Seculo

 

Não tem almoço nem jantar grátis


19/07/2017 às 14:32
Que não existe almoço grátis, todo mundo já sabe. Jantar, muito menos. O que o governador Paulo Hartung (PMDB) ofereceu aos deputados estaduais nessa segunda-fera (17), simbolicamente para fechar o semestre legislativo, saiu bem caro. E não estamos falando, é claro, das iguarias servidas. 
 
Os vinte parlamentares com assento assegurado no banquete palaciano não estavam ali por acaso. Na verdade, eles conquistaram o convite sendo fiéis ao governo. Isso, na prática, significou votar de olhos fechados nos projetos do governo e barrar as propostas dos colegas — mesmo as que aparentemente eram favoráveis à população — sempre que contrariavam os interesses do Palácio Anchieta. 
 
O jantar teve um caráter didático. Cada um dos dez deputados barrados entendeu o recado. Quatro deles — Theodorico Ferraço (DEM), Da Vitória e Euclério Sampaio (ambos do PDT) e Sergio Majeski (PSDB) — oposicionistas assumidos — não tinham nenhuma pretensão ou interesse de ter lugar à mesa. Os outros seis — Freitas e Brunos Lamas (ambos do PSB); Padre Honório e Nunes (ambos do PT); Almir Vieira (PRP); e Marcos Bruno (Rede) — foram intimidados pelo Palácio Anchieta: ou declaram fidelidade incondicional ao governo ou passarão a sofrer perseguição do governo. 
 
Se o governo tem um pacote de bondades para os fiéis, o de maldades para os infiéis é ainda mais completo. Vai da exoneração dos cargos indicados pelos “rebeldes” até a exclusão das verbas parlamentares. 
 
Aliás, depois das conversas finais, entre a sobremesa e o cafezinho, quando o governador achou que a conta já estava paga com a promessa de liberação das emendas parlamentares, os deputados ainda pediram o troco. Querem que o bolo das emendas seja dividido só entre eles, como reconhecimento da fidelidade. Exigem também que os cargos tomados dos infiéis sejam redistribuídos aos governistas de carteirinha. 
 
O escambo escancarado faz lembrar muito os últimos acontecimentos de Brasília, no processo de votação da denúncia contra Temer na Câmara. A moeda usada por Temer para “comprar” votos foi a mesma de Hartung: emendas e redistribuição de cargos “confiscados” dos infiéis. Qualquer semelhança, não é mera semelhança. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Apertem os cintos...

Senadora Rose de Freitas, a ‘mãe do aeroporto’, corre o risco de perder o melhor da festa para Paulo Hartung

OPINIÃO
Editorial
Disciplina X Autoritarismo
Hartung tem sido um péssimo exemplo para a tropa da PM no que diz respeito ao cumprimento das leis
Gustavo Bastos
Sobre um pesadelo
“Nos meus oito ou nove anos de idade, eu tinha obsessão pelos diferentes nomes dados ao tinhoso”
Roberto Junquilho
Gestão hi-tech
O prefeito de Vitória, como seguidor da modernidade, agora virou ator de peças publicitárias
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Exigência de apoio do PSDB ao PSB nos estados deixa Colnago e Hartung em saia justa

Evangélicos se dividem em dois grupos na disputa deste ano

Sobre um pesadelo

Apertem os cintos...

Gestão hi-tech