Seculo

 

Cruz e Sousa teve mais glória póstuma do que fortuna crítica em vida


23/07/2017 às 12:58
No cenário progressivo da literatura brasileira, mais especificamente na linha do tempo da poesia brasileira, Cruz e Sousa é mais um destes escritores e poetas que teve mais a glória póstuma do que uma fortuna crítica em vida, e foi postumamente que o ilustre poeta do simbolismo ganhou a luta contra muitos dos seus detratores.
Cruz e Sousa, por sinal, teve em vida uma obra errática, que se resumia a uma parte de Tropos e Fantasias, ao volume de prosa Missal e ao volume de versos Broquéis. Após sua morte, já temos, ainda em 1898, Evocações, que não aparece com as 500 páginas prometidas no noticiário, mas 394, o que já rendia bons frutos póstumos de um poeta que teve muitas dificuldades em vida.
 
No contexto do movimento simbolista, estilo de poesia criticado por ser invariavelmente palavroso, mas vazio de substância, isto é, uma poesia muito escorreita na forma, mas que tinha pouca densidade de significado, pois era uma poesia sugestiva, extremamente metafórica, e de temática por vezes etérea, como forma e sentido. Cruz e Sousa, por sua vez, tem uma biografia heroica, filho de escravos, negro, e que recebe boa educação de seu ex-senhor, mesmo nascido num contexto provinciano, poeta que floresceu de forma incrível, portanto.
 
E na sua biografia também temos à frente um cenário de dificuldades, uma situação desesperadora, cheio de filhos para criar, com um mísero emprego de extra-numerário na Central do Brasil, escrevendo a poesia luxuriante do simbolismo em meio de uma casa paupérrima, e que ainda tinha o poeta uma esposa que era louca, para, por fim, morrer o poeta heroico de tuberculose, sina dos poetas. Ele é, no entanto, um dos mais conhecidos representantes da poesia simbolista brasileira, um mestre desta poesia de cunho sugestivo, um dos pontos culminantes da lírica brasileira.  
 
Por sua vez, com o empenho de seu amigo Nestor Victor, o livro Faróis vem a lume em 1900, como um volume de 184 páginas. Por fim, também foi de responsabilidade deste amigo a impressão em Paris, do livro Últimos Sonetos. Na publicação de Faróis, Nestor Victor diz que guarda “algumas peças de prosa e verso a mim confiadas pela piedosa viúva do poeta.”
 
No entanto, considera que não valeria a pena publicá-las, “por serem uns trabalhos modernos que, no entanto, ele retirou das coleções a que os destinava a princípio, outras produções antigas, dos primeiros tempos da formação do seu talento, completamente destoantes da obra definitiva”. Contudo, mais tarde, tais produções tiveram grande parte divulgadas numa edição popular do Instituto do Livro, organizada por Andrade Muricy, este que considerou tal material como de mesma qualidade do restante da obra de Cruz e Sousa.
 
POEMAS:
 
ANTÍFONA : O poema, sonoro, vai com a forma clara, a dança sensorial do poema tem início, e temos um Cruz e Sousa abrindo seus Broquéis com propriedade: “Ó Formas alvas, brancas, Formas claras/De luares, de neves, de neblinas! ...” (...) “Formas do Amor, constelarmente puras,/De Virgens e de Santas vaporosas ...” (...) “Indefiníveis músicas supremas,/Harmonias da Cor e do Perfume ...” (...) “Infinitos espíritos dispersos,/Inefáveis, edênicos, aéreos,/Fecundai o Mistério destes versos,/Com a chama ideal de todos os mistérios.”. O poema mergulha nos mistérios, imaginação febricitante do mundo etéreo do simbolismo, e que segue: “Que brilhe a correção dos alabastros/Sonoramente, luminosamente./Forças originais, essência, graça/De carnes de mulher, delicadezas ...” (...) “Desejos, vibrações, ânsias, alentos/Fulvas vitórias,”. E o poema com veia adjetivada, prorrompe, numa orgia sonora e de imagens: “Flores negras do tédio e flores vagas/De amores vãos, tantálicos, doentios .../Fundas vermelhidões de velhas chagas/Em sangue, abertas, escorrendo em rios .../Tudo! vivo e nervoso e quente e forte,/Nos turbilhões quiméricos do Sonho,/Passe, cantando, ante o perfil medonho/ E o tropel cabalístico da Morte ...”. O poema lida o tempo todo com a faculdade misteriosa do mundo, o simbolismo que toma forma enunciando a sugestão de uma fantasmagoria como a forma sublime da poesia.
 
LÉSBIA : O poema tem um tom todo vermelho, selvagem, carnívoro, planta demoníaca e que em lascivo canto é também báquico: “Cróton selvagem, tinhorão lascivo,/Planta mortal, carnívora, sangrenta,/Da tua carne báquica rebenta/A vermelha explosão de um sangue vivo./Nesse lábio mordente e convulsivo,/Ri, ri risadas de expressão violenta/O Amor, trágico e triste, e passa, lenta,/A morte, o espasmo gélido, aflitivo .../Lésbia nervosa, fascinante e doente,/Cruel e demoníaca serpente/Das flamejantes atrações do gozo./Dos teus seios acídulos, amargos,/Fluem capros aromas e os letargos,/Os ópios de um luar tuberculoso ...”. O luar em ópio tuberculoso e a imagem dileta do amor trágico, cume do simbolismo no caudaloso rio poético de Cruz e Sousa.
 
TORRE DE OURO : O poema tem todo um jogo imagético em que se desfraldam as bandeiras, leitmotiv destes versos de simbolismo puro: “Desta torre desfraldam-se altaneiras,/Por sóis de céus imensos broqueladas,/Bandeiras reais, do azul das madrugadas” (...) “São pavilhões das hostes fugitivas,/Das guerras acres, sanguinárias, vivas,/Da luta que os Espíritos ufana./Estandartes heroicos, palpitantes,/Vendo em marcha passar aniquilantes/As torvas catapultas do Nirvana!”. E tais imagens que evocam a cena de guerra e batalhas em que o poema evoca a sua potência.
 
A DOR : O poema se abre com tom plangente, em que o simbolismo de tais versos explodem, num rito sonoro e imagético em que a torrente é de lágrimas e de poesia na sua maior potência: “Torva Babel das lágrimas, dos gritos,/Dos soluços, dos ais, dos longos brados,/A Dor galgou os mundos ignorados,/Os mais remotos, vagos infinitos./Lembrando as religiões, lembrando os ritos,/Avassalara os povos condenados,/Pela treva, no horror, desesperados,/Na convulsão de Tântalos aflitos.” (...) “As gerações vão todas proclamando/A grande Dor aos frígidos espaços .../E assim parecem, pelos tempos mudos,/Raças de Prometeus titâneos, rudos,/Brutos e colossais, torcendo os braços!”. E a dor aqui, ao fim, é a batalha do homem com o mundo, raças de prometeus, estes que dão ao humano o poder e sucumbem diante da brutalidade dura do universo e sua nêmesis por vezes cega e incompreensível.
 
LUA : Este poema sugere as mil faces da lua, e que a poesia, inteira, canta este sonho lunar em todas as suas nuances, e que Cruz e Sousa, o poeta, lhe aproveita tais feições inumeráveis, no que temos: “Surgindo a Lua nebulosa e leve .../Névoas e névoas frígidas ondulam ...” (...) “Vagam baladas e visões e lendas/No florido noivado das Alturas .../E fria, fluente, frouxa claridade/Flutua como as brumas de um letargo .../E erra no espaço, em toda a imensidade,/Um sonho doente, cilicioso, amargo .../Da vastidão dos páramos serenos,/Das siderais abóbadas cerúleas/Cai a luz em antífonas, em trenos,/Em misticismos, orações e dúlias ...”. As visões lunares são canções que prorrompem da pena febricitante do poeta que registra tudo na mestria de sua pena: “E a Lua vai clorótica fulgindo/Nos seus alperces etereais e brancos,/A luz gelada e pálida diluindo/Das serranias pelos largos flancos .../Ó Lua das magnólias e dos lírios!” (...) “Quando ressurges, quando brilhas e amas,/Quando de luzes a amplidão constelas,/Com os fulgores glaciais que tu derramas/Dás febre e frio, dás nevrose, gelas .../A tua dor cristalizou-se outrora/Na dor profunda mais dilacerada/E das dores estranhas, ó Astro, agora,/És a suprema Dor cristalizada! ...”. O frio e a dor se cristalizam aqui, com o poema lunar e suas febres e sonhos.
 
SATÃ : O poema satânico nos dá seu canto tétrico, no que temos: “Capro e revel, com os fabulosos cornos/Na fronte real de rei dos reis vetustos,/Com bizarros e lúbricos contornos,/Ei-lo Satã entre os Satãs augustos.”. A besta é bem apresentada, e segue seu périplo, e o poema conflui radiante com a pena poética que sonha: “Arcangélico e audaz, nos sóis radiantes,/À púrpura das glórias flamejantes .../Alarga as asas de relevos bravos .../O Sonho agita-lhe a imortal cabeça ...”.
 
POEMAS:
 
DO LIVRO “BROQUÉIS”
 
ANTÍFONA
 
Ó Formas alvas, brancas, Formas claras
De luares, de neves, de neblinas! ...
Ó Formas vagas, fluidas, cristalinas ...
Incensos dos turíbulos das aras ...
 
Formas do Amor, constelarmente puras,
De Virgens e de Santas vaporosas ...
Brilhos errantes, mádidas frescuras
E dotências de lírios e de rosas ...
 
Indefiníveis músicas supremas,
Harmonias da Cor e do Perfume ...
Horas do Ocaso, trêmulas, extremas,
Requiem do Sol que a Dor da Luz resume ...
 
Visões, salmos e cânticos serenos,
Surdinas de órgãos flébeis, soluçantes ...
Dormências de volúpicos venenos
Sutis e suaves, mórbidos, radiantes ...
 
Infinitos espíritos dispersos,
Inefáveis, edênicos, aéreos,
Fecundai o Mistério destes versos,
Com a chama ideal de todos os mistérios.
 
Do Sonho as mais azuis diafaneidades
Que fuljam, que na Estrofe se levantem
E as emoções, todas as castidades
Da alma do Verso, pelos versos cantem.
 
Que o pólen de ouro dos mais finos astros
Fecunde e inflame a rima clara e ardente ...
Que brilhe a correção dos alabastros
Sonoramente, luminosamente.
 
Forças originais, essência, graça
De carnes de mulher, delicadezas ...
Todo esse eflúvio que por ondas passa
Do Éter nas róseas e áureas correntezas ...
 
Cristais diluídos de clarões álacres,
Desejos, vibrações, ânsias, alentos
Fulvas vitórias, triunfamentos acres,
Os mais estranhos estremecimentos ...
 
Flores negras do tédio e flores vagas
De amores vãos, tantálicos, doentios ...
Fundas vermelhidões de velhas chagas
Em sangue, abertas, escorrendo em rios ...
 
Tudo! vivo e nervoso e quente e forte,
Nos turbilhões quiméricos do Sonho,
Passe, cantando, ante o perfil medonho
E o tropel cabalístico da Morte ...
 
LÉSBIA
 
Cróton selvagem, tinhorão lascivo,
Planta mortal, carnívora, sangrenta,
Da tua carne báquica rebenta
A vermelha explosão de um sangue vivo.
 
Nesse lábio mordente e convulsivo,
Ri, ri risadas de expressão violenta
O Amor, trágico e triste, e passa, lenta,
A morte, o espasmo gélido, aflitivo ...
 
Lésbia nervosa, fascinante e doente,
Cruel e demoníaca serpente
Das flamejantes atrações do gozo.
 
Dos teus seios acídulos, amargos,
Fluem capros aromas e os letargos,
Os ópios de um luar tuberculoso ...
 
TORRE DE OURO
 
Desta torre desfraldam-se altaneiras,
Por sóis de céus imensos broqueladas,
Bandeiras reais, do azul das madrugadas
E no íris flamejante das poncheiras.
 
As torres de outras regiões primeiras
No Amor, nas Glórias vãs arrebatadas,
Não elevam mais alto, desfraldadas,
Bravas, triunfantes, imortais bandeiras.
 
São pavilhões das hostes fugitivas,
Das guerras acres, sanguinárias, vivas,
Da luta que os Espíritos ufana.
 
Estandartes heroicos, palpitantes,
Vendo em marcha passar aniquilantes
As torvas catapultas do Nirvana!
 
A DOR
 
Torva Babel das lágrimas, dos gritos,
Dos soluços, dos ais, dos longos brados,
A Dor galgou os mundos ignorados,
Os mais remotos, vagos infinitos.
 
Lembrando as religiões, lembrando os ritos,
Avassalara os povos condenados,
Pela treva, no horror, desesperados,
Na convulsão de Tântalos aflitos.
 
Por buzinas e trompas assoprando
As gerações vão todas proclamando
A grande Dor aos frígidos espaços ...
 
E assim parecem, pelos tempos mudos,
Raças de Prometeus titâneos, rudos,
Brutos e colossais, torcendo os braços!
 
LUA
 
Clâmides frescas, de brancuras frias,
Finíssimas dalmáticas de neve
Vestem as longas árvores sombrias,
Surgindo a Lua nebulosa e leve ...
 
Névoas e névoas frígidas ondulam ...
Alagam lácteos e fulgentes rios
Que na enluarada refração tremulam
Dentre fosforescências, calafrios ...
 
E ondulam névoas cetinosas rendas
De virginais, de prônubas alvuras ...
Vagam baladas e visões e lendas
No florido noivado das Alturas ...
 
E fria, fluente, frouxa claridade
Flutua como as brumas de um letargo ...
E erra no espaço, em toda a imensidade,
Um sonho doente, cilicioso, amargo ...
 
Da vastidão dos páramos serenos,
Das siderais abóbadas cerúleas
Cai a luz em antífonas, em trenos,
Em misticismos, orações e dúlias ...
 
E entre os marfins e as pratas diluídas
Dos lânguidos clarões tristes e enfermos,
Com grinaldas de roxas margaridas
Vagam as Virgens de cismares ermos ...
 
Cabelos torrenciais e dolorosos
Boiam nas ondas dos etéreos gelos.
E os corpos passam níveos, luminosos,
Nas ondas do luar e dos cabelos ...
 
Vagam sombras gentis de mortas, vagam
Em grandes procissões, em grandes alas,
Dentre as auréolas, os clarões que alagam,
Opulências de pérolas e opalas.
 
E a Lua vai clorótica fulgindo
Nos seus alperces etereais e brancos,
A luz gelada e pálida diluindo
Das serranias pelos largos flancos ...
 
Ó Lua das magnólias e dos lírios!
Geleira sideral entre as geleiras!
Tens a tristeza mórbida dos círios
E a lividez da chama das poncheiras!
 
Quando ressurges, quando brilhas e amas,
Quando de luzes a amplidão constelas,
Com os fulgores glaciais que tu derramas
Dás febre e frio, dás nevrose, gelas ...
 
A tua dor cristalizou-se outrora
Na dor profunda mais dilacerada
E das dores estranhas, ó Astro, agora,
És a suprema Dor cristalizada! ...
 
SATÃ
 
Capro e revel, com os fabulosos cornos
Na fronte real de rei dos reis vetustos,
Com bizarros e lúbricos contornos,
Ei-lo Satã entre os Satãs augustos.
 
Por verdes e por báquicos adornos
Vai cr`oado de pâmpanos venustos
O deus pagão dos Vinhos acres, mornos,
Deus triunfador dos triunfadores justos.
 
Arcangélico e audaz, nos sóis radiantes,
À púrpura das glórias flamejantes ...
Alarga as asas de relevos bravos ...
 
O Sonho agita-lhe a imortal cabeça ...
E solta aos sóis e estranha e ondeada e espessa
Canta-lhe a juba dos cabelos flavos!
 

Gustavo Bastos, filósofo e escritor
Blog: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Piero Ruschi
O ‘Santo Graal’ de Augusto Ruschi
Eventos recentes de desrespeito ao Museu Mello Leitão, camuflados sob a criação do INMA, ressuscitam episódios históricos lamentáveis
Renata Oliveira
Uma nova bandeira se ergue
O programa de combate à violência contra a mulher leva o governador Paulo Hartung a nova narrativa para 2018
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Contas públicas viram pano de fundo para disputa entre 'doutores' em Itapemirim

'Refiliação' de secretário aumenta tensão no PSDB

Sessão solene de homenagem a professores é marcada por protesto

As abelhas e o Agro

Bancada apresenta R$ 1,4 bi em emendas para o Espírito Santo