Seculo

 

Cadê o sindicato?


01/08/2017 às 10:34
Os informativos dos sindicatos foram durante muitos anos uma fonte de informação e formação para a classe trabalhadora. O material ia além, circulava entre familiares, vizinhos, amigos. Além das informações sobre as negociações das categorias, trazia um importante conteúdo de consciência de classe. 
 
Esse informativo mudou ou sumiu. Os que ainda existem, se limitam a retratar as excursões promovidas pelas entidades, as festas de fim de ano, os sorteios de prêmios entre associados, as felicitações de aniversário. Em períodos de negociação de data base, uma ou outra matéria falando das conversas com os patrões ou sobre as batalhas judiciais por reajustes. 
 
O que se tinha de material sobre a formação política desapareceu. Muitas vezes é o próprio patrão quem patrocina ou entrega o informativo, já que ele se tornou inofensivo. Muitos acabaram, não se vê mais nas portas das fábricas, nos ônibus, pela rua. Não existe mais panfletagem dos sindicatos com seus materiais, não existe mais trabalho de base, de conscientização do trabalhador. 
 
O fim dessa comunicação é fundamental para a desidratação do movimento sindical e segue a linha das próprias direções dos sindicatos, que desapareceram das ruas. Nas últimas colunas, falávamos da ausência das diretorias dos sindicatos, que poderiam colocar, só entre os cutistas, mais de dois mil sindicalistas nas ruas. Sem o exemplo da diretoria, como pode o movimento sindical querer que o trabalhador faça esse papel de mobilização?
 
Alguns dirigentes defendem que o informativo hoje deve circular apenas na internet. É um erro. O trabalhador quer a panfletagem na porta da fábrica, como tem que ser. Muitos trabalhadores se queixam dessa ausência. Mas os sindicatos hoje se preocupam mais em ser associações recreativas do que instituições representativas de luta de classe. E mais tem de ser participativa. Hoje já fazem acordo até sem passar pela categoria. Nem abertura de campanha salarial tem
 
Os trabalhadores querem seus representantes mais próximos, buscando a mobilização in loco. A construção da consciência política do trabalhador deve ser um trabalho diário e presencial. Tanto se ausentaram das ruas que deu no que deu. 
 
Mais luta, menos omissão!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba