Seculo

 

Pé na estrada


14/07/2017 às 14:25
Nessa quinta-feira (13) o governador Paulo Hartung (PMDB) correu o norte do Estado. Fez entregas em Pedro Canário e participou de um evento em Linhares. Isso tem sido uma rotina na vida do peemedebista, que chega a cumprir cinco agendas no interior. Também começa a se arriscar na Grande Vitória, onde sua imagem estava mais avariada após a crise da Polícia Militar, em fevereiro passado, e onde não teve um desempenho tão bom como esperava na disputa eleitoral de 2014.
 
A impressão dos meios políticos é de que Hartung vem trabalhando em duas frentes para o processo eleitoral do próximo ano. A primeira é de tentar enfraquecer os blocos que possam oferecer algum tipo de resistência no cenário eleitoral e a outra é a de fortalecer sua imagem. O que indica que cada vez mais o governador está dentro do processo eleitoral do próximo ano.
 
Hartung até janeiro deste ano tentava inflar sua imagem para fora do Estado, emplacando matérias nacionais em que era colocado como o grande gestor de crises econômicas. Chegou a ser cotado como um possível candidato à presidência ou para compor chapa como vice. Mas parece ter abortado de vez o projeto nacional e estar cada próximo de disputar a reeleição ao governo do Estado.
 
Nem mesmo o Senado parece ser um caminho confortável para o governador, seja porque não conseguiria chegar a Brasília como um nome do alto clero, seja porque não consegue tirar do caminho a candidatura do senador Ricardo Ferraço (PSDB) à reeleição. Entrar em um processo de disputa com Ferraço e Magno Malta (PR), que já não se afinam com o Palácio Anchieta, seria desgastante e incerto para Hartung.
 
Com a mudança de planos, Hartung ficou com um tempo apertado para tentar recuperar sua imagem. Ele assumiu com uma tesoura afiada na mão, que cortou recursos dos municípios e dos serviços prestados pelo Estado, sobretudo os sociais, o que de forma direta ou indireta atingiu o eleitor. Agora o governador trabalha incessantemente para garantir entregas e se esforça para melhorar sua imagem com a população.
 
O processo eleitoral do próximo ano será totalmente imprevisível, por isso Hartung tenta se cercar de todas as possibilidades para se tornar a única alternativa viável ou correrá riscos. Mas também entende que não só de jogadas antecipadas viverá a eleição de 2018, será preciso conquistar o eleitor arredio à classe política e convencê-lo, mais uma vez, a abraçá-lo.
 
Fragmentos:
 
1 – O deputado Sergio Majeski (PSDB) foi tema de calorosa discussão em um grupo conversas. O motivo: o tamanho dos textos do deputado. Pelo jeito o parlamentar vem incomodando mesmo os aliados palacianos. Ele, plácido, deixou o pau quebrar.
 
2 – O prefeito de Colatina, no noroeste do Estado, Sergio Meneguelli, esteve em Brasília nessa quinta-feira (13) e contou com a ajuda do deputado federal, Lelo Coimbra, ambos do PMDB, para se reunir com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, para pedir um aparelho de radioterapia para o município.
 
3 – O recesso parlamentar da Assembleia Legislativa começa na próxima terça-feira (18) e vai até 31 de julho, período em que os setores da Casa funcionarão em horário especial, das 11 às 19 horas, conforme o Ato 467 de março de 2017. Por decisão da Mesa Diretora, a última reunião ordinária do primeiro semestre, nesta segunda-feira (17), será mais cedo, às 9 horas.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Blindagem coletiva

STF mantém interrupção de pagamento de gratificação a procuradores de Justiça no ES

Que novo é esse?

Professores encerram greve, mas movimento reivindicatório continua em Vitória

MAB: 'Falta organização e profissionalismo na Fundação Renova'