Seculo

 

Ufes abre inscrições do vestibular para Licenciatura em Educação do Campo


17/07/2017 às 17:29
Fruto de um processo histórico de reivindicação dos movimentos sociais, o curso de Licenciatura em Educação do Campo abriu nesta segunda-feira (17) seu quarto processo seletivo. Os candidatos interessados têm até o dia 17 de agosto para se inscrever, exclusivamente pela internet, a partir do site da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

São 160 vagas, sendo metade para cada um dos campi a oferecer a graduação: Vitória e São Mateus. Em Vitória, são oferecidas as áreas de conhecimento Linguagens (Língua Portuguesa, Artes, Literatura e Educação Física) e Ciências Humanas e Sociais (Geografia, História, Sociologia e Filosofia), sendo esta última também oferecida em São Mateus, além de Ciências da Natureza (Química, Física e Biologia).

O curso tem duração de quatro anos e é voltado para a atuação dos futuros profissionais nos anos finais do ensino fundamental e também no ensino médio. Os anos letivos transcorrem em sistema de Alternância, em que o estudante alterna uma semana no chamado Tempo Universidade –  estudando em tempo integral e residindo em alojamento disponibilizado (São Mateus) ou custeado (Vitória) pela Ufes – com uma semana no Tempo Comunidade, onde retorna para sua comunidade de origem, podendo aplicar os conhecimentos adquiridos na universidade e também trazendo, de sua realidade rural, elementos para enriquecer o processo de formação universitária.

A Alternância é uma característica fundamental, pois o curso é voltado para filhas e filhos de agricultores e para educadores que já atuam na educação do campo, seja em assentamentos, comunidades quilombolas ou camponesas. No tempo em que não estão em sala de aula, os graduandos, via de regra, trabalham na roça com suas famílias ou na militância com colegas de seus movimentos sociais.

Foram os movimentos sociais, aliás, que elaboraram, juntamente com a Ufes, o Projeto Pedagógico do Curso (PPC), que originou o primeiro processo seletivo em 2014/2. A primeira turma irá se formar em 2018. 
Dione Albani da Silva, militante do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), participou desse processo de construção e integra a primeira turma a inaugurar o curso, há três anos, e conta que a formação dos professores é um dos principais gargalos da Educação do Campo no Estado. “Uma formação adequada ao povo do campo, contextualizada com a realidade do campo”, ressalta.

Esse é o primeiro curso a preencher essa lacuna no Estado, pois até então, o que havia eram especializações na Ufes. “Mas no âmbito do ensino superior, de uma graduação específica, não havia. É uma conquista importantíssima, principalmente num estado que não tem uma universidade estadual nem uma universidade rural”, contextualiza o camponês e universitário.

Dione também lembra que é preciso lutar para ampliar o número de vagas e a área de abrangência do curso, que ainda não é ofertado no Campus de Alegre, deixando os educadores e futuros educadores do sul do Estado com muita dificuldade.  

E enfatiza como o governo Paulo Hartung caminha em sentido absolutamente oposto aos avanços obtidos nos últimos anos na educação do campo. Enquanto as universidades ofertam uma graduação específica, a Secretaria Estadual de Educação (Sedu) faz todo o esforço para sucatear ao máximo o setor: exonerando o antigo responsável pela Gerência de Educação do Campo, logo que assumiu, em janeiro de 2015, fechando dezenas de escolas do campo em todo o Estado, coagindo os conselheiros dos conselhos de escolas do campo e, finalmente, extinguindo a Subgerência de Educação Indígena e Quilombola.

“São décadas de avanços e muitas experiências exitosas”, diz o militante do MPA, citando as muitas escolas do campo que se destacaram na avaliação estadual de desempenho deste ano, e lamentando o atua governo, por seu “comportamento ditatorial e sem diálogo com os movimentos sociais”.

Para obter mais informações e se inscrever no curso de Licenciatura em Educação do Campo, acesse o site da Ufes 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Seminário debate formas de erradicar o trabalho infantil

Tabuleiro de 2018

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018