Seculo

 

Sem plano B, PT pode se unir ao PDT e mexer no tabuleiro do Estado


13/07/2017 às 11:00

Com a decisão do juiz Sérgio Moro, condenando o ex-presidente Lula a nove anos e seis meses de prisão, além de suspender seus direitos políticos por 19 anos, o movimento do PT de disputa à Presidência em 2018 fica ameaçado. A decisão ainda é de primeiro grau, mas as possibilidades devem ser avaliadas dentro do partido. Hoje, as lideranças petistas afirmam que não há um plano B, caso a impossibilidade de Lula disputar seja confirmada, mas o cenário oferece uma alternativa palpável para o grupo.

A candidatura do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) é um caminho pragmático que pode ser encampado pelo PT para garantir seu espaço no tabuleiro político nacional. O cenário nacional deve influir nas disputas locais e, no Espírito Santo, afasta uma composição que parecia até há pouco tempo consolidada para o próximo ano entre o grupo do governador Paulo Hartung (PMDB) e o PDT capixaba.

O peemedebista vinha fazendo movimentos que indicavam a migração de alguns de seus secretários cotados para a disputa do próximo ano para o PDT, sobretudo após a saída do PT do governo, dentro de uma determinação da Nacional após deliberação no encontro estadual do partido, em maio passado. O PDT passou então a ocupar a lacuna do partido mais à esquerda dentro da composição de forças políticas palacianas.

Paralelamente, o governador intensificou seus próprios movimentos em direção ao PSDB. Após a visita de Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados ao Estado – primeiro na linha de sucessão de Michel Temer –, o governador também intensificou suas movimentações com o DEM.

Isto significa que Hartung se aproxima do grupo que deve disputar a presidência contra o alinhamento de esquerda que o PT pretende construir para o próximo ano e do qual o PDT, de Ciro Gomes, sempre foi parceiro. Dentro desta costura, o grupo pode ter de erguer um palanque no Estado para dar sustentação à candidatura presidenciável. Isso tiraria o PDT do palanque de Hartung.

Em 2014, o PDT conseguiu costurar um acordo favorável no Estado com uma composição proporcional com o PT que rendeu três vagas na Câmara dos Deputados, ocupada pelo presidente do PDT no Estado, Sérgio Vidigal e os petistas Helder Salomão e Givaldo Vieira. Na disputa para a Assembleia Legislativa, o PT elegeu três deputados à época: Padre Honório, José Carlos Nunes e Rodrigo Coelho. O PDT reelegeu os deputados Josias Da Vitória e Euclério Sampaio.

Na majoritária, porém, o partido apoiou a eleição de Paulo Hartung, mesmo tendo o PT uma candidatura capitaneada pelo ex-deputado estadual Roberto Carlos, que fez uma disputa pouco competitiva ao governo. Este ano a situação é bem diferente. Um palanque no Estado para dar suporte a Ciro teria que entrar na disputa em um arranjo de partidos que teria de mostrar competitividade na disputa. Nomes para isso, os partidos teriam, como o dos deputados federais Sérgio Vidigal e Helder Salomão, a dificuldade seriam convencer o primeiro e dar as garantiras necessárias ao segundo.

Com o PT fora da presidência e o PSDB também enfraquecido tanto pela participação no governo Temer quanto por denúncias de corrupção como o PT, as forças políticas vão estar em uma disputa muito mais acirrada pela conquista de espaços, o que pode exigir uma verticalização para dar suporte aos palanques nacionais.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Fazendo escola

Temer em Brasília, Hartung e Luciano Rezende no Espírito Santo: retaliações a quem anda “fora da linha” nunca estiveram tão na moda como agora

OPINIÃO
Editorial
Em causa própria
Promotor Marcelo Zenkner usa cargo público para promover projeto pessoal
Piero Ruschi
Festa de fachada
Comemoração da Sambio evidencia que o Museu Mello Leitão segue precisando de verdadeiros amigos
Renata Oliveira
Pela emoção
Magno Malta sempre tem uma carta na manga para a disputa eleitoral. Mas desta vez o cenário é diferente
JR Mignone
O repórter e a polícia
A vítima não foi repórter, foi a professora
Caetano Roque
Inversão de papéis
O movimento sindical foi dar uma de direita e agora perdeu o caminho da rua
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

O cinismo explícito e a esperança de fora Temer renovada
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

O tempo entre as vírgulas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Família busca indenização por morte de jovem em unidade prisional

Grupo de Luciano tenta sufocar oposição com corte de cargos

PP classifica como 'desproporcional' críticas de vereador contra Hartung

Hartung e Casagrande seguem disputando espaço no interior

Fazendo escola