Seculo

 

Pé na estrada


14/07/2017 às 14:25
Nessa quinta-feira (13) o governador Paulo Hartung (PMDB) correu o norte do Estado. Fez entregas em Pedro Canário e participou de um evento em Linhares. Isso tem sido uma rotina na vida do peemedebista, que chega a cumprir cinco agendas no interior. Também começa a se arriscar na Grande Vitória, onde sua imagem estava mais avariada após a crise da Polícia Militar, em fevereiro passado, e onde não teve um desempenho tão bom como esperava na disputa eleitoral de 2014.
 
A impressão dos meios políticos é de que Hartung vem trabalhando em duas frentes para o processo eleitoral do próximo ano. A primeira é de tentar enfraquecer os blocos que possam oferecer algum tipo de resistência no cenário eleitoral e a outra é a de fortalecer sua imagem. O que indica que cada vez mais o governador está dentro do processo eleitoral do próximo ano.
 
Hartung até janeiro deste ano tentava inflar sua imagem para fora do Estado, emplacando matérias nacionais em que era colocado como o grande gestor de crises econômicas. Chegou a ser cotado como um possível candidato à presidência ou para compor chapa como vice. Mas parece ter abortado de vez o projeto nacional e estar cada próximo de disputar a reeleição ao governo do Estado.
 
Nem mesmo o Senado parece ser um caminho confortável para o governador, seja porque não conseguiria chegar a Brasília como um nome do alto clero, seja porque não consegue tirar do caminho a candidatura do senador Ricardo Ferraço (PSDB) à reeleição. Entrar em um processo de disputa com Ferraço e Magno Malta (PR), que já não se afinam com o Palácio Anchieta, seria desgastante e incerto para Hartung.
 
Com a mudança de planos, Hartung ficou com um tempo apertado para tentar recuperar sua imagem. Ele assumiu com uma tesoura afiada na mão, que cortou recursos dos municípios e dos serviços prestados pelo Estado, sobretudo os sociais, o que de forma direta ou indireta atingiu o eleitor. Agora o governador trabalha incessantemente para garantir entregas e se esforça para melhorar sua imagem com a população.
 
O processo eleitoral do próximo ano será totalmente imprevisível, por isso Hartung tenta se cercar de todas as possibilidades para se tornar a única alternativa viável ou correrá riscos. Mas também entende que não só de jogadas antecipadas viverá a eleição de 2018, será preciso conquistar o eleitor arredio à classe política e convencê-lo, mais uma vez, a abraçá-lo.
 
Fragmentos:
 
1 – O deputado Sergio Majeski (PSDB) foi tema de calorosa discussão em um grupo conversas. O motivo: o tamanho dos textos do deputado. Pelo jeito o parlamentar vem incomodando mesmo os aliados palacianos. Ele, plácido, deixou o pau quebrar.
 
2 – O prefeito de Colatina, no noroeste do Estado, Sergio Meneguelli, esteve em Brasília nessa quinta-feira (13) e contou com a ajuda do deputado federal, Lelo Coimbra, ambos do PMDB, para se reunir com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, para pedir um aparelho de radioterapia para o município.
 
3 – O recesso parlamentar da Assembleia Legislativa começa na próxima terça-feira (18) e vai até 31 de julho, período em que os setores da Casa funcionarão em horário especial, das 11 às 19 horas, conforme o Ato 467 de março de 2017. Por decisão da Mesa Diretora, a última reunião ordinária do primeiro semestre, nesta segunda-feira (17), será mais cedo, às 9 horas.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Equilibrista

Reestruturação de Luciano Rezende joga luz, mais uma vez, na delimitação de espaços de aliados da linha de frente, Gandini e Sérgio de Sá

OPINIÃO
Editorial
Morta-viva
Enfim, cumpre-se o destino óbvio no País das relações promíscuas: a Samarco/Vale-BHP tem as primeiras licenças ambientais para voltar a operar
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Roberto Junquilho
A política e os poker face
Transferência de atribuições de César Colnago deixa o terreno limpo para movimentações de 2018
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Destino e acaso

A política e os poker face

Deputados querem explicações do secretário de Meio Ambiente sobre licenças à ETE da Vale

Equilibrista

Governo reduz atribuições de Colnago e cria sistema de políticas sobre drogas