Seculo

 

Instituto Nacional Imoral da Mata Atlântica


09/08/2017 às 15:20
A criação do Instituto Nacional da Mata Atlântica (INMA) à custa da extinção do Museu criado pelo Patrono Nacional da Ecologia, por si só, é de uma imoralidade estupenda. 
O longo caminho até esse crime contra o patrimônio cultural foi repleto de ações tão indecorosas quanto seu indigno desfecho, as quais contaram com o aval de incentivadores do desmanche do Museu Mello Leitão (atualmente concentrados no grupo MoveINMA), apoiadores (o próprio Museu Mello Leitão, a sua associação de amigos Sambio e o Ibram), intermediadores (deputados federais Paulo Foletto e Lelo Coimbra) e do principal beneficiado, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. 
Se por um lado esses grupos compartilham a preocupação com uma uníssona retórica de camuflagem do desmanche institucional do Museu Mello Leitão desde o início do processo, por outro, cresce a cada dia a priorização de interesses próprios por parte de alguns de seus componentes. 
Atualmente, o grupo dos incentivadores do desmanche (MoveINMA) mostra-se preocupado com a garantia de que seus membros sejam selecionados pelo ministro Gilberto Kassab para compor a equipe de trabalho do INMA, uma situação agravada pela redução do número de cargos de alta remuneração (de 15 para três cargos DAS - Direção e Assessoramento Superior).
Essa situação perdurou devido à própria irresponsabilidade do grupo ao insistir no avanço às pressas de metas de criação do INMA sem correção de pontos falhos, como ausência de estrutura jurídica e orçamentária. 
As razões da pressa não são claras, mas o fato é que diversas fases do processo ficaram ausentes, como o comitê de transferência, que foi sendo adiado consecutivamente e deixou de acontecer – uma consequência ou mesmo indício de que a transferência foi ilegítima e apenas serviu para camuflar a extinção institucional do museu. 
Tais fatos colocaram em risco não só a instituição, como seu patrimônio, cuja alienação desconsiderou até mesmo o futuro das propriedades conjuntas, como é o caso da Estação Biológica de Santa Lúcia – onde encontra-se o jazigo de Augusto Ruschi –, propriedade conjunta com a Universidade Federal do Rio de Janeiro  (UFRJ), Museu Nacional e sua sociedade de amigos, que também foram mantidas longe do processo de transferência.
Curiosamente, essa preocupação dos incentivadores vem sendo explicitada ao tom de “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço” nos próprios documentos produzidos para camuflar os disparates do processo em redes sociais e no boletim científico do antigo museu. Uma dessas publicações cobra o “diálogo e a transparência” como pilares fundamentais na idealização futura do instituto. Logo o diálogo, por quem deixou a população e instituições proprietárias de fora da discussão (não houve sequer uma audiência pública a respeito do processo de extinção do patrimônio de utilidade pública estadual e municipal). Logo a transparência, por quem até os dias de hoje dialoga sob a fajuta retórica de desmanche do legado de A. Ruschi, com justificativas escalonadas que vão de mentiras a interpretações distorcidas das próprias palavras do cientista. 
Embora o descaso com o Museu Mello Leitão por parte de Gilberto Kassab e seu Ministério seja notoriamente alinhado à retórica dos incentivadores, apoiadores e intermediadores da extinção institucional, a consolidação da implementação do Instituto alienador caminha para a virada de uma nova página do trâmite: a nomeação de seu primeiro diretor. 
Nessa nova fase serão tomadas as diretrizes do instituto, cujos objetivos remetem ao planejamento nacional do MCTIC. Já o ministro Kassab precisará ser cauteloso, pois o alto grau de afinidade de seu escolhido com os fatores morais e éticos desrespeitados no desmanche do Museu pode comprometer o sucesso do INMA, o que a curto, médio e longo prazo tornaria o INMA uma instituição tão ordinária quanto seu processo de criação. 
Algumas frases que escondem verdades abomináveis do processo de desmanche do Museu criado por Augusto Ruschi:
1) "A oportunidade de se ter um instituto dedicado ao tema como o Instituto Nacional da Mata Atlântica – INMA - é ímpar".
Na verdade, ela é par (02). Uma oportunidade seria criar o INMA dentro do Museu, sem desmanchá-lo, o que atende à Legislação Brasileira de Museus e à Legislação de Proteção do Patrimônio de Utilidade Pública. Entretanto, o caminho seguido é, de fato, um caso raríssimo! Imagine só, ter o órgão que acolhe o Museu (Ibram), o diretor do Museu e sua sociedade de amigos dispostos a apoiar sua alienação ao MCTI. E ainda por cima um Senado disposto a aprovar a ação por votos que atropelam suas próprias leis – bem, essa última parte não é tão rara no atual cenário político do Brasil, infelizmente.
2) "Imprescindível que o novo instituto inclua abertura para o diálogo com a sociedade para se tornar facilitador e um centro científico democrático".
Fatores imprescindíveis, como democracia e diálogo, deveriam anteceder a criação do instituto.
3) "Avançar sem perder a memória. Conservar o MBML, sua história e coleções".
Nada representa a memória melhor que a própria instituição Museu Mello Leitão, que atualmente está no limbo.
4) "Em tempo de catástrofe, convém pensar em utopias".
E se o leitor tiver dificuldade em se iludir, basta ler cegamente os itens anteriores.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso