Seculo

 

Câmara de Vitória enterra o Porta a Porta


08/08/2017 às 20:41
Por 10 votos a 4, a Câmara de Vitória aprovou nesta terça-feira (8), em segundo turno, o projeto de Emenda à Lei Orgânica, de autoria do prefeito Luciano Rezende (PPS), que autoriza a integração do serviço municipal de transporte ao Sistema Transcol. O projeto não garante a manutenção do Porta a Porta, programa municipal de transporte de pessoas com deficiência.
 
Antes da votação, em defesa da manutenção do programa, o vereador Roberto Martins (PTB) lembrou que o sistema municipal será submetido às normais estaduais de transporte, que preveem apenas o Mão na Roda, o semelhante metropolitano do Porta a Porta. “Se nós hoje votarmos aqui essa integração do jeito que está, nós estaremos sepultando o Porta a Porta”.
 
Em vão. Davi Esmael (PSB), Dalto Neves (PTB), Denninho Silva (PPS), Leonil Dias (PPS), Luiz Paulo Amorim (PV), Nathan Medeiros (PSB), Sandro Parrini (PDT), Waguinho Ito (PP), Wanderson Marinho (PSC) e Vinicius Simões (PPS) deram os votos que enterraram o Porta a Porta. Duda Brasil (PDT), Neuzinha de Oliveira (PSDB), Mazinho dos Anjos (PSD) e Roberto Martins foram contrários.
 
Os vereadores favoráveis justificaram os respectivos votos repetindo o discurso da crise no transporte público municipal. O argumento é questionável. 
 
Em maio, uma representação do Ministério Público de Contas (MPC) pediu a suspensão imediata do reajuste dos ônibus e o retorno da tarifa ao valor anterior até uma decisão final do Tribunal de Contas do Estado (TCE), fundamentada, justamente, na falta de transparência dos dados das empresas concessionárias. 
 
A ação do MPC aponta indícios de irregularidades no processo de revisão tarifária dos ônibus da capital, como falta de transparência, dados inconsistentes, apuração primária de custos e análises sem tratamento estatístico. 
 
“Tem uma questão fundamental que vi perpassando toda a discussão, que é a questão da crise, como sendo o grande argumento para a urgência da integração, sem nenhuma salvaguarda ao Porta a Porta. Que crise? Onde nós vimos os documentos, as planilhas que nos comprovam essa crise?”, questionou Roberto Martins.
 
A aprovação do projeto também pode abster o prefeito Luciano Rezende de cumprir uma sentença judicial determinando melhorias no programa, como incremento de oito veículos à frota e agendamento mínimo de dois dias, incluindo dias úteis, feriados, pontos facultativos e finais de semana. A sentença, no entanto, ainda não foi cumprida. O Porta a Porta tem quase 400 pessoas em sua lista de espera.
 
Alguns procuraram se defender de desgastes com a aprovação de um projeto danoso aos direitos da pessoa com deficiência. A justificativa é que o voto foi pelo diálogo e não pela integração. 
 
“Vamos votar pela abertura de um dialogo entre a prefeitura e o governo do Estado para uma futura integração do sistema municipal de transporte”, disse Sandro Parrini. “Não vou votar em projeto de lei obrigando a transferir a gestão do transporte para o estado. Estou votando em um projeto que meramente está autorizando o município a poder conversar com o estado para uma possível integração”, complementou Dalto Neves.
 
Denninho Silva (PPS) colocou as mãos no fogo pelo governador Paulo Hartung (PMDB). “Eu tenho certeza, excelência, que nem o governador Paulo Hartung nem ninguém vai fazer nada contra o Porta a Porta”. 
 
Também contrária ao projeto, Neuzinha de Oliveira, que preside a Frente Parlamentar em Defesa da Acessibilidade, ressalvou: “Precisamos da integração. Precisamos. Mas não fala nada em momento algum [sobre o Porta a Porta]”. O presidente Vinicius Simões (PP) objetou que, se o problema são leis, parágrafos ou artigos, há uma lei estadual que garante o serviço de transporte de pessoas com deficiência. Neuzinha treplicou prontamente: “Só uma pergunta: fala do Porta a Porta?”. Não falava.
 
Após a votação, Neuzinha ainda rememorou fatos convenientes. Lembrou que, na votação para a concessão do serviço de transporte, em 2004, as empresas prometeram “um monte de coisa”. A vereadora não viu nada cumprido. Lembrou que as promessas voltaram na votação para a implantação das catracas eletrônicas. “Tem 11 anos que estou apresentando propostas de melhorias e nada é admitido. Sempre dizem que ‘a competência não é nossa’”, finalizou.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Só rabo preso

Se Majeski não conseguir acomodação para alçar voos mais altos em 2018, mercado já irá considerar Hartung reeleito no Estado. Assim, de mão beijada?

OPINIÃO
Piero Ruschi
Instituto Nacional Imoral da Mata Atlântica
O longo caminho até esse crime contra o patrimônio cultural foi repleto de ações tão indecorosas quanto seu indigno desfecho
Renata Oliveira
Hartung, o economista
O governador vem sendo incluído em uma casta de pensadores da economia brasileira; grupo arregimentado por Rodrigo Maia
JR Mignone
Radiamadores
Os radioamadores continuam na sua ação principal, aquela de ajudar, informar, localizar, conhecer e explorar as distâncias
Caetano Roque
Uma questão de adequação
A CUT capixaba tem que analisar onde está seu erro e como consertar a saída das ruas
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A árvore da via
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Só rabo preso

Parte dos tucanos quer Majeski como opositor de Hartung, mas PSDB não assume candidatura

Sejus rescinde contrato com empresa que forneceu comida imprópria a presos

Ministério Público arquiva inquérito contra ex-prefeito da Serra

Tribunal absolve funcionária pública acusada de acúmulo indevido de cargos