amizade com o Museu, pois não se deixa um amigo na mão em momentos de dificuldade, muito menos se ajuda terceiros a tomar-lhe os bens. 
 
Não se comemorou a ética ou a responsabilidade da Sociedade, pois seu estatuto sequer foi seguido para defender o Museu. 
 
Não se comemorou a transparência, pois esse assunto tem sido omitido mesmo sob questionamento de sócios. 
 
Não foi festa para quem defende verdadeiramente a obra de A. Ruschi. Eu mesmo não fui convidado, o que em primeiro momento me causou estranheza, já que estou acostumado a receber e-mails da Sambio e do Movimento em defesa do INMA com informações falsas a respeito do verdadeiro desmanche do Museu Mello Leitão.
 
Mas tenho certeza que dessa vez a minha exclusão não foi pessoal. Diversos outros sócios não receberam convites. Inclusive a minha própria mãe, Marilande Angeli – sócio-fundadora da Sambio, que ainda hoje, mesmo aposentada, frequenta o setor de RH do Instituto para auxiliar com a documentação de seus antigos colegas de trabalho. Essa foi a primeira vez na história que ela não participou e não organizou a comemoração do aniversário da Sambio. 
 
A essa altura o leitor deve se perguntar: qual foi a coerência dessa festa de fachada?
 
Bem, dentre os presentes destacavam-se três pessoas que não compareceram aos eventos de comemoração dos 100 anos de Augusto Ruschi: Sérgio Lucena Mendes (coordenador do MoveINMA), Arlindo Serpa Filha (presidente da Sambio) e Helio de Queiroz B. Fernandes (ex-diretor do Museu e atual diretor do INMA). 
 
Exatamente os principais representantes que mais disseminaram a falsa informação de que A. Ruschi teria criado o Instituto Nacional da Mata Atlântica. Todavia, essa lorota já começa a ser desmentida pelos próprios mentirosos. A Sambio, por exemplo, passou a afirmar em seu site que o Instituto Nacional da Mata Atlântica foi criado em 2014.
 
Essa comemoração evidencia que a Sambio vem sendo utilizada, na verdade, como amiga do INMA, apenas. Só falta agora criarem uma associação chamada Sociedade de Amigos do INMA, e essa se apropriar do patrimônio, direitos e obrigações da Sambio. “Déjà vu“!
 
O Museu Mello Leitão segue precisando de verdadeiros amigos.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Gustavo Bastos
Minha luta com o sol - Pentagrama - Parte I
''vi o sol inca ficar vermelho''
Wilson Márcio Depes
A Frente Ampla começou em Cachoeiro?
Município do sul do Estado mantém a falta de entressafra política
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Roberto Junquilho
Gestão de marca
Manter elos com redutos eleitorais faz a cabeça da classe política
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Especialista critica projeto Escola Sem Partido proposto por vereador de Vitória

TSE define quanto cada partido receberá do Fundo Eleitoral

Pesquisa de R$ 2 milhões financiada pela ArcelorMittal é aprovada em regime de urgência pela Ufes

Procons fiscalizam aumentos nos preços dos combustíveis em postos de Vitória e Serra

Trabalhadores e empresários da Construção Civil dão trégua de um mês para negociações