Seculo

 

Lixo da Vale revolta trilheiros em praias secretas ao norte de Camburi


24/07/2017 às 18:19
“Décadas e mais décadas e a empresa não retira e continua jogando seu lixo nas praias secretas de Vitória. Lamentável!”, protesta a Associação dos Amigos da Praia de Camburi (AAPC) com relação à Caminhada Ecológica da Praia de Camburi realizada nessa domingo (23).

A professora de Química Ívina Langsdorf foi uma das participantes a se indignar com o contraste entre as belas paisagens, a fauna, e o lixo da maior mineradora do mundo: máquinas inutilizadas, ferragens em geral, muitos fios e cabos, lixo doméstico, muito plástico, muito minério e até pelotas de ferro na areia. “Como cidadão me sinto lesada”, afirma.

Seus alunos de Química, na EEEFM Almirante Barroso, em Goiabeiras, encontraram um recorte de jornal sobre um movimento social contra a poluição por pó preto atuando em 1987. “Há pelo menos trinta anos se fala disso e as decisões continuam sendo proteladas”, reclama, reconhecendo que a população faz pouca pressão e os políticos também são muito omissos. “O poder econômico e político dela é muito grande”, diz.

Nesta terça-feira (25), os alunos da professora Ívina irão à Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) conhecer uma pesquisa sobre um polímero que está sendo desenvolvido para aglutinar o pó de minério em sua passagem pelas esteiras de transporte dentro da fábrica. A visita faz parte de um projeto que se encerrará no final de agosto e inclui análise química da areia da praia, para avaliar teor de ferro. Os alunos já postaram um vídeo da caminhada que fizerem em junho em Camburi e continuarão tentando entender o processo de produção e poluição da mineradora.
 
O pó preto que se mistura à areia de Camburi é parte do volume total que sai da planta da Vale em Tubarão e contamina toda a Grande Vitória. E é apenas a parte visível da poluição do ar geradas pelas indústrias da Ponta de Tubarão - além da Vale, a ArcelorMittal -, pois os demais poluentes, tão ou mais impactantes à saúde e ao meio ambiente, são invisíveis a olho nu.

Desde a inauguração da 8ª Usina de Pelotização da Vale na Ponta de Tubarão, em meados de 2014, o Espírito Santo se tornou o estado que mais produz e exporta pelotas de ferro no mundo. Neste segundo trimestre de 2017, a mineradora obteve recorde na produção de minério de ferro, com 91,8 mil toneladas, 5,8% a mais que o mesmo período de 2016.

Os impactos da atividade também crescem, com o pó preto se tornando um problema cada vez mais presente na vida do morador da Grande Vitória, sujando as residências e praias e provocando sérios problemas de saúde, especialmente respiratórios e cardíacos.  

A conivência do Estado com a situação se revela na incapacidade e desinteresse em exigir a redução efetiva da poluição, bem como estudos relacionando os poluentes com os prejuízos à saúde. Sequer um monitoramento preciso da poluição do ar é feito, como denunciam seguidamente os ambientalistas. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Lá e cá

Enquanto Rose volta a se movimentar em Brasília, Casagrande delimita território no Estado. Cada um no seu quadrado...

OPINIÃO
Geraldo Hasse
Vendilhões no comando
Os governos petistas deram mole aos Mercados, mas o MDB escancara a prática do entreguismo
Roberto Junquilho
Os calos da esquerda
Apesar de possuir lideranças bem posicionadas, a esquerda só aparece quando os fatos são diretamente ligados ao cenário político partidário
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Admirável mundo novo
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Os calos da esquerda

Comitê em Defesa de Lula é criado no Estado

Lá e cá

Atílio Vivácqua decreta luto oficial de três dias por morte de prefeito

Relatório internacional de Direitos Humanos destaca violência policial no Brasil