Seculo

 

STF encerra conflito de atribuição entre MPT e MPES durante paralisação da PM


03/08/2017 às 15:38
O Supremo Tribunal Federal (STF) acatou pedido de reconsideração procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e encerrou o conflito de atribuições entre o Ministério Público do Trabalho no Estado (MPT-ES) e o Ministério Público Estadual (MPES) durante mediação entre o movimento de familiares de policiais militares, que paralisou o policiamento ostensivo em fevereiro deste ano, e o governo estadual.

No mês de março, o MPT chegou a costurar um acordo entre os familiares, com o auxílio da Central Única dos Trabalhadores (CUT), no sentido de resolver o conflito. No entanto, o procurador-geral decidiu pelo conflito de atribuição, afastando a atuação do MPT e deixando as negociações a cargo do MPES. O caso foi levado à Procuradoria Geral da República (PGR) pelo Conselho Nacional do Ministério Público (MPES), acionado pelo MPES.

Na ocasião, foi grande a surpresa de representantes do MPT e da CUT que chegavam para a mediação designada pelo MPES com o movimento de familiares, já que foram informados que o MPT não poderia mais continuar na mediação do conflito.

A decisão de Janot na época gerou uma manifestação por parte do chefe do MPT, Estanislau Bozi, que lamentou o fato de o Ministério Público do Trabalho ter de deixar o processo negocial no momento em que acreditava ter conquistado a confiança dos atores sociais envolvidos.

Já no pedido de reconsideração, Janot aponta que decidiu pelo conflito de atribuição na época por conta da urgência e dos riscos envolvidos e que tomou a decisão sem oitiva do MPT, afastando da seara trabalhista a atuação diante do vínculo estatutário incidente sobre os policiais militares.

No entanto, o procurador-geral reconheceu que a atuação do MPT era meramente de mediação, buscando a autocomposição dos atores envolvidos, em razão do conflito, e que não afetava a atribuição do controle externo da atividade policial exercido pelo MPES.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Quem dá mais?

Enquanto o mercado político se divide cada vez mais entre o bloco palaciano e o puxado por Casagrande, Audifax segue com acenos para o lado que mais convém

OPINIÃO
Editorial
Castigada seja a hipocrisia!
Ideal, mesmo, seria ver tamanha indignação dos deputados estaduais no debate sobre nudez artística em casos reais de atentado à paciência da sociedade
Piero Ruschi
A decadência da celulose
O plantio de eucalipto destinado à produção de celulose no Estado sofrerá reduções extremamente positivas ao capixaba
Gustavo Bastos
Conto carnavalesco
''Qual é o sentido do carnaval para você?''
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
Hora do plano B
Os planos de Hartung e Colnago retornam à estaca zero com a saída de Luiz Paulo do PSDB
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hora do plano B

Polícia Militar tenta calar cabos e soldados após publicações na internet

Quem dá mais?

Ricardo Ferraço ensaia chapa casada ao Senado com Amaro Neto

Estudantes reagem contra manutenção do reajuste na passagem de ônibus