Seculo

 

Inversão de papéis


18/11/2014 às 13:04
A coluna vem destacando neste espaço há muito tempo que as reformas que o processo político precisa devem partir do movimento social. Tanto no que se refere às disputas políticas, quanto ao acompanhamento e cobrança das mudanças que são necessárias para a população. Mas essa não é uma realidade apenas do Espírito Santo.
 
Depois da eleição, o PT entendeu que as velhas lideranças políticas não são mais as donas do capital político. Dilma foi reeleita pelos resultados do projeto do PT para as classes menos favorecidas e o PT entendeu que sua aliança tem de ser com os movimentos sociais e com a os partidos de esquerda. 
 
É um paradoxo, uma inversão de valores. Essas cobranças deveriam partir do movimento sindical, que deveria liderar essa mobilização popular, e não de uma liderança política cobrando dos movimentos sindicais que se mobilizem. 
 
Algumas lideranças políticas estão convocando a sociedade organizada e os movimentos populares, além da CUT e partidos de esquerda para iniciarem um movimento apartidário, para uma ampla aliança em defesa da democracia. No próximo dia 6 de dezembro, atos públicos vão pipocar no Brasil e, espera-se, dê início a um movimento amplo no sentido da democracia direta e que apague essas ideias reacionárias, que defendem até o retorno do militarismo. 
 
Já que mudança não partiu do movimento sindical, que ele tome as rédeas dessas movimentações e procure entender o novo momento que vive o Brasil. Se até as instituições políticas já entenderam que não dá mais para ignorar as demandas da população, é hora de o movimento entender que a pauta econômica não deve ser o único foco dos sindicados. É preciso investir na formação política e na mobilização para a pressionar as instituições a fazer as mudanças necessárias para o bem-estar da população. 
 
Como o movimento já perdeu o bonde, é hora de correr atrás dele.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba