Seculo

 

Thiago Balbino reflete sobre o período de adaptação na Alemanha


12/07/2017 às 17:57
Radicado desde 2015 na Alemanha, o artista plástico Thiago Balbino, natural de Conceição da Barra (norte do Estado), atua em projetos para a comunidade na cidade de Colônia. No Espírito Santo, Balbino fez os icônicos painéis que foram expostos em 2016 pelas ruas de Conceição da Barra homenageando a cultura popular e quilombola do município a partir de pinturas que dialogam diretamente com o folclore local, com o Ticumbi e com toda a atmosfera.
 
Thiago Balbino é neto do mestre de Ticumbi Tertolino Balbino, o mestre Terto, que foi homenageado nos painéis e é guardião da tradição que rege o ticumbi desde 1950.
 
Morando na Alemanha desde 2015, Thiago passa por todas as etapas de adaptação a uma nova cultura e, por isso, vê que a forma de atuar também tenta se encaixar nesta nova realidade de cidadão do mundo. A escolha da cidade de Colônia para viver se deve ao fato de ser uma cidade cosmopolita e que recebe muito bem os estrangeiros.
 
Culturalmente falando é uma cidade efervescente e que sempre tem exposições e eventos artísticos acontecendo durante todo o ano,  com um turbilhão de informações que serve de alimento para a construção artística de Balbino.
 
Atualmente, trabalha como "Honorarkraft", que é a pessoa que presta serviços, no caso dele, artísticos, para instituições sociais. Em 2016, o atista plástico teve a oportunidade de participar de algumas atividades que foram de grande enriquecimento artístico e pessoal, como as oficinas de pintura com os jovens refugiados e em situação de risco social no projeto social Strüverhof.  Nas oficinas, teve a oportunidade de traçar paralelos entre as diferentes realidades existentes no mundo, e mais uma vez afirmar a universalidade da arte enquanto potência de integração social.
 
Ainda em 2016, seguiu trabalhando com pintura em murais, tanto comerciais como em eventos culturais, como o Black Atlantic e o Brasilônia.
 
Já em 2017 tirou um tempo para investir em aprendizado de novas técnicas e ampliar a rede de contatos na cidade, alternando a produção de pinturas em telas, produção de grafites pela cidade, além de articulação cultural.
 
O que mais me surpreende o artista plástico neste novo momento é que ele relata se sentir mais firme em minhas origens de Sapê do Norte. “É como se a distância do Brasil servisse para tornar ainda mais próximo aquele sentimento de pertencimento a um lugar, a uma cultura. Essa é uma das grandes potências da nossa cultura, que transita por diversos mundos, mas sempre retorna, de alguma forma, ao ponto de origem”, lembra Thiago.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Quem dá mais?

Enquanto o mercado político se divide cada vez mais entre o bloco palaciano e o puxado por Casagrande, Audifax segue com acenos para o lado que mais convém

OPINIÃO
Editorial
Castigada seja a hipocrisia!
Ideal, mesmo, seria ver tamanha indignação dos deputados estaduais no debate sobre nudez artística em casos reais de atentado à paciência da sociedade
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
Hora do plano B
Os planos de Hartung e Colnago retornam à estaca zero com a saída de Luiz Paulo do PSDB
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Castigada seja a hipocrisia!

Hora do plano B

Ricardo Ferraço ensaia chapa casada ao Senado com Amaro Neto

Quem dá mais?

Estudantes reagem contra manutenção do reajuste na passagem de ônibus