Seculo

 

Nada de festa


18/07/2017 às 11:21

Muitos companheiros do movimento sindical, principalmente da construção civil, me questionaram por que não dei os parabéns à chapa eleita no sindicato dos Comerciários. Eles podem até ter razão, por eu ser do meio e conhecer bem o movimento interno por lá.  Mas não dei os parabéns com base em tudo aquilo que venho escrevendo há anos neste espaço.

A coluna é contra a perpetuação no poder de grupos sindicais. Os dirigentes têm de entender que a alternância nas direções das entidades é único caminho para fortalecer a democracia não só nos sindicatos, mas em todos os espaços de organização social.

Em que pese o número de votos na disputa no sindicato ter sido elevado, o resultado é interessante porque nunca passou de mil e chegaram a quase sete mil nesse último pleito. Eles deixam margem de desconfiança porque a chapa que concorreu com eles não teve o direito de ter um fiscal sequer na comissão eleitoral. A comissão era toda ligada à chapa 1.

A chapa é formada por integrantes da corrente petista Construindo um Novo Brasil (CNB), que já foi articulação sindical, virou articulação do A e do B e agora virou CNB. Mas há um grande racha interno na tendência, exatamente por essas divergências desnecessárias. Quando um dirigente começa a achar que só ele é quem sabe e não ouve mais ninguém, aí é que ele está errado.

A coluna vem criticando e chamando atenção do movimento sindical com relação à democracia interna há tempos, e sempre alertando para um perigo que hoje é concreto, com a tomada do poder pela direita. Tanto se digladiou dentro dos sindicatos, que o movimento permitiu que no campo institucional, os direitos dos trabalhadores, que deveriam ser a prioridade máxima das lutas, fossem tomados.

Criou-se um desgaste tão grande, que o partido puxa um movimento pela defesa dos direitos e os sindicatos não comparecem aos atos. Se a diretoria não comparece, o trabalhador é que não vai comparecer mesmo, porque o desgaste é interno.

Por isso, o momento é de autocrítica, de repensar os malefícios dessa guerra interna pela perpetuação do controle dos sindicatos. O momento é de luta, de atrair o trabalhador para dentro do sindicato, as brigas só afastam o trabalhador do sindicato e aí não haverá, em breve, a quem representar.

É hora de voltar à base!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba