Seculo

 

PSB refuta, mas 'ruído' sobre acordo com Hartung persiste


17/07/2017 às 16:58
Por meio de interlocutores, o PSB vem tentando desmontar a especulação que ganhou força nos últimos dias nos meios políticos de que o governador Paulo Hartung (PMDB) estaria se movimentando para buscar um acordo, que acomodasse o ex-governador Renato Casagrande (PSB) na disputa ao Senado. O socialista corre o Estado em reuniões sobre a conjuntura nacional e local, mas a classe política ainda não descarta a possibilidade de acordo entre os dois rivais.
 
Ganhou força nos meios políticos a ideia de que Hartung, para limpar o campo de disputa ao governo, estaria tentando um acordo para acomodar Casagrande, enfraquecendo o grupo do socialista e da senadora Rose de Freitas (PMDB) – outro que se movimenta para entrar na corrida ao Palácio Anchieta no próximo ano.
 
Com a imagem desgastada, o governador quer evitar embates eleitorais e se vale do fato de seu antecessor ter pouco espaço na mídia e desgastes com as delações de ex-executivos da Odebrecht, assim como ele, para tentar um acórdão que favorecesse ambos.
 
Diante das movimentações palacianas, o ex-governador vem aumentando o ritmo de suas andanças pelo Estado, o que poderia ser interpretado como uma demonstração de força, mandando o recado que está edificando seu palanque para enfrentar novamente Hartung na disputa ao governo. Mas os meios políticos ainda não parecem convencidos de que haverá esse confronto que, após abertura das urnas de 2014 que deram a vitória, ainda no primeiro turno, a Hartung, parecia certo.
 
A fala do deputado federal Carlos Manato (SD), em entrevista ao jornal A Gazeta desse domingo (16), transparece a observação do mercado político sobre essa possibilidade. “Vai ficar nesta trinca: Paulo, Renato e Rose. Eles vão ter que se entender”, disse o deputado. Isso porque, para as demais lideranças do Estado um novo embate entre Hartung e Casagrande não seria interessante para os dois lados.
 
Em relação à senadora Rose de Freiras, não há garantias que ela ergueria um palanque ao lado de Casagrande e três palanques ao governo seria algo inviável no cenário capixaba. O que estaria dificultando uma tentativa de aproximação seria a irritação do socialista com a disputa de 2014. Hartung também saiu bem desgastado da disputa, mas o senso de sobrevivência do peemedebista teria feito ele usar a criatividade, utilizando interlocutores para fazer a mediação com o desafeto.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Alternativas

Com a mudança no tabuleiro eleitoral do Estado, os olhares se voltam para o palanque de Casagrande e pacto com Rose. Governo, Senado...quem vai?

OPINIÃO
Editorial
Castigada seja a hipocrisia!
Ideal, mesmo, seria ver tamanha indignação dos deputados estaduais no debate sobre nudez artística em casos reais de atentado à paciência da sociedade
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
Hora do plano B
Os planos de Hartung e Colnago retornam à estaca zero com a saída de Luiz Paulo do PSDB
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Saída de Luiz Paulo deve provocar esvaziamento do PSDB no Estado

Operação tartaruga na educação em Linhares tem 90% de adesão

Cadeirante processa plano de saúde e laboratório por atendimento vexatório

Polícia Militar tenta calar cabos e soldados após publicações na internet

MPC pede condenação de ex-presidente da Câmara por gastos com viagem à China