Seculo

 

Em mais um ato do Julho de Luta, servidores denunciam descaso do governo em frente ao TJES


14/07/2017 às 18:07
Na tarde desta sexta-feira (14) os servidores públicos estaduais de sindicatos e associações reunidos pelo Fórum das Entidades dos Servidores Públicos do Estado (Fespes) fizeram mais um ato público do Julho de Luta, uma série de manifestações que denunciam as condições precárias do funcionalismo e a falta de revisão geral anual, auxílio-alimentação e reajuste.

O protesto desta sexta-feira, denominado “Arraiá da Injustiça” aconteceu em frente ao Tribunal de Justiça do Estado (TJES). Além das denúncias, houve apresentação de atrações culturais.

No ato, os servidores da saúde também denunciaram o sucateamento de hospitais que ainda estão sob a gestão da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) e foi denunciado ao Tribunal sem que nenhuma medida fosse tomada.

A ação denunciava a falta de geradores em hospitais e nenhuma ação foi tomada para repor os aparelhos e, em consequência, quatro pacientes morreram em unidades diante de quedas de energia.

No Hospital Estadual Antônio Bezerra de Farias, em Vila Velha, por exemplo, a superlotação coloca em risco os pacientes que necessitam de aparelhos de respiração artificial, visto que a sala de emergência está frequentemente superlotada e a rede de oxigênio fica sobrecarregada e caindo.

No fim do mês de junho, foi anunciado que o governo não concederia a revisão anual dos vencimentos pelo terceiro ano consecutivo.

Desta vez, a alegação para a não concessão da revisão – que é estabelecida pela Constituição Federal – foi o fechamento da Samarco e uma ligeira nova redução no valor dos royalties do petróleo. Ainda assim, o chefe de Gabinete do governo, Paulo Roberto Ferreira, assumiu, em reunião com os sindicatos que representam servidores, que o governo fechará o ano com novo superávit.

As entidades consideraram desrespeitoso o tratamento aos servidores diante de mais um ano sem a revisão.

O próximo ato público do calendário do Julho de Luta será na próxima sexta-feira (21) em frente à Secretaria de Estado de Gestão e Recursos Humanos (Seger), no Centro de Vitória.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Bicho-papão
O ajuste fiscal de Paulo Hartung precisa do exemplo do Rio de Janeiro tanto para cortar quanto para supervalorizar a liberação de recursos
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Caetano Roque
Pressão neles
O movimento sindical deve conscientizar o trabalhador sobre quem estará na disputa do próximo ano contra ele
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Bicho-papão

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento