Seculo

 

Prefeitura amplia Bike Vitória, mas melhorias em ciclovias emperram


05/08/2017 às 19:16
Bem acolhido pelos moradores, o Bike Vitória, serviço municipal de compartilhamento de bicicletas, será ampliado, ação que merecerá uma solenidade neste domingo (6), na Praia de Camburi. A boa recepção é indiscutível, seja como opção de lazer, seja como opção de transporte. Mas enquanto as “verdinhas” se espalham pela cidade, a infraestrutura cicloviária da Capital não evoluiu.
 
Nesse sentido, o projeto mais palpável é a implantação de uma ciclovia na Avenida Rio Branco, apresentado em junho de 2015. O início das obras, no entanto, foi prometido apenas para o início de 2018. Enquanto isso, a rede cicloviária de Vitória segue penando com os mesmos problemas: falta de conectividade e precária sinalização horizontal e vertical.
 
Em alguns pontos da cidade, o aumento de ciclistas está provocando uma disputa por espaço entre bicicletas e pedestres em vias compartilhadas. Uma disputa desigual: ciclistas reproduzem com pedestres a mesma lei do mais forte que os vitimam no asfalto quando disputam espaço com os carros. A cena é corriqueira na calçada compartilhada da Avenida Beira-Mar, no Centro de Vitória.
 
Desde 2012, uma série de projetos e iniciativas elevou o patamar da infraestrutura cicloviária de Vitória. Foram inauguradas a ciclovia entre a Ponte da Passagem e a Praça dos Namorados, na Praia do Canto, a ciclovia das Docas, no Centro de Vitória, e implantado o Bike Vitória.
 
O uso da bicicleta como meio de transporte se popularizou, mas sem um acompanhamento à altura de políticas públicas. 
 
Não há resposta, por exemplo, para demandas por vias exclusivas para bikes em eixos como a Avenida Maruípe – que já recebeu demarcações-protesto de ciclofaixas por ciclistas e cicloativistas, chamando a atenção justamente para o risco de se pedalar na área - ou em bairros como Jardim da Penha, para ligar a ciclovias da Avenida Fernando Ferrari à da Praia de Camburi.
 
Ou seja, mesmo com a ampliação do Bike Vitória, os ciclistas vão continuar disputando espaço com veículos nas ruas. Não à toa, das 20 estações do programa, 13 foram fixadas na orla da cidade, onde a segurança do ciclista é mais garantida, e outras três estão próximas à orla (Parque Moscoso, Tancredão e Santo Antônio).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Quem dá mais?

Enquanto o mercado político se divide cada vez mais entre o bloco palaciano e o puxado por Casagrande, Audifax segue com acenos para o lado que mais convém

OPINIÃO
Editorial
Castigada seja a hipocrisia!
Ideal, mesmo, seria ver tamanha indignação dos deputados estaduais no debate sobre nudez artística em casos reais de atentado à paciência da sociedade
Piero Ruschi
A decadência da celulose
O plantio de eucalipto destinado à produção de celulose no Estado sofrerá reduções extremamente positivas ao capixaba
Gustavo Bastos
Conto carnavalesco
''Qual é o sentido do carnaval para você?''
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
Hora do plano B
Os planos de Hartung e Colnago retornam à estaca zero com a saída de Luiz Paulo do PSDB
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hora do plano B

Polícia Militar tenta calar cabos e soldados após publicações na internet

Quem dá mais?

Ricardo Ferraço ensaia chapa casada ao Senado com Amaro Neto

Estudantes reagem contra manutenção do reajuste na passagem de ônibus