Seculo

 

Gildevan rejeita emendas da oposição sem se dar ao trabalho de lê-las


08/08/2017 às 17:42
Como esperado, os deputados da oposição não conseguiram passar nenhuma emenda ao projeto enviado pelo governo do Estado que amplia a concessão de auxílio-alimentação a servidores públicos ativos da Administração Direta, Autarquias e Fundações do Estado. O projeto foi votado e aprovado em regime de urgência na sessão desta terça-feira (8) na Assembleia Legislativa.

A esratégia do governo era tratar o projeto como uma conquista do servidores. Isso porque a matéria não era um ato espontâneo do governo, que estaria sensibilizado com o pleito legítimo dos servidores, mas sim o cumprimento de uma decisão da Justiça, na qual o Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindpúblicos) saiu vitorioso. 
 
O que chamou atenção na votação, porém, foi o viés político da discussão. O presidente da Comissão de Justiça, Gildevan Fernandes (PMDB), negou cinco das nove emendas apresentadas ao projeto, sem sequer lê-las em plenário. Questionado pelo deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) se Gildevan havia lido a emenda por ele apresentada, ouviu do peemedebista que ele havia lido “parcialmente”. 
 
O que chama atenção é que as emenda apresentadas pelos deputados Sergio Majeski (PSDB), Josias Da Vitória (PDT) e Padre Honório (PT) não foram sequer lidas e o presidente da Comissão também não deu justificativa para rejeitá-las. 
 
O deputado Majeski, foi à tribuna da Casa para fazer aquilo que o relator da matéria na Comissão não fez, ou seja, dar o direito do cidadão que acompanhava a sessão conhecer o conteúdo das emendas rejeitadas. A primeira emenda de Majeski propunha que qualquer funcionário público recebesse o auxílio-alimentação no valor integral de R$ 220. O deputado explicou que o projeto do governo propõe que o pagamento seja proporcional à quantidade de horas trabalhadas. Ele deu como exemplo o caso dos professores que cumprem carga horária de 25 horas semanais. Segundo o deputado, esse servidor receberá R$ 137,50 e não R$ 220. 
 
A outra emenda do tucano propunha a correção do valor do auxílio-alimentação a partir das perdas com inflação de duas formas concomitantes: ajuste anual para corrigir a inflação do ano que passou e também durante oito anos, anualmente, reajuste 7,5%, para poder repor um déficit de 240%. Segundo o deputado, esse índice equivale às perdas dos últimos 20 anos em que não houve reajuste. 
 
O deputado Josias Da Vitória (PDT) também criticou a rejeição de sua emenda que determinava o pagamento do benefício como verba indenizatória, o que evitaria os descontos que incidiriam sobre o recurso. 
 
Gildevan acolheu outras quatro emendas, que tratam do acúmulo de cargas horárias, garantindo a proporcionalidade do recurso, o pagamento em forma de verba pecuniária, todas propostas por deputados da base governista. O líder do governo Rodrigo Coelho (PDT) apresentou também emendas em parceria com o deputado Gilsinho Lopes (PR), garantindo o recurso também para os servidores em Designação Temporária. 
 
O líder ocupou a tribuna para defender o projeto do governo. Ele reconheceu que a matéria é fruto de ação judiciária, mas afirmou que o governo poderia ter protelado, deixando a tramitação correr no Judiciário. O governo do Estado, ao mudar o regime de pagamento dos servidores em 2009, retirou da modalidade subsídio o recurso do auxílio-alimentação. Como se trata de verba indenizatória, o auxílio não poderia ser retirado. 
 
O deputado Enivaldo dos Anjos tentou emplacar uma emenda para garantir isonomia entre os poderes, congelando os recursos do auxílio-alimentação dos servidores da própria Assembleia, Judiciário, Ministério Público e Tribunal de Contas até a apresentação de uma proposta conjunta, até que o benefício alcançasse a isonomia entre todos os servidores, mas a proposta foi rejeitada. 
 
A discussão que mais esquentou na Assembleia foi relacionada ao benefício aos trabalhadores da educação. A emenda do deputado Nunes (PT) garante aos servidores que acumularam cargos o pagamento integral de um benefício. Já outra emenda, apresentada pelo líder do governo, atendendo ao sindicato dos professores do Estado (Sindiupes), garante a proporcionalidade aos professores que acumulam mais aulas, além da carga cheia, ou seja, 25 horas semanais. O foco da discussão é quem tem apenas uma cadeira no Estado não vai receber o recurso de forma integral, que só será concedido a quem trabalha 40 horas semanais. 
 
A base do governo tentou desqualificar a posição dos deputados de oposição, dizendo que, apesar de terem discursado criticamente em relação ao projeto, votaram favoravelmente à matéria. 
 
O projeto foi aprovado por 22 votos favoráveis e uma abstenção. Os deputados que questionaram o projeto, sobretudo os que apresentaram emendas, fizeram questão de esclarecer que votariam a favor mesmo não concordando com o teor do projeto, que deveria sofrer mudanças. 
 
O comportamento de alguns deputados da base mostra como será o processo de endurecimento com a oposição no plenário da Assembleia no segundo semestre do ano. A ideia, ao que parece, será a de isolar e tentar desqualificar a oposição, seguindo à risca a estratégia do Palácio Anchieta. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Só rabo preso

Se Majeski não conseguir acomodação para alçar voos mais altos em 2018, mercado já irá considerar Hartung reeleito no Estado. Assim, de mão beijada?

OPINIÃO
Piero Ruschi
Instituto Nacional Imoral da Mata Atlântica
O longo caminho até esse crime contra o patrimônio cultural foi repleto de ações tão indecorosas quanto seu indigno desfecho
Renata Oliveira
Hartung, o economista
O governador vem sendo incluído em uma casta de pensadores da economia brasileira; grupo arregimentado por Rodrigo Maia
JR Mignone
Radiamadores
Os radioamadores continuam na sua ação principal, aquela de ajudar, informar, localizar, conhecer e explorar as distâncias
Caetano Roque
Uma questão de adequação
A CUT capixaba tem que analisar onde está seu erro e como consertar a saída das ruas
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A árvore da via
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Só rabo preso

Parte dos tucanos quer Majeski como opositor de Hartung, mas PSDB não assume candidatura

Sejus rescinde contrato com empresa que forneceu comida imprópria a presos

Ministério Público arquiva inquérito contra ex-prefeito da Serra

Tribunal absolve funcionária pública acusada de acúmulo indevido de cargos