Seculo

 

Escolha errada


03/08/2017 às 14:32
A decisão da Câmara em não permitir a abertura de inquérito contra o presidente Michel Temer enfraqueceu os movimentos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que é o primeiro na linha de sucessão da Presidência da República. Esse enfraquecimento pode revelar uma certa precipitação do governador Paulo Hartung, ao permitir que transpirasse o namoro dele com o partido de Maia, o DEM.
 
Não que Temer tenha se fortalecido ao permanecer no governo, vai sangrar até 2018, mas fica adiado o projeto demista de chegar à presidência e dificulta a movimentação para fortalecer o partido. Nesse contexto, alimenta ainda mais a curiosidade sobre as conversas entre Hartung e Maia, no Estado, e a conversa de Hartung, Maia e Temer, em Brasília. 
 
Além disso, o dilema do governador aumenta. Se deixar o PMDB, vai abrir o caminho para que a senadora Rose de Freitas, essa sim fortalecida com a permanência de Temer até 2018, sem possibilidade de afastamento imediato. Se permanecer no PMDB, vai colher o desgaste da imagem do presidente, que nele cola, já em Rose, isso é compensado com o acesso aos recursos do governo federal.
 
Se a ideia foi deixar a conversa com o DEM “vazar”, para mostrar engajamento com as questões nacionais, o governador pode ter se antecipado e contou com uma abertura de inquérito contra Temer, que não aconteceu. Se a ideia foi mandar recado para  o PMDB barrar Rose e festeja-lo, a manobra também não parece bem sucedida. Depois do episódio dessa quarta-feira (2), na Câmara, fica a dúvida se o governador vai mesmo concretizar essa ideia de ir para o DEM e, mais, de levar deputados federais com ele. 
 
Com a porta fechada no PSDB, com o rumo incerto do DEM e o desgaste do PMDB, o caminho de Hartung pode ser mesmo o PSD, que tem conservado em alta conta em seu secretariado. Mas isso também vai depender muito das movimentações do que vai valer como regra e quais os espaços que ele vai conseguir abrir para uma campanha à reeleição, que aliás, é o que lhe resta. 
 
Fragmentos:
 
1 – Quem vê o vídeo do senador Magno Malta (PR) depois da reunião da bancada federal com membros do governo para debater as obras da BR-101, com Sérgio Vidigal (PDT) ao seu lado, não imagina que a coisa ficou feia entre os dois no mesmo dia. 
 
2 – O ex-governador Renato Casagrande, que tem evitado os assuntos nacionais, se posicionou sobre o arquivamento do processo contra o presidente Temer na Câmara dos Deputados. “Temer está a salvo da guilhotina, pelo menos, por enquanto. Concluída essa etapa, cabe a nós agora resistir à retirada de direitos dos trabalhadores que a reforma da previdência apresentada pelo governo está propondo”, afirmou.
 
3 – E por falar em Casagrande, se houver nova eleição no município de Castelo, no sul do Estado, o socialista pode realizar seu sonho de eleger o irmão Cesinha Casagrande (PSB) em sua cidade natal. Deve ir com tudo para o município na tentativa de conquistar a prefeitura.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

O poder político mudou de domicílio

Perfil de Marcelo Santos, um viciado governista, não interessa a PH no Tribunal de Contas. Mas, sim, um aliado fiel para todas as intempéries

OPINIÃO
JR Mignone
Sessão nostalgia
Músicas do passado continuam soberanas, encantando novos ouvintes e matando a saudade dos mais velhos
Geraldo Hasse
Aprimorando a arte das panacéias
Proliferam nas ruas os vendedores de panos de prato a 10 reais por meia dúzia
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

O poder político mudou de domicílio

Polêmico projeto da Marina de Vitória é tema de audiência pública na Câmara