Seculo

 

Inversão de papéis


18/11/2014 às 13:04
A coluna vem destacando neste espaço há muito tempo que as reformas que o processo político precisa devem partir do movimento social. Tanto no que se refere às disputas políticas, quanto ao acompanhamento e cobrança das mudanças que são necessárias para a população. Mas essa não é uma realidade apenas do Espírito Santo.
 
Depois da eleição, o PT entendeu que as velhas lideranças políticas não são mais as donas do capital político. Dilma foi reeleita pelos resultados do projeto do PT para as classes menos favorecidas e o PT entendeu que sua aliança tem de ser com os movimentos sociais e com a os partidos de esquerda. 
 
É um paradoxo, uma inversão de valores. Essas cobranças deveriam partir do movimento sindical, que deveria liderar essa mobilização popular, e não de uma liderança política cobrando dos movimentos sindicais que se mobilizem. 
 
Algumas lideranças políticas estão convocando a sociedade organizada e os movimentos populares, além da CUT e partidos de esquerda para iniciarem um movimento apartidário, para uma ampla aliança em defesa da democracia. No próximo dia 6 de dezembro, atos públicos vão pipocar no Brasil e, espera-se, dê início a um movimento amplo no sentido da democracia direta e que apague essas ideias reacionárias, que defendem até o retorno do militarismo. 
 
Já que mudança não partiu do movimento sindical, que ele tome as rédeas dessas movimentações e procure entender o novo momento que vive o Brasil. Se até as instituições políticas já entenderam que não dá mais para ignorar as demandas da população, é hora de o movimento entender que a pauta econômica não deve ser o único foco dos sindicados. É preciso investir na formação política e na mobilização para a pressionar as instituições a fazer as mudanças necessárias para o bem-estar da população. 
 
Como o movimento já perdeu o bonde, é hora de correr atrás dele.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Gustavo Bastos
Minha luta com o sol - Pentagrama - Parte I
''vi o sol inca ficar vermelho''
Wilson Márcio Depes
A Frente Ampla começou em Cachoeiro?
Município do sul do Estado mantém a falta de entressafra política
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Roberto Junquilho
Gestão de marca
Manter elos com redutos eleitorais faz a cabeça da classe política
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Especialista critica projeto Escola Sem Partido proposto por vereador de Vitória

TSE define quanto cada partido receberá do Fundo Eleitoral

Pesquisa de R$ 2 milhões financiada pela ArcelorMittal é aprovada em regime de urgência pela Ufes

Procons fiscalizam aumentos nos preços dos combustíveis em postos de Vitória e Serra

Trabalhadores e empresários da Construção Civil dão trégua de um mês para negociações