Seculo

 

Regenera Rio Doce inicia programação em Regência


12/07/2017 às 17:23
O foco é inusitado: promover o afeto como forma de regenerar emocionalmente os indivíduos, de restaurar – cultural e socialmente – suas comunidades e integrar a luta de todos os atingidos, com auxílio de pessoas e coletivos de várias regiões do país, sensibilizados com o drama do Rio Doce.

O Festival Regenera Rio Doce reunirá, de 14 a 30 de julho, em Regência, Linhares (norte do Estado), atingidos pelo crime da Samarco/Vale-BHP vindos de diversos pontos da Bacia Hidrográfica, além de coletivos de Permacultura, Artes e Comunicação de outros estados, em uma programação diversificada.

“É um evento colaborativo, feito a muitas mãos. Na verdade, é um laboratório, de experiências que estamos vivendo no dia a dia. Um espaço de diálogo para possibilitar as contribuições de muitos atores, sejam atingidos ou de outros coletivos”, explica o sociólogo Hauley Valim, surfista e atingido em Regência, e membro da Aliança Rio Doce, coletivo responsável pela organização do Festival.

A dimensão afetiva é inusitada, sim. Ao longo de quase dois anos transcorridos do maior crime socioambiental do país, a indisposição do Estado e da empresa de atender às necessidades econômicas e sanitárias básicas dos atingidos impressiona e submete comunidades inteiras a uma situação humilhante de desestruturação social.

Diante da fome, dos despejos, do desemprego, das doenças, do consumo excessivo de álcool e drogas, da violência ... soa quase supérfluo. Mas é fundamental e combate exatamente a principal estratégia utilizada pelas grandes empresas ao longo da história, que é desestruturar emocional e psicologicamente as pessoas atingidas por seus crimes socioambientais, para enfraquecer sua capacidade de luta pelos direitos.

Afeto é fundamental

“’Dividir para conquistar’. Já conhecem esse termo? É uma estratégia de guerra que todas as grandes empresas usam. Foi assim com a Manabi e está sendo assim com a Samarco. Isso é o comum: querer dividir as pessoas. Se vocês não cuidarem disso, elas vão passar por cima de vocês. Tem que estar unidos e usar suas associações como veículos de luta”, bem afirmou o procurador da República em Linhares, Paulo Henrique Camargos Trazzi, em palestra com os atingidos em Linhares em dezembro passado.

“Afeto é fundamental, é ele que impulsiona os outros processos. O afeto estabelece vínculos entre os indivíduos e indivíduos com vínculos constituem comunidades e coletivos e, assim, conseguem transformar as coisas em outra medida”, discursa o sociólogo Hauley Valim. “Conforme a gente vai se curando, vai se fortalecendo e amplia a capacidade de regeneração”, complementa.
 
A abertura do evento acontece na próxima sexta-feira (14), com o II Encontro de Cultura Ancestral de Areal, reunindo representantes dos povos indígenas Krenak (Resplendor/MG), Botocudos (Areal-Linhares/ES) e Tupiniquim e Guarani (Aracruz/ES), além dos quilombolas (Degredo-Linhares/ES) e dos catadores de caranguejo (Campo Grande-São Mateus/ES).

“Vamos pensar juntos como a tradição e a ancestralidade podem ajudar a encontrar soluções e fortalecer os laços comunitários”, antecipa Hauley Valim.

Nos dias que se seguirão, até o final de julho, muitas oficinas, vivências, práticas, apresentações e ações diversas serão realizadas, com base nos nove eixos temáticos propostos: Ancestralidade; Arte, Cultura e Celebração; Comunicação e mídias livres; Direitos humanos, mulheres e luta política; Educação e ludicidade; Inovação, pesquisa e solução; Permacultura e agroecologia; Saúde, alimentação e corpo; Tecnologias sociais, cooperativas e econômicas.

Entre os participantes confirmados, estão o jornal A Sirene – mídia especializada produzida pelos atingidos em Minas Gerais –, a Comissão dos Atingidos, pesquisadores independentes de universidades capixabas, paulistas e cariocas, permacultores, artistas, agroecologistas, movimentos sociais ...  “Não é evento grande, mas está ancorado numa diversidade”, ressalta Hauley.

Doações

O Festival ainda está recebendo doações, por meio de financiamento colaborativo, até o dia 24. “Conforme avança em captação, ampliamos a participação dos atingidos”, convoca.

Para contribuir financeiramente com o Festival, o endereço é: http://juntos.com.vc/pt/regenerariodoce

Para acessar a programação e outros detalhes do evento, acesse: http://www.regenerariodoce.org/

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Fazendo escola

Temer em Brasília, Hartung e Luciano Rezende no Espírito Santo: retaliações a quem anda “fora da linha” nunca estiveram tão na moda como agora

OPINIÃO
Editorial
Em causa própria
Promotor Marcelo Zenkner usa cargo público para promover projeto pessoal
Piero Ruschi
Festa de fachada
Comemoração da Sambio evidencia que o Museu Mello Leitão segue precisando de verdadeiros amigos
Renata Oliveira
Pela emoção
Magno Malta sempre tem uma carta na manga para a disputa eleitoral. Mas desta vez o cenário é diferente
JR Mignone
O repórter e a polícia
A vítima não foi repórter, foi a professora
Caetano Roque
Inversão de papéis
O movimento sindical foi dar uma de direita e agora perdeu o caminho da rua
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

O cinismo explícito e a esperança de fora Temer renovada
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

O tempo entre as vírgulas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Família busca indenização por morte de jovem em unidade prisional

Grupo de Luciano tenta sufocar oposição com corte de cargos

PP classifica como 'desproporcional' críticas de vereador contra Hartung

Hartung e Casagrande seguem disputando espaço no interior

Fazendo escola