Seculo

 

Soldados que pedem licenciamento da PM têm requerimentos indeferidos


06/08/2017 às 17:49
A desilusão com a carreira militar e com a forma como a Polícia Militar tem sido conduzida no Estado tem feito com que diversos soldados peçam licenciamento, o que é equivalente à demissão, da corporação em busca de outras oportunidades. O problema, no entanto, é que nem todos os soldados conseguem a liberação, já que a legislação militar estadual tem um dispositivo que impede que o militar seja liberado em alguns casos.
 
Na última semana, dois soldados tiveram o pedido de licenciamento indeferido pelo comandante-geral da Polícia Militar, coronel Nylton Rodrigues pelo fato de terem cumprido menos da metade do tempo de engajamento.
 
Quando ingressa na Polícia Militar, o recruta parra por uma avaliação da Junta Militar de Saúde (JMS), que tem validade de dois anos. Decorrido esse prazo, o militar faz o engajamento, com submissão a outra JMS, essa com validade de quatro anos; e aos seis anos de corporação faz um reengajamento, passando por uma nova junta, também com validade de quatro anos.
 
Ocorre que, de acordo com a legislação do Estado, o militar é obrigado a cumprir, no mínimo, metade do período de validade da avaliação de saúde. Por exemplo, quando o militar completa dois anos de serviço e faz o engajamento, só pode sair por Licenciamento a Pedido depois de quatro anos de serviço.
 
De acordo com o presidente da Associação de Cabos e Soldados do Estado (ACS/PMBM-ES), Renato Martins Conceição, a regra do Estado não tem lógica, já que um militar com menos tempo de Polícia pode pedir o licenciamento (caso ainda não tenha feito o engajamento), mas um com mais tempo não pode.
 
O advogado da entidade, Tadeu Fraga de Andrade, ressalta que lei nenhuma do mundo civilizado confere o credor a forçar o devedor ao adimplemento de uma dívida assumida. “Quando muito, haverá uma consequência jurídica que se abaterá sobre coisas materiais, corpóreas e substituíveis, jamais sobre algo imaterial, como a vontade ou a oportunidade que uma vez perdida nunca será recuperada”.
 
Ele ressalta que na Polícia Militar do Estado, caso algum militar se julgue equivocadamente vocacionado para carreira e assume a obrigação de servir a essa vocação por um período mínimo, não terá o direito de se arrepender antes de esgotado o prazo, mesmo se estiver disposto a arcar com as perdas e danos que seu arrependimento pode ter causado ao interesse público. “Se no meio do caminho ele resolver que a felicidade está noutro lugar, bem diferente da carreira militar, nada lhe servirá de alívio. Deverá ele colocar a vida em risco, enfrentando toda a sorte de perigos e privações desse especial modo de vida por todo o tempo que lhe resta neste compromisso, mesmo que isso signifique fazer algo contra a vontade, desperdiçando a chance de ser feliz”.
 
A ACS vai entrar com ações em favor dos militares que pedem licenciamento antes do prazo de cumprimento do engajamento alegando o direito à liberdade.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

A quadrilha democrática da Rua Sete

Contratação do Instituto da Mata Atlântica gera PAD contra gerente do Iema