Seculo

 

CPI dos Maus Tratos pode ser nova bandeira de Magno Malta para 2018


09/08/2017 às 16:27
O senador Magno Malta (PR) foi eleito presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado, que investigará maus-tratos contra crianças e adolescentes. Segundo o senador, são inúmeras as denúncias que a imprensa apresenta todos os dias de maus-tratos contra crianças no Brasil. Ele ainda lembra que na maioria dos casos os agressores são pessoas que deveriam proteger os menores.
 
Politicamente, a CPI vem num momento propício para o senador que busca fortalecimento para 2018. No Estado, Malta não teria mais a mesma capilaridade de suas duas campanhas passadas. Na primeira foi eleito com o combate ao narcotráfico, mas foi a CPI da Pedofilia que fez com que o parlamentar ficasse conhecido nacionalmente. 
 
Na disputa de 2010, Malta disputou com a bandeira da redução da maioridade penal, promessa que não pode cumprir, até porque isso dependeria de uma mudança na Constituição. Neste sentido, o senador perdeu o apoio de parte do eleitor capixaba. Além disso, Malta fez apostas erradas em 2014, primeiro insinuando o desejo de disputar o governo do Estado, o que fez seu partido encolher. Depois tentou sem sucesso entrar na disputa a presidente da República, mas não conseguiu convencer a cúpula nacional do PR. 
 
O senador tentou emplacar algumas bandeiras, mas ainda não havia encontrado uma com seu perfil. Com discurso fácil e de grande aderência, o senador à frente da CPI dos Maus-Tratos de Crianças com foco em adequar a legislação, pode ser um trunfo em seu novo projeto de tentar emplacar a vice, na chapa a presidente do ultraconservador Jair Bolsonaro (PSC, de saída para o PEN). 
 
Malta que também é proponente do controverso projeto “Escola Sem Partido”, no Senado, diz que a ideia é mudar a legislação para “proteger as crianças e adolescentes”. E sua dedicação à nova bandeira será total. “Vou pedir licença em algumas comissões que já sou titular no Senado e focarei minha atenção nesta Comissão que já recebeu muitas denúncias de maus tratos contra crianças que precisam de investigação. Vamos convocar ministros, promotores, juízes, delegados, médicos e diversas autoridades que já operam nesta área. A luta já começou”, disse Magno Malta.
 
Malta pretende desenvolver os trabalhos da comissão em eixos estratégicos, investigando a automutilação e suicídio de crianças e adolescentes; abuso, exploração e violência sexual contra crianças e adolescentes; maus tratos em abrigos, creches e instituições afins; violência contra crianças indígenas e exploração de trabalho Infantil.
 
“Acreditamos que a CPI terá abrangência internacional já que vamos ouvir os diretores do WhatsApp, facebook, google e abriremos novamente a caixa preta da internet. Depois desta CPI, com certeza, teremos uma nova legislação para crimes contra crianças e jovens no pais. São muitos abusos e descasos contra crianças que serão apurados nos seis meses de atividades da CPI”, prometeu Magno Malta.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Agenda Cultural: festa do Caboclo Bernardo em Linhares