Seculo

 

Lideranças já se movimentam para eventual nova eleição em Fundão


15/07/2017 às 19:20

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ainda não bateu o martelo, mas a expectativa em Fundão é de que o município passe por um novo pleito para a prefeitura e as lideranças locais já se movimentam para um novo processo eleitoral, que pode não ter nenhum dos nomes que disputaram a eleição em 2016.

Anderson Pedroni (PSD), com a confirmação da impugnação da candidatura, fica fora do pleito extemporâneo. Ele vai apoiar, porém, Pretinho Nunes (PDT), que compôs a chapa em outubro passado com ele, como vice. Quem deve fazer a campanha ao lado do pedetista no palanque é a mulher de Pedroni, Alessandra, o que reforça a presença do ex-prefeito no grupo. Pedroni teve 77% dos votos na eleição de 2016 e deve usar esse capital para tentar transferir os votos para os aliados.

Adriano Ramos (PMN), que ficou em segundo lugar na disputa, não estaria, segundo interlocutores, animado com um novo pleito. Ele chegou a ser diplomado em dezembro como prefeito e tenta validar esse diploma, que foi suspenso pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), mas se não conseguir, não há certeza de que entrará na nova disputa.

Um nome novo que deve aparecer no processo extemporâneo é o de Adriano Grazziotti (Pros). O PSC deve compor a chapa com Pastor Geter na vice. Eles vão tentar ocupar o espaço na expectativa de que os votos de Pedroni sejam intransferíveis.

Quem parece ter se animado com o cargo e pode entrar na disputa para continuar à frente do município é o prefeito interino Eliazar Ferreira (PCdoB). Ele foi eleito presidente da Câmara do município no dia 1º de janeiro e assumiu o município enquanto o processo de Pedroni corria nas instâncias superiores. Embora tenham sido aliados, ele não vai receber o apoio de Pedroni, caso decida se candidatar.

Fundão pode ser a segunda cidade a ter nova eleição no Estado, após o pleito de 2016. No último dia dois de julho, os eleitores de Muqui, no sul do Estado, voltaram às urnas para uma nova eleição. O candidato mais bem votado no município, Frei Paulão (PSB), teve a candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral. Nesse período, a cidade também ficou sob administração do presidente da Câmara, o vereador Camarão (DEM). No novo pleito, venceu Renato Prúculi (PTB)

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Gustavo Bastos
Minha luta com o sol - Pentagrama - Parte I
''vi o sol inca ficar vermelho''
Wilson Márcio Depes
A Frente Ampla começou em Cachoeiro?
Município do sul do Estado mantém a falta de entressafra política
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Roberto Junquilho
Gestão de marca
Manter elos com redutos eleitorais faz a cabeça da classe política
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Especialista critica projeto Escola Sem Partido proposto por vereador de Vitória

TSE define quanto cada partido receberá do Fundo Eleitoral

Pesquisa de R$ 2 milhões financiada pela ArcelorMittal é aprovada em regime de urgência pela Ufes

Procons fiscalizam aumentos nos preços dos combustíveis em postos de Vitória e Serra

Trabalhadores e empresários da Construção Civil dão trégua de um mês para negociações