Seculo

 

Não tem almoço nem jantar grátis


19/07/2017 às 14:32
Que não existe almoço grátis, todo mundo já sabe. Jantar, muito menos. O que o governador Paulo Hartung (PMDB) ofereceu aos deputados estaduais nessa segunda-fera (17), simbolicamente para fechar o semestre legislativo, saiu bem caro. E não estamos falando, é claro, das iguarias servidas. 
 
Os vinte parlamentares com assento assegurado no banquete palaciano não estavam ali por acaso. Na verdade, eles conquistaram o convite sendo fiéis ao governo. Isso, na prática, significou votar de olhos fechados nos projetos do governo e barrar as propostas dos colegas — mesmo as que aparentemente eram favoráveis à população — sempre que contrariavam os interesses do Palácio Anchieta. 
 
O jantar teve um caráter didático. Cada um dos dez deputados barrados entendeu o recado. Quatro deles — Theodorico Ferraço (DEM), Da Vitória e Euclério Sampaio (ambos do PDT) e Sergio Majeski (PSDB) — oposicionistas assumidos — não tinham nenhuma pretensão ou interesse de ter lugar à mesa. Os outros seis — Freitas e Brunos Lamas (ambos do PSB); Padre Honório e Nunes (ambos do PT); Almir Vieira (PRP); e Marcos Bruno (Rede) — foram intimidados pelo Palácio Anchieta: ou declaram fidelidade incondicional ao governo ou passarão a sofrer perseguição do governo. 
 
Se o governo tem um pacote de bondades para os fiéis, o de maldades para os infiéis é ainda mais completo. Vai da exoneração dos cargos indicados pelos “rebeldes” até a exclusão das verbas parlamentares. 
 
Aliás, depois das conversas finais, entre a sobremesa e o cafezinho, quando o governador achou que a conta já estava paga com a promessa de liberação das emendas parlamentares, os deputados ainda pediram o troco. Querem que o bolo das emendas seja dividido só entre eles, como reconhecimento da fidelidade. Exigem também que os cargos tomados dos infiéis sejam redistribuídos aos governistas de carteirinha. 
 
O escambo escancarado faz lembrar muito os últimos acontecimentos de Brasília, no processo de votação da denúncia contra Temer na Câmara. A moeda usada por Temer para “comprar” votos foi a mesma de Hartung: emendas e redistribuição de cargos “confiscados” dos infiéis. Qualquer semelhança, não é mera semelhança. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Só rabo preso

Se Majeski não conseguir acomodação para alçar voos mais altos em 2018, mercado já irá considerar Hartung reeleito no Estado. Assim, de mão beijada?

OPINIÃO
Piero Ruschi
Instituto Nacional Imoral da Mata Atlântica
O longo caminho até esse crime contra o patrimônio cultural foi repleto de ações tão indecorosas quanto seu indigno desfecho
Renata Oliveira
Hartung, o economista
O governador vem sendo incluído em uma casta de pensadores da economia brasileira; grupo arregimentado por Rodrigo Maia
JR Mignone
Radiamadores
Os radioamadores continuam na sua ação principal, aquela de ajudar, informar, localizar, conhecer e explorar as distâncias
Caetano Roque
Uma questão de adequação
A CUT capixaba tem que analisar onde está seu erro e como consertar a saída das ruas
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A árvore da via
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Só rabo preso

Parte dos tucanos quer Majeski como opositor de Hartung, mas PSDB não assume candidatura

Sejus rescinde contrato com empresa que forneceu comida imprópria a presos

Ministério Público arquiva inquérito contra ex-prefeito da Serra

Tribunal absolve funcionária pública acusada de acúmulo indevido de cargos